Por que a junk food realmente vicia

Por , em 6.07.2009

Salgadinhos, doces e refeições prontas podem ter o mesmo efeito sobre o cérebro que o tabaco, de acordo com David Kessler, ex-chefe do órgão de regulação de alimentos e medicamentos dos estados Unidos, o FDA.

Impossível comer um só

Kessler argumenta que as empresas que produzem alimentos industrializados fizeram combinações de gordura, açúcar e sal que são “hiper-palatáveis”, e que os produtores tentam encontrar um ponto em que as pessoas comam um certo produto e fiquem com vontade de mais.

Quando era chefe da FDA, Kessler se tornou conhecido por criticar os produtores de cigarros, que ele acusava de manipular os cigarros para torná-los mais viciantes. Agora, em seu novo livro, “The End of Overeating” (“O fim da alimentação em excesso”, em tradução livre, sem edição brasileira) ele afirma que produtos como o ketchup da marca Heinz, por exemplo, são criados para estimular sentimentos de prazer. “A mensagem para comer se torna mais intensa, motivando a pessoa a procurar por ainda mais comida”, diz.

“É hora de parar de culpar as pessoas por estarem acima do peso ou obesas”, afirma. “O verdadeiro problema é que criamos um mundo em que a comida está sempre disponível e é feita para fazer que você queira mais”, diz Kessler. De acordo com Kessler, a comida pode abrir o apetite, em vez de acabar com ele. “Para milhões de pessoas, a comida moderna é impossível de se resistir”, afirma. [Telegraph]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 4,00 de 5)

3 comentários

  • Kamila:

    É triste saber o que algumas pessoas fazem pelo dinheiro. Produzem alimentos hiper palatáveis para enriquecer às custas do vício dos outros, isso é a pura covardia. Por isso que é sempre bom pesquisar sobre tudo! Temos que viver com a desconfiança sempre ao nosso lado!

  • xBee:

    Já reparei que quando vou ao Mac e como um Bigmac, no fim sinto vontade de comer mais um. Mas fica-se com um sabor durante horas que dá vontade de repetir. Mas eu resisto. 🙂
    Mas como são só duas ou três vezes ao ano, não deve fazer muito mal. 😉

    Na semana passada comi foi uma francesinha que deu o mesmo efeito, o sabor que dá vontade de comer mais uma. :p

    Mas nada comparada com as francesinhas originais da cidade do Porto. Que apesar de não dar esse sabor de voltar a comer, são de comer e chorar por mais.

  • K-:

    Ótimo artigo, me faz pensar até que ponto o ser humano chega para vender mais do seu próprio produto. Mensagens subliminares nos comerciais é só a ponta deste iceberg.

Deixe seu comentário!