7 coisas que só aprendi ao me tornar um piloto de caça da Força Aérea Brasileira

Por , em 10.12.2014

Ser piloto de caça é o sonho de muitos. É um sonho que exige muita determinação, entretanto. A aviação de caça é uma carreira difícil, que impõe muitos desafios, surpresas e responsabilidades.

A recompensa é um aprendizado que dificilmente se consegue obter em qualquer outra profissão no país. Se você tem curiosidade para saber mais sobre a vida e o dia a dia de um piloto de caça brasileiro, como instrutor, tenho algumas coisas para te ensinar. Por exemplo:

1. Para ser um, é preciso percorrer um longo caminho

Para você que desistiu de fazer medicina porque achou que a trajetória seria cansativa, saiba que poderia ser pior. Não é fácil se tornar um piloto de caça. Primeiro, você precisa passar em um concurso muito concorrido, além de ser aprovado em exames físicos e médicos rigorosos.

Hoje, existem duas formas de ingressar na força aérea: pela Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR), em Barbacena, Minas Gerais, ou pela Academia da Força Aérea, em Pirassununga, São Paulo.

Na EPCAR, é possível fazer até o ensino médio. Acabando essa parte dos estudos, no entanto, você precisa passar por mais quatro anos, na AFA, de preparação para se tornar um piloto da FAB. Ao final do curso, aparece mais uma barreira: só os pilotos que tiverem melhor desempenho conseguem ir para aviação de caça; os demais seguem para aviação de transporte ou se tornam pilotos de helicóptero.

Os futuros pilotos de caça vão em seguida para Natal, no Rio Grande do Norte, onde passam um ano fazendo curso de formação de aviação de caça. Ao todo, cerca de 30 a 35 pilotos de caça se formam por ano.

Treinamento de salto da Força Aérea Brasileira

Treinamento de salto da Força Aérea Brasileira

Achou que acabou? Não. Agora você é um piloto de caça, mas precisa começar a sua progressão na carreira. Então, você será designado a um de três esquadrões: em Campo Grande-MS, Boa Vista-RR ou Porto Velho-RO, onde você terá que estudar por dois anos para se tornar um líder de esquadrilha de caça. Apesar do curso em si levar um par de anos, geralmente os pilotos, agora líderes de caça, ainda passam em média mais dois anos nessas unidades.

Só depois de todo esse percurso que o piloto está finalmente apto para exercer sua profissão na 1ª linha de aviação de caça. Enfim, eles podem ir para as unidades onde pilotarão ou o F-5M (uma unidade no Rio de Janeiro-RJ e outra em Canoas-RS) ou o AMX (uma unidade no Rio de Janeiro-RJ e duas em Santa Maria-RS).

Depois de atuar nessa 1ª linha, você ainda terá a chance de desempenhar outras funções, como eu, que agora me tornei um instrutor e ajudo a formar outros pilotos de caça na Base Aérea de Campo Grande.

2. Mas você vai poder voar tão rápido que vai romper a barreira do som

Sim, você passou em média nove anos se preparando para chegar na 1º linha de defesa aérea da FAB, mas a recompensa é de muito bom tamanho: você agora poderá pilotar aviões como o F-5M e o AMX, ambos recentemente modernizados, incluindo troca do radar, dos sistemas de bordo e dos armamentos.

Além disso, a FAB deve receber em 2018 novos caças vindos da Suécia, os Gripen.

O F-5M é um avião supersônico, o que significa que atinge velocidades que rompem a barreira do som (1.255 km/h!). O AMX não é supersônico, mas é tão rápido quanto, a ponto de quase romper a barreira do som também. Com esses aviões, os pilotos de caça brasileiros podem chegar a 30 mil pés de altitude (cerca de 10.000 metros).

F-5

F-5

AMX

AMX

Vale lembrar que, antes de chegar nas unidades de F-5M e AMX, os pilotos começam voando nos A-29 Super Tucano, aviões de ataque leve não tão velozes (velocidade máxima nivelada de até 590 km/h), mas modernizados em armamentos, ideais para o aprendizado e treinamento avançado.

