Plásticos podem causar impotência

Por , em 16.11.2009

A substância bisfenol A, utilizada para endurecer o plástico utilizado em embalagens e garrafas, pode causar disfunção erétil e outros problemas sexuais em homens. O contato regular com altos níveis da substância pode ter relação com estes problemas e traz mais controvérsia à regulamentação do uso do bisfenol A.

O estudo que traz as novidades sobre a substância foi realizado com trabalhadores do sexo masculino em fábricas na China que produzem ou utilizam o bisfenol A. Estes trabalhadores relataram taxas quatro vezes maiores de disfunção erétil, sete vezes mais dificuldade para ejacular e diminuição do desejo sexual quando comparados com um grupo de controle.

» Melancia é o Viagra natural?

A substância é encontrada em milhares de produtos utilizados diariamente, como embalagens plásticas de bebidas, e é usada até em mamadeiras para bebês. Em 2008, alguns fabricantes deste produto retiraram o bisfenol A da formulação do plástico de mamadeiras nos Estados Unidos. Três anos antes, estudos mostraram que a substância pode afetar o desenvolvimento cerebral.

Mais de 93% das pessoas nos Estados Unidos têm traços da substância na urina, e vários estudos também mostram que o bisfenol A pode prejudicar o sistema reprodutivo de muitos animais, desde o desenvolvimento precoce da sexualidade até contagem baixa de esperma em homens. O composto se comporta como o hormônio feminino estrogênio, e prejudica os processos hormonais normais.

Em agosto de 2008, a FDA, órgão responsável pela regulamentação de alimentos nos Estados Unidos, afirmou que a exposição ao bisfenol A é segura nos níveis em que a substância é encontrada em embalagens de alimentos e bebidas. Ainda assim, dois importantes órgãos de saúde daquele país afirmaram que a exposição não é segura. Atualmente, o FDA está revendo a validade da afirmação.

» Sexo freqüente protege contra impotência

O novo estudo é o primeiro a mostrar os efeitos da exposição regular ao composto em longos períodos. Ainda assim, a preocupação com a substância pode ser desnecessária para pessoas comuns: os níveis de bisfenol A encontrados na urina dos trabalhadores chineses chegavam a ser 50 vezes mais altos que aqueles encontrados em pessoas normais. De-Kun Li, que realizou o estudo, afirma que a descoberta sobre a exposição dos trabalhadores das fábricas não pode ser extrapolada para a população geral. [New Scientist]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

3 comentários

  • JUMENTO:

    Ops, postei errado.
    Moderador, se for possivel, retire este meu comentario desta pagina. Este comentario vou coloca-lo na outra noticia sobre o plastico… é que eu estava com as 2 noticias abertas ao mesmo tempo.
    Obrigado.

  • JUMENTO:

    Poxa, ainda bem que ja estão quebrando o monopolio das industrias plasticas. Não basta demonstrar que é um dos produtos que mais demoram para se decompor na natureza.
    Quem sabe com estas e mais pesquisas, algo novo ou as velhas garrafas de vidro e embalagens de lata voltem para substitui-lo.
    Pelo menos, nunca ouvi falar que embalagens de vidro e de lata faziam algum tipo de mal a saude e muito menos para a natureza tanto quanto o plastico.
    Que estas pesquisas avancem afinal, as “sacolinhas de supermercado” já estão começando a ser substituidas pela antiga sacola caseira ou o carrinho-de-feira.
    Ainda prefiro que estas embalagens antigas retornem pois caso apareça algum produto novo, vai demorar um bom tempo para que começem a perceber se ele é noçivo ou não a saude.
    Vale citar (e não tem nada a ver com o plastico mas sim com embalagens que temos contato) o aluminio que é mais nocivo a saude do que a lata.

  • Thiago:

    Um componente utilizado para endurecer o plastico, pode amolecer outra coisa, aUIOIAHOIHUA

Deixe seu comentário!