A verdade sobre o aspartame

Por , em 6.03.2014

Existem muitos artigos online sobre o aspartame, alegando que ele causa câncer, derrames, esclerose múltipla, lúpus, problemas de memória e até mesmo tumores cerebrais. Por outro lado, todas as organizações governamentais que tratam da saúde e alimentação afirmam que o aspartame é seguro para o consumo humano. De que lado está a verdade?

O aspartame foi criado pela empresa G. D. Searle and Co em 1965, e em 1974 a Administração de Drogas e Alimentos (FDA) americana deu sua aprovação para a utilização do aditivo em alimentos. A vantagem do aspartame está na doçura do mesmo – enquanto 1g de aspartame tem as mesmas 4 calorias que 1g de açúcar, ele é 180 vezes mais doce. Para adoçar o seu cafezinho, você vai precisar muito menos aspartame do que açúcar.

E do que é feito o aspartame? Pouca coisa: basicamente dois aminoácidos, fenilalanina, ácido aspártico e um álcool, o metanol. O produto final é um éster metílico de um dipeptídeo dos dois aminoácidos, o ácido L-aspártico e a L-fenilalanina. Sob condições de pH extremo (ácido ou básico), a hidrólise do aspartame produz metanol, e em condições mais severas, as ligações pépticas são hidrolisadas, liberando os aminoácidos.

A primeira coisa a notar é que estes três componentes do aspartame podem causar danos à saúde. Só que para que eles possam causar esses danos, é preciso que sejam ingeridos em quantidade suficiente — e isto é verdade até para a água, já que ela pode ser tóxica também.

A pergunta então passa a ser: a quantidade destes compostos, no aspartame, é suficiente para causar malefício? Qual a dose de aspartame que causa mal à saúde?

O ácido aspártico é um dos muitos aminoácidos que fazem parte de várias proteínas que nosso corpo utiliza. Ele ajuda na remoção da amônia e está envolvido na produção de anticorpos. Ele também pode ser encontrado em vários alimentos, como o asparto, abacate, beterraba, salsichas e melaço.

Em excesso, pode causar várias condições, como a doença de Lou Gehrig, epilepsia e ataques, mas, para isso, é preciso várias vezes a dose recomendada de aspartame.

O metanol também causa reações indesejadas, por exemplo, provoca a criação de formaldeído e ácido fórmico pelas células, e o formaldeído provoca danos às proteínas, tornando-as não funcionais. O ácido fórmico, por outro lado, causa a morte das células, e as mais sensíveis são as do nervo ótico, por isto a cegueira está associada à intoxicação por metanol.

E a dose de metanol que há no aspartame? Existem outros alimentos que também tem metanol e em quantidades maiores, como o tomate e o suco de tomate, as frutas cítricas e os sucos feitos com elas, e nós ingerimos tudo isso sem ficar cegos.

Finalmente, temos a fenilalanina, último ingrediente do aspartame. Existe uma condição de saúde chamada fenilcetonúria, que afeta aproximadamente 1 pessoa a cada 10.000. Quem tem esta condição não consegue quebrar a fenilalanina. O resultado é o acúmulo da fenilalanina no organismo até níveis tóxicos, quando causa problemas de crescimento, arritmias cardíacas, ataques e problemas sérios de aprendizado.

Felizmente, esta condição é detectada geralmente logo após o parto, e o controle da dieta do portador geralmente é suficiente para controlar os níveis de fenilalanina. Os portadores desta desordem devem evitar alimentos que contém fenilalanina e aspartame. E é por isto que os produtos que contém estes químicos são marcados com clareza.

Se isto ainda não é suficiente, o aspartame tem sido estudado exaustivamente e seus efeitos sobre a saúde humana tem sido analisados com cuidado. Parte dos estudos demonstraram que o aspartame não causa danos à saúde humana, enquanto outros mostraram danos que doses muito mais elevadas que o recomendado pela Autoridade Europeia de Segurança de Alimentos (EFSA) causaram, por exemplo.

O último painel que analisou os estudos sobre o aspartame foi conduzido pela EFSA e publicou suas conclusões em 10 de dezembro de 2013. Estudos feitos em humanos e animais foram examinados por um painel de especialistas independente. A conclusão do painel é que o aspartame não causa câncer nos níveis consumidos por humanos, ou na dose máxima recomendada de 40 miligramas por quilo do consumidor, e não causa problemas durante a gravidez. [Gizmodo]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

1 comentário

  • Naldo Soares:

    O Raul Seixas cantava:o que eu como a prato pleno bem pode ser o seu veneno.

Deixe seu comentário!