Andorinhas estão evoluindo para evitar carros

Por , em 21.03.2013

Cientistas da Universidade de Tulsa em Oklahoma (EUA) afirmam que andorinhas que vivem perto de estradas parecem ter evoluído asas mais curtas para ajudá-las a evitar melhor carros.

Os pesquisadores estudaram andorinhas que vivem perto de pistas movimentadas e observaram que o número de aves mortas por veículos tem diminuído ao longo das últimas três décadas, apesar do fato de que a população em geral tem aumentado.

Eles rastrearam populações de andorinhas (Petrochelidon pyrrhonota) no oeste de Nebraska (EUA) por 30 anos, principalmente para estudar seus comportamentos sociais dentro de suas colônias. Estas aves de inverno vivem em colônias de até 12.000 adultos. Elas normalmente constroem ninhos cônicos à base de lama ao lado de penhascos, mas também podem viver sob pontes e viadutos.

Enquanto os pesquisadores checavam as colônias de beira de estrada, coletaram andorinhas mortas, reunindo 104 aves mortas por veículos e 134 aves mortas acidentalmente em redes utilizadas para estudo.

Em seguida, eles compararam as asas de aves mortas por carros com as asas de aves mortas acidentalmente em redes.

Os resultados mostram que as asas de aves mortas por veículos tinham aumentado ao longo do tempo, enquanto que aquelas que morreram acidentalmente em redes (e são representativas de toda a população de andorinhas) tinham desenvolvido asas mais curtas ao longo do tempo.

Isso é o suficiente para os pesquisadores afirmarem que, em geral, a população está evoluindo para evitar melhor os carros. Asas mais curtas ajudam os animais a girar 90° mais rapidamente.

Críticos têm sugerido que outros fatores além das asas, como padrões de tráfego, predadores, doenças, etc., também podem estar desempenhando um papel nas mortes, mas os pesquisadores afirmam terem levado essas questões em consideração.

“Eu não estou dizendo que é tudo por causa do comprimento da asa”, disse Charles Brown, biólogo da Universidade de Tulsa e um dos autores do estudo. “Mas o encurtamento suporta a ideia de que as aves estão se adaptando a ambientes perturbados, como outros organismos presumivelmente estão”.

Segundo os cientistas, as andorinhas mais ágeis sobrevivem por mais tempo, gerando, por sua vez, proles com asas mais curtas, e assim a sobrevivência do mais apto leva a uma população geral com asas menores.

Se for realmente o caso de que estas andorinhas estão evoluindo para evitar carros, é (mais) uma prova importante do poder da evolução em ação.

Veja o trabalho científico completo (em inglês) publicado na revista Current Biology aqui.[Gizmodo, Nature]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

25 comentários

  • Carlos Mausbach:

    Evolução Darwiniana: Geração após geração, os mais aptos a passar pelo ambiente daquele momento sobrevivem mais que os outros e deixam mais descendentes aptos. Seleção natural. Simples assim. A chave é o número de gerações e o período. de cada uma. Não sei como funciona com andorinhas, mas é fácil observar isso em criaturas de vida curta. Moscas nascem e morrem tão rápido, que em 3 meses se adaptam a qualquer pesticida novo que apareça por aí (umas 100 gerações depois). Elas não escolhem nada…

    • Carlos Mausbach:

      Daí nós, humanos (que tivemos 3 milhões de anos para chegar aqui) pervertemos o processo e fizemos seleção artificial de tudo que nos interessa: De plantas e cultivos, passando por animais (vejam todo o rebanho bovino, ovino suíno moderno) até a manipulação genética direta para acelerarmos… não, mais que isso: CRIARMOS variantes impensáveis para nosso bel-prazer e sustento de nossas barrigas. Estamos errados ou certos? Relativo. Isso tudo é parte do próprio Darwinismo que nos trouxe aqui.

  • Bruno Chieregate:

    o que as pessoas não entendem, é que quando a primeira andorinha com uma asa um pouco menor surgiu ela sofreu uma mutação nos genes responsáveis pela formação da asa que proporcionou que a asa se tornasse menor e isto lhe trouxe uma vantagem competitiva. as pessoas ainda tem um pensamento lamarquista, acham que a andorinha foi diminuindo a asa por forçar ela pra dentro pq ela estava se dando mal com a suas grandes asas, dai as asas foram diminuindo com o tempo kkkk.