A-29

A 29

O armamento de cada avião varia, porém, no geral, os caças brasileiros carregam bombas, lança foguetes, metralhadoras que podem alvejar o solo ou outro avião etc.

O F-5M possui bombas guiadas a laser, pods, mísseis antirradiação, um canhão Pontiac de 20 mm assistido eletronicamente, mísseis WVR (mísseis ar-ar de curto alcance) e mísseis BVR (que permitem abater uma aeronave inimiga a uma distância muito superior).

Munição AEI (alto explosiva e incendiária) do F-5

Munição AEI (alto explosiva e incendiária) do F-5

Fui piloto de AMX, um avião muito usado em missões de interdição, apoio aéreo e reconhecimento. Depois da modernização, ganhou um papel de destaque na 1ª linha de defesa aérea brasileira, levando inclusive uma suíte de guerra eletrônica com sistema de autodefesa integrado. Esse sistema permite o próprio avião detecte ameaças e dispare automaticamente.

3. Existem riscos à atividade, mas eles são gerenciáveis

A aviação de caça é responsável pela defesa da soberania do espaço aéreo nacional. A todo momento, pelo menos um avião e um piloto tem que estar prontos para decolar em uma missão de defesa aérea.

Essas missões podem envolver de tudo: intercepção de aeronave desconhecida, socorro aéreo, derrubada de aeronave, realização de um ataque ao solo, lançamento de bomba…

AMX

AMX

Em resumo, ser piloto de caça é, certamente, uma profissão perigosa. Existem vários riscos inerentes à atividade, mas todos são gerenciáveis. Afinal de contas, você passou nove anos da sua vida se preparando para isso.

Os pilotos de caça passam por muito treinamento e simulação para saber como proceder em caso de sofrerem um ataque, de terem que se ejetar do avião por conta de uma situação incontrolável, etc.

Graças a Deus, eu nunca precisei me ejetar, mas conheço pilotos que precisaram. Tudo acontece muito rápido e certamente não é uma tarefa fácil, mas os profissionais são muito bem equipados.

Todos os pilotos de caça vestem um traje anti-G, que suporta os elevados níveis de força de aceleração a que estão submetidos. Esses trajes inflam, principalmente nas pernas, impedindo que o sangue se acumule na parte inferior do corpo do piloto, causando desmaio ou perda de consciência.

Nós também dispomos de paraquedas e usamos um colete em causa de pouso na água, que possui um kit de sobrevivência que inclui comida e remédios. O assento ejetável também possui um kit de sobrevivência.

Por fim, nunca estamos sozinhos. Embora a maioria dos aviões só tenha espaço para um piloto (exceto os de instrução, nos quais cabem o piloto e o instrutor), geralmente um elemento (isso significa dois aviões, no mínimo) é requerido para realizar uma missão.

4. Ser piloto não é só voar o dia todo, você também precisa fazer “trabalho chato”

Não existe uma profissão na qual tudo sejam flores. O sonho de todo piloto é voar todo dia – pelo menos sei que o meu é -, mas a realidade da atividade é outra.

A Força Aérea é um órgão público que precisa ser gerenciado, por isso temos que desempenhar funções administrativas também. É preciso ter muita responsabilidade. Para os que pensam que vão poder ficar o dia todo olhando a Terra de cima, é importante entender que vão precisar olhar para muitos papéis também.

Em média, os pilotos de caça voam de 3 a 4 vezes por semana.

5. Pilotos de caça também podem se divertir

A carreira em aviação de caça é dura, mas há momentos muito gratificantes e que podem também ser muito divertidos. Por exemplo, existem eventos internacionais que são exercícios de treinamento de combate aéreo, onde há uma excelente troca de experiências com diversas Forças Aéreas.

Os pilotos de caça brasileiros são bem reconhecidos mundialmente, e convidados a participar em exercícios como CEIBO, SALITRE e RED FLAG. Além disso, existe um evento brasileiro, o Exercício CRUZEX.

