A Grande Pirâmide de Gizé pode concentrar energia eletromagnética em suas câmaras

Por , em 1.08.2018

Uma nova pesquisa teórica descobriu que a Grande Pirâmide de Gizé pode concentrar energia eletromagnética em suas câmaras internas e sob sua base.

Embora os antigos egípcios provavelmente não estivessem cientes dessa peculiaridade de design, o estudo realizado por uma equipe internacional de físicos pode ter aplicações importantes no campo de nanopartículas.

O método

A radiação eletromagnética, incluindo a luz visível, as ondas de rádio e as micro-ondas, está tudo ao nosso redor. Por exemplo, a luz solar é uma forma de onda eletromagnética, além de muitas tecnologias domésticas comuns, como micro-ondas, rádios e Wi-Fi.

Como você deve bem saber, aliás, o Wi-Fi tem o péssimo hábito de ser fraco em certas áreas de nossas casas. Talvez devêssemos construí-las de forma mais pontiaguda no topo.

Para testar como a Grande Pirâmide de Gizé lida com a radiação eletromagnética, os pesquisadores precisaram fazer algumas suposições. “Por exemplo, assumimos que não existem cavidades desconhecidas no interior da pirâmide, e que o material de construção possui propriedades de calcário comum e foi distribuído uniformemente dentro e fora dela”, disse Andrey Evlyukhin, pesquisador da Universidade de São Petersburgo de Tecnologia da Informação, Mecânica e Ótica, na Rússia.

Depois, estimaram as ressonâncias causadas pelas ondas de rádio dentro da pirâmide, criando um modelo da construção e aferindo como a energia das ondas é espalhada ou absorvida por ela.

Resultados

Usando um tipo especial de análise chamado análise multipolar, os pesquisadores descobriram que os campos dispersos estavam se concentrando nas câmaras internas da pirâmide, bem como sob sua base.

Embora seja possível fazer diversas presunções sobre como os antigos egípcios organizavam suas pirâmides para criar melhores configurações de rádio AM para os mortos, por exemplo, é altamente improvável que eles sequer soubessem dessas propriedades de suas pirâmides. Essa é apenas uma interessante coincidência.

Então por que estudar as propriedades eletromagnéticas da Grande Pirâmide? Os pesquisadores esperam criar um efeito de concentração semelhante em nanoescala.

“Escolhendo um material com propriedades eletromagnéticas adequadas, podemos obter nanopartículas piramidais com uma promessa de aplicação prática em nanossensores e células solares efetivas”, explica Polina Kapitainova, também pesquisadora da Universidade de São Petersburgo.

Um artigo com as descobertas do estudo foi publicado no Journal of Applied Physics. [ScienceAlert]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (24 votos, média: 4,54 de 5)

8 comentários

  • Guilherme Junqueira de Almeida:

    Com certeza vocês irão encontrar mais. Embaixo da Grande Esfíngie existe uma vastíssima biblioteca ainda por ser (re)descoberta…

    • Cesar Grossmann:

      Se ninguém descobriu ainda, como é que você sabe que existe? Isso é no mínimo bizarro…

  • Vitakinesis Vids:

    OS canais fechados passam o dia com alegações de que os egípcios tinham contato com civilizações alienígenas avançadas. Acho muita viagem, mas notícias como essa reforçam a ideia

  • Carlos Torres Junior:

    “Embora os antigos egípcios provavelmente não estivessem cientes dessa peculiaridade de design”
    ATÁ que não sabiam rsrsrsrs.

    • Cesar Grossmann:

      Não, não sabiam. Em nenhum artefato egípcio foi encontrado algum dispositivo capaz de detectar a energia eletromagnética, ou aproveitá-la. Daí se conclui que eles não tinham como saber sequer da existência de “energia eletromagnética”.

  • Guilherme Junqueira de Almeida:

    “Embora os antigos egípcios provavelmente não estivessem cientes dessa peculiaridade de design…”

    Aposto que vocês, cientistas ortodoxos, continuam repetindo isso bem devagarinho para si próprios todos os dias, não é mesmo?

    • Cesar Grossmann:

      Guilherme, você tem alguma EVIDÊNCIA de qualquer coisa que você diga ou pensa? E “cientistas ortodoxos”? Ou o sujeito é cientista, ou não é cientista, não existe “cientista ortodoxo”.

  • Wald Cost:

    A lista de “coincidências” está cada vez maior, e isso vai alimentar bastante hipóteses, principalmente a dos “deuses alienígenas”.

Deixe seu comentário!