    • Cesar Grossmann:

      É, Bruno, a tendência de achar que o animal escolheu evoluir é muito forte, mas a verdade é mais simples, existem variações dentro da população das aves como existe entre nos, humanos. Tem as pessoas mais altas, as pessoas mais baixas, etc. No caso das andorinhas, pequenas variações no tamanho das asas estão sempre presentes. Quando surge um elemento novo na natureza, no caso os carros supervelozes, as andorinhas que conseguem escapar deles tem mais vantagem na reprodução.

      O resultado é que a cada geração, as andorinhas com o perfil “certo” de asas vão se tornando mais comuns, e assim é a evolução. Alguém já disse que a seleção natural é uma questão de sorte: sobrevive e se reproduz o indivíduo que tem sorte de ter nascido com os genes certos. E os filhos dele vão herdar esta sorte.

  • FartherAway:

    Bom ,… A evolução não acontece como muitas pessoas estão pensando ” a em cada geração as espécies vem mais adaptadas!” Isso NÃO existe ! … O que acontece … vou dar um exemplo das próprias andorinhas : A cada grupo de andorinhas nascem lá as avezinhas , ok , porém , elas não nascem todas iguais , é claro que vão ter as andorinhas que nascem com asas um pouco maiores e as que tem elas um pouco menores , e as que tem asas menores se adaptam melhor a esses lugares , e essas andorinhas que sobreviveram (as de asas menores ) é claro que não vão gerar novas andorinhas com asas maiores , é da genética delas elas nasceram com asas menores . É o que o cientista Weissmann mostrou ele cortou os rabos de 1500 ratos repetidamente por 20 gerações e verificou que nenhum rato nasceu sem rabo ou o menos com o rabo menor ! ( Porque alterações feitas pelo ambiente (ou qualquer outra coisa) não se passa para outras gerações ). Um outro ex. Meu pai e meu tio : Meu Tio é mais alto que meu pai , por consequência , meus primos “vieram” mais altos … Bom se fossemos andorinhas … eu viveria e eles estariam mortos porque não se adaptariam . ( Tá eu sei que eu viajei no final , mais é por ai) .

  • Giovani Savi:

    interesante,como as pessoas duvidam da evoluçao,mas quando vao no supermercado,TODOS os produtos animais ou vegetais nao existem naturalmente na natureza,TODOS eles passaram por uma seleçao natural onde o homem escolheu as caracteristicas que lhe favorecem…

    • Druida:

      Isso se chama seleção artificial

  • Pati S.:

    Maas, para mim não faz sentido apenas mutação genetica por conta da seleção natural. Acredito que ainda está incompleta a teoria de darwin.
    Por exemplo, há pessoas que não estão nascendo mais com o siso, e há pesquisas de dizem que a tendencia no decorrer do tempo é ter menos pelos. Maas, uma pessoa com um siso a menos, ou uns pelos a menos não ira influenciar influenciar em nada na sua morte para que haja seleção do ambiente. Disseram que a lei do uso e desuso estava errada porque fizeram experiencias muito primitivas como por exemplo cortar rabo de rato por varias gerações, no entanto, acho que esse não seria o experimento correto, pois o organismo do rato não sentiu que ele não precisava do rabo.
    Outro exemplo é de peixes que foram descobertos em lugares muito escuros, que antes tinham olhos e com o passar do tempo não tiveram mais. O peixe não precisava do olho, mas se o peixe tiver tiver ou não o olho, isso não influenciaria no fato dele ter sido selecionado pelo ambiente, pois já que não tinha como enxergar naquele ambiente ninguem ia enxergar mais ou menos, logo ninguem ia morrer pelo fato de enxergar ou não.
    Enfim, acho que a genetica de certa forma possui uma interação com o meio externo sim, mas não do modo como lamark disse.

    • Druida:

      A questão é q os seres vivos não gastam energia para produzir coisas q não são mais úteis em seu ambiente, e apesar de nós humanos acharmos q energia vinda do alimento não é um recurso limitante, para os demais seres vivos é precioso, e aquele que tem mais energia reproduz mais e é mais fertil. Reflita se você compraria pneus com corrente para o seu carro, sendo eles mais caros, se você mora em um lugar q não tem neve

      E veja bem, as pessoas não estão morrendo por causa da falta ou presença de sisos, é verdade, mas também nao é toda a população que está vindo com essa mutação, são casos esporádicos, mas q ganham notoriedade por causa da nossa consciencia acerca da inutilidade dos sisos, outros casos de mutação ocorrem nos seres humanos, mas a maioria delas provavelmente nem se torna digna de nota ou não é percebida

    • Pati S.:

      Concordo com você sobre a dificuldade dos gastos de energia para viver na natureza e de fato quanto menos coisa inutil o ser tiver melhor sera pra ele.
      Mas quando voce disse sobre os sisos, deu a impressão que você disse que são apenas casos isolados. È preciso lembrar que a mutação genetica e a adaptação demora tantos anos por conta que primeiramente ocorre em casos isolados e demora para que seja passado esse gene mutado para outras gerações.