Mirage 2000C, A-1M (AMX) e F-5EM da Força Aérea Brasileira no CRUZEX 2013

Mirage 2000C, A-1M (AMX) e F-5EM da Força Aérea Brasileira no CRUZEX 2013

Eu participei de um SALITRE, no Chile. Outras forças aéreas sul-americanas, além das forças aéreas francesa e americana, estavam presentes. Durante esses exercícios de combate aéreo, histórias fictícias são criadas e os países precisam se dividir em grupos e lançar campanhas aéreas.

Nos exercícios que simulam uma guerra aérea, é elaborado um cenário que define quem será quem, ou seja, quais países comporão cada lado da batalha (“amigos” x “inimigos”). Geralmente, o país sede fica do lado amigo. Todos os dias, é confeccionado um relatório que dá todas as informações a respeito da situação tática que será simulada. Baseado nele, são desenvolvidas as operações diárias, cada uma com um objetivo específico, de acordo com aquela situação tática previamente estabelecida. Há treinamento de invasão de território inimigo, resgate de soldado, ataques aéreos etc.

Como acontece em uma guerra real, a situação tática evolui de modo que, diariamente, são expedidas informações que atualizam a circunstância de ambos os lados, permitindo que os planejadores de missão criem estratégias de maneira bastante acurada.

O fim do exercício não representa necessariamente o fim da guerra fictícia, pois o evento se encerra em uma data pré-estabelecida. Então, não é declarado nenhum vencedor.

Pode parecer apenas um jogo ou uma brincadeira, mas essa é uma excelente maneira da FAB se manter atualizada. Ao final do exercício, ocorre um debriefing que mostra os resultados alcançados nas missões, ou sejas, as médias de acertos, quantas perdas materiais e humanas teriam ocorrido se essa fosse uma guerra de verdade, as lições aprendidas com as situações táticas etc.

E há motivo de sobra para se orgulhar do Brasil. Através da força aérea, o país tem se destacado muito nesses exercícios, principalmente pela proficiência e pelo nível elevado de estudo dos seus pilotos, e pelo seu uso intensivo e disciplinado de táticas.

6. O melhor da profissão é a falta de rotina

O que eu mais gosto em ser um piloto de caça é que cada dia é uma novidade. Um piloto comercial, por exemplo, apesar de poder mudar os trechos que faz, sempre terá um itinerário a cumprir, e sempre terá a mesma rotina.

Conosco, as coisas são bem diferentes. Nunca sabemos que missões teremos que cumprir. Mesmo quando as iniciamos, não sabemos o que vem pela frente.

O fato é que nenhuma aeronave voa pelo céu brasileiro sem que a gente saiba – e uma vez que identifiquemos que algo está errado, segue-se uma cadeia de ações que envolve monitoramentos, tentativas de contato e diversas outras respostas possíveis. Numa dessas, a situação pode se resolver rapidamente ou não.

A vida dos pilotos de caça, então, é cheia de mistérios – ninguém pode dizer o que fará em determinado dia.

AMX

AMX

7. É preciso ter dedicação e determinação implacáveis para ser um piloto de caça

Esqueça tudo o que você sabe sobre dedicação e determinação. Essas palavras provavelmente nem começam a descrever os sentimentos que um piloto de caça precisa ter para obter uma carreira bem-sucedida.

Quem não quiser muito – mas muito mesmo – ser um piloto de caça não chega lá. Se a melhor parte da profissão é a falta de rotina, a pior parte são as privações.

Para exercer essa atividade, o preparo emocional deve ser intenso. Desde o início dos estudos, muitos desafios surgirão pela frente, e você vai precisar ficar longe de sua família e de seus amigos, bem como abdicar de seu lazer e descanso constantemente.

Sinto muita falta do convívio com as pessoas que amo, mas sei que meu esforço valeu a pena – e muito. Meu conselho para quem quer seguir essa carreira é: tenha muito foco e mantenha a certeza de que a recompensa valerá a pena para você também.

F-5

F-5

Obs.: Todas as imagens desse artigo foram retiradas do Flickr oficial da Força Aérea Brasileira. Acesse para conferir mais fotos!

