Engenheiro constrói microscópio holográfico para celular com apenas 10 dólares

Por , em 15.11.2009

telefone celular microscopio
Telefone celular/microscópio

Microscópios são ferramentas indispensáveis para a identificação de células sanguíneas e na procura por doenças como anemia, tuberculose e malária. O problema é que eles também são grandes e caríssimos. Pensando nisso, o professor de engenharia Aydogan Ozcan criou um software e aproximadamente dez dólares (R$ 17,20) em equipamentos para adaptar celulares para serem substitutos destas máquinas.

“Convertemos celulares em instrumentos que diagnosticam doenças”, afirma o engenheiro da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos. Ozcan já criou uma empresa, chamada de Microskia, para comercializar a nova tecnologia. Os telefones celulares adaptados podem ser usados para observação em lugares distantes de hospitais, técnicos ou laboratórios de diagnóstico, afirma o criador do instrumento.

Em um dos protótipos criados pelo engenheiro, uma gota de sangue pode ser inserida sobre o sensor da câmera do celular. O sensor então direciona o conteúdo da lâmina e manda a informação para um hospital ou centro de saúde regional, via transmissão sem fio. O celular pode detectar o formato assimétrico de células doentes ou outras células anormais, além de notar um aumento no número de células brancas no sangue, o que é um sinal de infecção.

A criação de Ozcan é uma solução simples para um problema complexo, de acordo com Ahmet Yildiz, professor de física e biologia molecular na mesma Universidade. “Este é um meio barato de eliminar a necessidade do microscópio e imagens de amostras biológicas com uma câmera simples de celular”, afirma. “Se você está em um lugar onde um microscópio ou uma unidade médica não estão disponíveis, esta é uma solução muito inteligente”, completa.

Neven Karlovac, executivo-chefe da Microskia, afirma que alguns dos produtos da empresa serão adaptações para celulares comuns. Para telefones sem câmeras ou muito compactos para sofrerem as modificações, a empresa tem diferentes projetos, como uma caixa simples com um chip sensível que pode ser conectado a um celular ou laptop com um cabo USB. “Nossa ideia é comercializar este processamento de imagem e diagnóstico de baixo custo e aplicá-lo a diferentes produtos”, afirma Karlovac.

O funcionamento do “novo microscópio”

Segundo David Brady, professor de engenharia elétrica na Universidade de Duke (EUA), a criação de Ozcan é compacta porque o pesquisador eliminou um elemento central em um microscópio: as suas lentes. “Não há necessidade de lentes nestes aparelhos, porque a ampliação pode ser feita eletronicamente, sem necessidade de lentes óticas”, Brady explica.

Para este sistema eletrônico de ampliação, diodos emissores de luz adicionados ao telefone brilham sobre a amostra colocada sobre o chip da câmera do celular. Algumas das ondas da luz atingem as células suspensas na amostra, dispersando as células e interferindo com outras ondas de luz. “Quando as ondas interferem, elas criam um padrão chamado de holograma”, afirma Brady. O detector da câmera grava o holograma ou padrão de interferência como uma série de pixels. De acordo com Ozcan, os pixels são ricos em informação. “Podemos processar a informação matematicamente e reconstruir imagens como as que seriam observadas em um microscópio”, explica.

Bahram Jalali, professor de engenharia elétrica da Universidade da Califórnia, acredita que o novo processo pode funcionar mais rapidamente que um microscópio, já que não é necessário restringir a área de observação, como é feito em um aparelho tradicional. “Neste caso é possível capturar hologramas de todas as células na lâmina digital ao mesmo tempo”, diz. Deste modo, é possível encontrar diferenças em células em uma grande população de células saudáveis. “É um meio mais eficaz de encontrar a agulha no palheiro”, brinca. [NY Times]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

4 comentários

  • Gregory:

    Bom demais pra ser verdade
    pelo que foi dito no artigo, naum ha absolutamente NADA de ruim nisso…
    a qualidade da imagem eh a mesma de um microscopio?
    isso se aplica a td tipo de celula de td dipo de doença?
    a resolução da camera do celular precisa ser alta?
    cmo foi dito, eh pelos pixels ki eles verão as celular, ‘reconstruindo’ a imagem assim ki ela xegar no laboratorio.
    eh uma ideia otima, mas axo ki eh preciso analisar os prós e os contras

  • Jício S. P. _ Físico:

    REALMENTE NOTÁVEL!!!!!!!!!!!!!!!! E EXPLÊNDIDO!!!!!

    E O QUE DEIXA ISSO MAIS INTERESSANTE É QUE NÃO SE PRODUZIO À PARTIR DO “NOVO”, MAS A ATILIZAÇÃO DE UM OBJETO JÁ EXISTENTE E MUITÍSSIMO DIFUNDIDO PELO MUNDO, COMO É O CELULAR.
    Ao colega Ruben Zevallos Jr., gostaria de dizer que não é bem assim tão simples!!!
    O engenheiro teve uma “sacada” de que ele poderia usar a COMPLEXIDADE TECNOLÓGICA EMPREGADA no celular e CRIAR ALGO MENOS COMPLEXO PARA SOMAR COM A JÁ EXISTENTE! PORÉM SÓ O ADAPTADOR QUE ELE FEZ NÃO SERIA SUFICIENTE!!

  • Ruben Zevallos Jr.:

    Muito interessante a idéia… realmente o complexo e caro, não quer dizer o melhor… neste caso novamente o simples e barato está sendo a máxima.

  • Clement:

    Gostaria de ter um destes aparelhos, uau!
    Imagino que esta técnica possa se adaptar a outras situações, como por exemplo ao se examinar o olho, fundo do olho, orelha, endoscopia e muito mais.

Deixe seu comentário!