    • FartherAway:

      Lamark não é nem um pouco confiável ! haha’

  • leandromaia:

    Não acredito que tem pessoas que não entenderam como a evolução funciona, a evolução seleciona os mais aptos e não muda os genes, ex: em uma ninhada sempre nascem filhotes maiores e menores, uns com patas longas e outros com curtas uns com focinho longo e outros mais curtos, coisa de milímetros que seja, se apartir de um certo momento o ambiente mudar, os que tiverem mais aptos vão ter mais filhotes, e assim por diante, e o ambiente vai mudando e exigindo mais mudança…

    • HFC:

      É o esforço de gente “nobre” feito Malafaia, Crivella e Feliciano dando frutos …
      Quem muda os genes dos descendentes é o processo reprodutivo que gera esses filhotes – e isso é parte da Teoria da Evolução e do conhecimento biológico. Mas em razão dessa nobre gente, e estupenda SCB, a ignorância científica galopa triunfante para o futuro do Brasil … 🙁

  • maalalel:

    É um grande erro chamar isso de evolução (ate a “evolução” apresentada por Darwin ter por princípios que as características se evoluem num processo demasiadamente demorado, em milhões de anos e com varias tentativas sem sucesso, e que o principal provocador dessa evolução é a seleção natural, ou seja, deve ter uma “força” atuante no ser vivo que o estimule a evoluir).
    Contudo, tal teoria apresentada por Darwin não se sustenta diante das pesquisas do pai da genética Mendel: segundo Mendel as características internas (genótipo) não podem ser modificadas pelo meio externo.
    Ou seja, para que a asa desses pássaros fossem modificadas (seja em bilhões de anos ou não) só aconteceria através de mutações raríssimas durante a gametogênese ou através de radiação.
    Acredito na adaptação dos seres vivos diante do meio ambiente que ele se encontra, mas as características adquiridas não mudará em nada a carga genética desses seres, sendo assim, não passarão para as próximas gerações.
    Exemplo: uma pessoa de pele branca, se for exposta ao Sol todos os dias, ela consequentemente ficará com a pele escura. Contudo, a ciência baseada nos conhecimentos atuais sobre a genética, me permite afirmar que os filhos de tal pessoa herdará as características genéticas de seus pais, porem o filho não possuirá a pele escura devido a exposição solar que o pai sofreu, pois isso é uma característica no Fenótipo (modificações aparentes que não muda a carga genética)do seu pai.

    • Jonatas:

      Não sei em que nível de conhecimento de genética você fala, mas pelo jeito só o que quer é dizer que a evolução não acontece usando a genética como argumento. A TE se baseia profundamente em genética, me caro. Mas vamos ao teu exemplo:
      – 1: Pessoa branca exposta ao Sol fica de pele escura, certo
      – 2: Filhos dessa pessoa, geneticamente branca receberam genes pra pele branca – obvio!!!!
      – 3: Assim não acontece evolução e teu exemplo mata a TE. Bingo!!!
      Errado, ou escolheu um péssimo exemplo ou não entende de TE, e nem entende de Africanos e Europeus.
      – 1: As pessoas brancas expostas ao Sol sofrem mais, tem mais dificuldades que as pessoas com genotipo pra uma pele mais escura (não nasce todo mundo da mesma cor, sempre haverá alguém mais escurinho).
      – 2: A pessoa um pouco mais escura terá mais facilidade pra se sustentar, um pouco mais de saúde, trabalhar e formar famílias, passando adiante seus genes escurinhos.
      – 2.1: Mas o processo não para, o Sol continua a toda e o filho mais negro levará mais vantagens diante do Sol, passando mais genes adiante. Não quer dizer que os claros simplesmente desaparecem, mas gradualmente a pele mais negra irá formar etnia, se tornar mais comum.
      – 3: A evolução aconteceu, NÃO, ela está acontecendo (não é uma mudança pro mais forte, é pro mais apto, resistente ao SOL), os Negros são seres da nossa espécie, só são uma raça diferente, com alguns genes que tendem a pele escura, mudada pelo ambiente. Em algum tempo maior que a nossa civilização, o calor maior Sol sobre a Africa terá formado uma subespécia humana certamente incapaz de cruzar com os humanos cuja genética já se adaptou a viver na baixa gravidade de Marte, um processo gradual, sutil, constante. É exatamente o que a reportagem mostra, as andurinhas não deixaram de ser as andurinhas, é apenas o processo evolutivo da seleção natural acontecendo, privilegiando as aves de asas mais curtas. Uma nova espécie de ave, de asas mais curtas, será existente em muito tempo, mas por muitas outras formas, os transitos de carros na Terra não vão ser assim pra sempre.