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (13 votos, média: 4,92 de 5)

30 comentários

  • Enzo Augusto:

    Sonhos *–*

  • Ricardo Pimentel Bjj:

    Se vc for se alista vc consegue entrar pra essa área… Piloto de caça?

    • Gleidson Oliveira:

      No máximo você vai passar pretinho nos pneus

    • Enzo Augusto:

      infelizmente não,somente para CFOINF

    • Isaque:

      Alistamento não leva você a ser piloto. Servindo ou não como soldado, é necessário fazer concurso, EPCAR para os mais jovens com ensino fundamental, ou AFA para quem já concluiu o ensino médio.

  • Marcos Camilo:

    Piloto comercial voa muito mais é o cara vem dizer ” conosco é diferente”. Hahaha

    • Isaque:

      Eu prefiro fazer um voo de caça com suas manobras e voos em ala, do que centenas de voos comerciais. Sem comparação

  • Marcos Camilo:

    Tem cara que sai da FAB pra ir pra aviação civil, haha, ou vai dizer que não

    • Isaque:

      Assim como em qualquer área, tem gente que migra normalmente. O inverso não acontece porque nenhum piloto comercial pode ser piloto de caça sem ter passado pelo correto processo.

      Ser piloto de caça exige muito mais dos aviadores. As vezes alguém quer uma vida mais fácil, voos mais tranquilos, e segue seu rumo.

  • Marcos Camilo:

    Cara, na moral, um piloto comercial voa bem mais que um militar e não há essa “rotina” tão grande como o cara que escreveu essa matériadisse

    • Cesar Grossmann:

      Quer dizer que o piloto não sabe a realidade da pilotagem?

  • Vinicius Giacomini:

    Alistamento obrigatório apos completar 18 anos ?

    • Cesar Grossmann:

      Carreira brilhante depende de talento e esforço.

    • Enzo Augusto:

      assim somente entrando para CFOINF,para ser piloto de caça é preciso fazer AFA (CFOAV)

  • Vinicius Giacomini:

    Estou prestes a me alista e estou com uma dúvida ! Queria saber se tem possibilidade de eu ter uma carreira brilhante na FAB fazendo o ++

  • eduardo peixoto:

    aviões de caça perdem muita velocidade quando estão carregados com aramamentos?

    • eduardo peixoto:

      armamentos

    • Isaque:

      Não muito, performance bem semelhante…

  • Gabriel Santos:

    Tenho 16 anos e esto muito determinado pra ser um piloto de caça da. FAB mais gostaria de saber que tipos de exames são feitos lá

    • João Almeida:

      Cara… Eu sei pouco sobre a FAB. Mas eu direi o que sei.
      Psico logico , físico são os que mais contam. Mas tmb tem o de QI, Reflexos

    • João Almeida:

      Sei tmb que ao todo, pode demorar uns 12 anos par vc pilotar um caça. Antes vc tem que fazer curso de Líder de esquadrão para pilotar tucano

    • João Almeida:

      E depois, os melhores, farão o curso de caçador para pilotar caça. Mas são coisas que só ouvi falar no EB. Nada concreto mesmo 😛

    • João Almeida:

      Ao todo, vc demorara uns 12 anos mais ou menos para pilotar um caça. Só quando for capitão mesmo…

  • A. Cabral:

    Sempre é bom lembrar: Um “caça” sem o “armamento” é apenas um alvo…

  • Fabiano Junior:

    Gostei do texto, mas tem um errinho, os gripens são suecos.

  • Marcos Nunes:

    Novos caças vindos da Suíça? É Suécia… E parte da produção será aqui no Brasil…

  • Cesar Grossmann:

    Quantas naves alienígenas a gloriosa FAB já abateu?

    • Gustavo Antonio:

      Não abate nem monomotor imagina nave alienígena

    • Lucas Egidio:

      Pensei que eles fossem nossos amigos. :v

  • Anderson Thiago:

    8 – E se mesmo assim, tudo der errado, é só ejetar!

Deixe seu comentário!