5 coisas básicas do dia a dia que são amplamente aceitas, mas muito recentes

Por , em 8.05.2015

Você provavelmente já assistiu inúmeros filmes e programas de TV que ocorrem no Velho Oeste, na Roma Antiga, na Renascença etc. O problema é que essas histórias são sempre contadas pensando em um público moderno – ou seja, elas incluem algumas invenções muito recentes que acabamos assumindo que remontam milhares de anos.

5. Os médicos não eram respeitados como profissionais até o século 20

verdades basicas recentes (2)
Quando você era criança, a maior esperança de seus pais é que você superasse as chances e se tornasse alguém altamente respeitado, como um médico. Voltando apenas um século ou dois para trás, isso não seria melhor do que dizer aos seus pais hoje que você decidiu ter uma carreira criticando videogames no YouTube.

Na Roma antiga, ser um médico era considerado uma das mais humildes profissões. Naquela época, o trabalho de costurar pessoas depois de terem sido esfaqueadas por um visigodo era relegado a pessoas dos degraus mais baixos da sociedade, como escravos ou estrangeiros. Por quê? Bem, há o fato de que até recentemente a arte de curar pessoas era uma extremamente frustrada.

Todo o conceito de ter que obter uma licença médica, ou ter que aprender muita coisa sobre como o corpo funciona, é muito recente. Os médicos não sabiam que tinham que lavar as mãos antes de cirurgias até meados de 1800! Assim, por séculos, hospitais eram onde você ia para morrer, e os médicos eram os açougueiros que usavam ferramentas enferrujadas antes de enviá-lo para casa com algum mercúrio para beber.

Por volta do século 18, os médicos eram colocados no mesmo nível social que, por exemplo, barbeiros. Na verdade, uma revista médica dessa época uma vez lamentou que se tornar um médico era popularmente considerado jogar sua vida fora.

Então, quando nos aproximamos do início do século 20, uma série de avanços na medicina introduziu a ideia radical dos pacientes irem do hospital para suas casas vivos. Governos começaram a exigir que os profissionais da saúde aprendessem tudo o que pudessem antes de chamar a si mesmos de médicos e, de repente, as pessoas estavam dispostas a pagar muito dinheiro para seus serviços.

4. Nós não emprisionávamos criminosos a longo prazo até 1800

verdades basicas recentes (1)
Você seria perdoado por assumir que o conceito de prisão é tão antigo quanto o conceito de crime. Afinal de contas, temos histórias e histórias de pessoas sendo trancadas em torres. Mas, apesar de masmorras e prisões existirem em certa medida há muito tempo, o conceito de prisão como punição por cometer um crime é novo: nasceu em cerca de 1800.

Ao longo da história, a prisão era usada apenas para evitar que criminosos fugissem das suas cidades antes de seu julgamento. Quando as punições eram efetivamente entregues, geralmente vinham na forma de algo muito mais público e imediato do que o encarceramento. Antes do século 19, as sentenças variaram de enforcamento para os piores criminosos, a açoitamento ou humilhação pública para os casos menos graves.

Tão recentemente quanto o século 18, era prática comum para criminosos simplesmente serem marcados com seu crime para que os outros sempre estivessem cientes do tipo de idiota que ele era.

Na verdade, toda a nação da Austrália deve sua existência ao fato de que a Grã-Bretanha não tinha um conceito de prisão antes de 1800. Confrontados com o problema de um número crescente de criminosos simplesmente se reintegrando à sociedade, a Grã-Bretanha achou a descoberta de um novo continente para onde pessoas indesejáveis poderiam ser enviadas uma excelente ideia. O fato de que a Austrália era cheia de animais mortais era apenas um bônus, tornando a deportação uma espécie de execução cruel e incomum.

Foram os EUA que, eventualmente, surgiram com a ideia de aprisionamento de longo prazo como uma alternativa para a morte ou banimento dos criminosos. Na década de 1830, a América proferia a pena de morte para um número surpreendente de infrações, de assassinato a andar fora da faixa de pedestre. Assim, os EUA começaram a pensar em alternativas menos cruéis para certos crimes. Foi assim que nasceu o conceito de simplesmente trancar criminosos em um grande edifício de pedra durante vários anos, o que também deu à luz o conceito de reabilitação. A ideia era que, dado o tempo suficiente para refletir sobre o que tinham feito, os antissociais poderiam mais uma vez tornar-se membros produtivos da sociedade. Ainda não sabemos se isso realmente funciona (em certos cenários), mas já foi um avanço.

3. O fim de semana foi uma estratégia empresarial inventada no século 20

verdades basicas recentes (3)

“Espere, o conceito de ter um dia de folga a cada semana não está na Bíblia ou algo assim?”. Sim. Ter um dia de folga vem da ideia de que Deus precisou fazer uma pausa depois de passar seis dias criando o universo. Mas o conceito de “fim de semana” como nós o conhecemos não existia no mundo ocidental até tão recentemente quanto 1926. Sábado era apenas mais um dia de trabalho regular. Domingo era dia de folga apenas se você conseguisse convencer o seu patrão de que Deus iria te queimar no inferno se você trabalhasse nesse dia.

Como resultado, a semana de trabalho média no passado era de cerca de 50 horas. Então, como é que os trabalhadores do mundo fizeram seus chefes duplicar suas férias semanais? Uma das principais questões foi que havia tensões entre os trabalhadores sobre qual seria o melhor dia de folga. Os cristãos reconheciam o domingo como dia de descanso, mas na tradição judaica, seria o sábado. Então, se você tinha uma mistura de religiões representadas na força de trabalho de sua empresa, você teria que pedir para alguém violar a sua fé, não importa em que dia fechasse os negócios.

