A ciência de urinar evitando os respingos

Por , em 18.11.2013

Qualquer pessoa que tenha ensinado (ou pelo menos tentado ensinar) um homem a usar o banheiro, ou então morado com um homem sabe: os respingos de xixi na privada são um mal (quase) sem solução. Na verdade, eram.

Por mais que não pareça o tipo de assunto que mereça um estudo científico aprofundado, cientistas descobriram que, além de melhorar a pontaria, existem alguns pontos – discutidos cientificamente – que podem ajudar a manter a área ao redor do vaso sanitário livre dos indesejados pingos de urina.

A Brigham Young University, localizada em Utah, nos Estados Unidos, possui um laboratório exclusivamente planejado para estudar o caso que atinge 100% dos homens e praticamente a totalidade dos lares ao redor do mundo. No Splash Lab (“Laboratório do Respingo”), os pesquisadores estão tentando justamente descobrir como evitar o incômodo fenômeno dos respingos de xixi. O primeiro passo foi dado pelo cientista de dinâmica de fluidos, Randy Hurd, e seu assessor de pós-graduação, Tadd Truscott, que criaram um modelo da uretra masculina em uma impressora 3D.

A uretra artificial foi ligada a um recipiente pressurizado por meio de um tubo. A equipe, então, liberou um fluxo constante de água tingida de amarelo a uma taxa de fluxo de urina equivalente ao de um homem de meia-idade: cerca de 21 mililitros por segundo.

Os pesquisadores utilizaram câmeras de vídeo de alta velocidade para gravar o fluxo de “urina” enquanto o líquido atingia uma superfície sólida (um material que imitava a porcelana usada em mictórios e vasos sanitários) e uma superfície que representava a água parada da privada. Os pesquisadores posicionaram um pedaço de papel branco embaixo dessas superfícies para acompanhar o comportamento das gotas de respingo.

Antes de chegar às paredes da superfície que fez as vezes de vaso sanitário, o fluxo de urina dividiu-se em gotículas individuais. “As gotas entram em contato com a superfície com um impacto, se achatam, e partes delas são impelidas para trás, fazendo com que o jato se divida em gotas menores”, teoriza Hurd.

Os resultados revelaram que o tamanho do pênis e a velocidade do jato de xixi não são fundamentais para determinar o respingo da urina. Na realidade, a única variável nesta equação é o ângulo de entrada do líquido: quanto menor, melhor.

No experimento em que os cientistas simularam a interação entre a urina e um mictório, a maior taxa de respingo aconteceu quando o fluxo de urina veio em um ângulo perpendicular à parede do mictório, perto de 45 graus. Um ângulo de impacto ligeiramente menor resultou em menos respingos e, consequentemente, instalações sanitárias mais limpas.

“Na maioria das vezes, mirar as paredes laterais é a melhor abordagem. Se você puder reduzir o ângulo de entrada do jato e ficar mais perto do mictório, esse é o ideal. Se você só conseguir seguir uma das dicas acima, fique mais perto. Se isso não for possível, reduza o ângulo de impacto do xixi”, aconselha Hurd.

Os vasos sanitários são uma outra história – que envolve sentar-se. Quando um homem fica de pé para se aliviar, sua urina precisa viajar cinco vezes mais até a superfície da água ou da porcelana do que se ele estivesse sentado. Essa distância de viagem significa bastante tempo para o fluxo dividir-se em gotículas separadas.

“Quando se está em pé, é fisicamente impossível evitar que uma parte dessas gotículas se desprendam do fluxo principal e atinjam a borda do vaso sanitário – ou demais metas desejadas. Sentar ao urinar geralmente não é visto com bons olhos na comunidade masculina, mas, cientificamente falando, os homens devem admitir que sentar ao fazer xixi é a opção mais higiênica e mais lógica”.

Os resultados do estudo sobre o respingo do xixi ainda serão apresentados à comunidade científica no dia 24 de novembro, em reunião da American Physical Society Division of Fluid Dynamics (Divisão de Dinâmica de Fluidos da Sociedade Americana de Física) em Pittsburgh, Estados Unidos. [Live Science]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 3,00 de 5)

9 comentários

  • Marcelo Henrique:

    O pior horário para urinar é logo depois de acordar kkkk. Quem é homem sabe do que eu tô falando.

  • Dinho01:

    Corrijam-me se eu estiver errado,mas tenho a impressão de que os vasos sanitários antigamente tinha uma profundidade maior,o que fazia com que os respingos caíssem na parte interna da privada.

  • Edson Leal:

    quero ver fazer sentado no frio 🙂

  • Lucas Xavier:

    O jeito certo não é o jeito homem de se fazer.

  • Jaenio Jasmim:

    Esqueceram de analisar na pesquisa que quanto mais alto for quem está mijando mais há chances de acontecer respingos pois fica muito mais distante e a queda do xixi na água ou lateral ocasiona respingos. Depois de mijar passem um papelzinho para secar higienização é fundamental para não dar odores.

  • Ildeu Basilio:

    A matéria diz que é mais higiênico mijar sentado. Higiênico para quem? Será mesmo que quem escreveu isto é homem? Eu pelo menos fico puto quando meu pênis encosta na parede da privada ou ainda pior, quando bate na água. Prefiro continuar respingando tudo do que sentar numa privada, princialmente as publicas.

    • Cesar Grossmann:

      Experimenta usar a privada para adultos.

  • Filiͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥͥpe Fernandez:

    E urinar excitado?
    Esse sim é o grande desafio.

    • Markus Ethur:

      Foda mesmo, urinar excitado, tem que se inclinar em uma posição de 45 graus, bem tenso. A Ciência deveria estudar isso HAHAHAHA.

Deixe seu comentário!