Uma solução simples foi criada pelo magnata do automóvel Henry Ford – em 1926, ele decidiu dar a todos os trabalhadores de suas fábricas o sábado e o domingo de folga, não importa a sua religião. Foi uma boa decisão de negócios. Provavelmente, os trabalhadores pararam de brigar entre si e começaram a passar a maior parte de seu fim de semana dirigindo seus automóveis Ford, fazendo propagandas em passeios longos e gastando mais dinheiro consertando-os depois.

Mais tarde, a Grande Depressão bateu nos EUA e a semana de trabalho reduzida foi vista puramente como uma maneira de cortar horas de trabalho sem ter que despedir trabalhadores. Em seguida, o governo estabeleceu a semana de trabalho com no máximo 40 horas, imaginando que ajudaria a criar empregos (uma vez que seria mais barato contratar mais pessoas do que pagar horas extras). O fim de semana finalmente se estabeleceu no mundo trabalhista.

A notícia ruim é que provavelmente vai morrer em breve – muitos hoje já trabalham nos fins de semana, graças à proliferação de serviços que mantêm suas portas abertas sete dias por semana. Ei, foi divertido enquanto durou.

2. Nós não sabíamos como a economia funcionava até depois da Depressão

verdades basicas recentes (1)
Dinheiro faz o mundo girar desde o momento em que um homem das cavernas descobriu que poderia adquirir a melhor caverna de seu vizinho simplesmente dando-lhe 20 coelhos, em vez de precisar matá-lo. Por isso, é surpreendente saber que, apesar de ser um dos conceitos mais antigos da humanidade, não sabíamos como ele funcionava em grande escala até o início do século 20.

Quando a Grande Depressão atingiu os EUA na década de 1930, levou milhões de pessoas a ruína. Naquele momento, ninguém sabia como isso tinha acontecido. Não era como se houvesse um monte de ideólogos políticos avisando de uma recessão – os preços apenas começaram a subir, a renda a cair, e ninguém conseguia explicar por quê. Claro, as pessoas conheciam conceitos como pânicos bancários, inflação e mercado de ações. Só não sabiam como todas essas coisas se entrelaçavam de tal maneira que de repente elas não podiam mais alimentar seus filhos.

Então, o governo americano teve de reunir todos os seus assistentes para descobrir uma maneira de medir a saúde financeira global do país e prever uma desgraça como essa da próxima vez. O resultado foi a renda nacional, agora conhecida como produto interno bruto, ou PIB – essa foi a primeira vez que fomos capazes de colocar números para o que está realmente acontecendo na economia de uma nação, em vez de depender de superstições e boatos.

O relatório apresentado ao Congresso feito por essas pessoas que acabaram conhecidas como “economistas” ficou tão popular entre a população em geral durante a Grande Depressão que se tornou um bestseller do New York Times. Pense nisso!

O conceito de PIB se tornou tão útil na previsão das reviravoltas da economia que logo foi adotado por praticamente todo o mundo, razão pela qual não tivemos uma crise financeira global desde então.

1. O conceito de minutos e segundos foi inventado por causa dos horários de trem

verdades basicas recentes (4)
Existem civilizações na Terra que não têm noção do tempo. Obviamente, eles têm noção que o “dia” é que o tempo entre o sol nascer e se por, e que depois vem a noite. No entanto, eles não sabem dizer as horas como nós fazemos. E isso não é tão estranho: tal conceito é na verdade muito recente.

Bom, o conceito da hora é antigo – veio dos sumérios, que usavam 24 como a base de seu sistema de contagem, em vez de 10. Isso porque, em vez de contar com os dedos, eles contavam com os nós dos dedos (e existem 12 em cada mão, descontando o polegar). Então, depois que os sumérios decidiram que havia 24 horas em um dia, o normal seria que outra subdivisão surgisse, não? Ou seja, minutos e segundos.

Na verdade, no entanto, ninguém se incomodou com isso por milhares de anos. Só começamos a subdividir as horas quando inventamos a locomotiva.

Antes disso, a hora era medida por relógios de sol. No mundo antigo e medieval, a maioria das pessoas cultivavam seus campos durante o dia, enquanto as ricas se sentavam em seus tronos. Chegava o anoitecer, e era isso. Ninguém realmente precisava saber qual era o momento específico do dia.

Quando os primeiros relógios mecânicos foram inventados, a maioria só marcava horas. Finalmente, em 1800, quando a viagem de trem se tornou popular, as pessoas começaram a perceber que uma unidade de tempo menor do que a hora era necessária em suas vidas diárias. Como trens viajavam muito mais rápido do que os cavalos, as pessoas precisavam de alguma maneira de medir o tempo de chegada do veículo mais especificamente do que apenas olhar para cima para ver onde o sol estava.

Na década de 1860, a empresa ferroviária Great Western Railway da Grã-Bretanha decidiu padronizar o tempo arbitrariamente com base em um relógio de Greenwich (por que não?). Assim, finalmente o conceito de minutos e segundos começou a fazer parte do nosso cotidiano. [Cracked]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

1 comentário

  • Ademir Murara:

    Cláudio Galeno foi um grande medico romano escreveu varias obras de medicina Suas teorias dominaram e influenciaram … Consulte wikipedia

Deixe seu comentário!