    • maalalel:

      Olá, desde já agradeço a todos os usuários deste site pela atenção as minhas perguntas. E pela educação e respeito que tiveram a responder-me, mesmo eu tendo uma opinião divergente.
      Bem, talvez fui infeliz no meu exemplo: pois o que eu queria passar é que acredito na adaptação dos seres vivos diante do ambiente. Mas o ambiente não tem capacidade de selecionar os mais “fortes”.
      Pois entendi a vossa colocação de como a evolução funciona, dizendo que o ambiente apenas favorece os mais adaptados para se perpetuarem.
      Mas todos sabemos que para que a teoria da evolução tenha nexo, é necessário alguma força para provocar as mudanças nos seres: quem ou o que foi o responsável para que esse novo gene de aves com asas menores existisse?
      Não estou falando de religião, só estou expondo a teoria da evolução à luz da razão. Pois não posso aceitar uma ideia que não tenha uma base sólida.
      Enfim, eu acompanho os comentários que vocês colocam neste site, e sei que vocês são bem inteligentes. Por isso gostaria que vocês me respondessem se o que falo tem razão ou não.
      Só mais uma pergunta:
      Não entendo como a TE explica como os primeiros seres vivos surgiram. Pois, já que são os primeiros devem ser bem simples. Contudo, como um ser simples conseguiria sobreviver às condições desfavoráveis do inicio da Terra (alguns pesquisadores ate dizem que a Terra no inicio era tão quente que nem podia sustentar tanta água que temos hoje. Eles só não explicam como as águas surgiram aqui na Terra, pois a opção que veio de cometas foi descartadas pois a composição de nossa água é diferente). E como deve ser esse primeiro ser vivo? Sem sistema de respiração, reprodução, sem DNA ou RNA?
      Não consigo entender a razão que tem em acreditar nesta TE.
      Obrigado pela atenção.

    • Jonatas:

      A TE em si foca no processo evolutivo, outras ciências, como a bioquímica, se encarregam de estudar as origens, um dos maiores mistérios da natureza. Os organismos primordiais, os mais simples, na verdade são os mais resistentes até hoje, há casos confirmados de que resistem até aos extremos do espaço cósmico, algo formidável. Os organismos simples são, na verdade, não os mais adaptados, mas os mais resistentes, e adaptáveis – eles moldaram o planeta inteiro, via fermentação e posteriormente fotossíntese, dando origem a uma atmosfera de oxigênio, o que foi crucial ao momento em que eles próprios evoluíram pra respirar e aproveitar a atmosfera oxigênica que eles mesmo formaram – e assim prosperaram, formando organismos multicelulares cada vez mais complexos. No evento de um cataclisma, provavelmente a vida avançada, nós, seríamos extinto enquanto esses primordiais unicelulares continuariam vivendo, recomeçando da estaca zero, provavelmente.
      No caso das andorinhas, as asas curtas facilitam na hora de dar a volta no corpo e escapar dos carros, assim essas estão sobrevivendo e passando seus genes adiante, o que a pesquisa observou. As de asas mais longas estão tendo dificuldades ao escapar, sua população relativa diminui e menos genes de asas longas são passados adiante.

    • Danilo Moço:

      Maalalel a seleção natural não seleciona os mais adaptados e sim os mais aptos, para um ser se tornar adaptado antes disso ele tem que ser apto as mudanças no ambiente.Não adianta ser um ser fisicamente forte ser não ser apto.Enquanto as aves ao longo do tempo ela foram se adaptando adquirindo características que elas possuem hoje tudo isso por causas das forças evolutivas(mutação,seleção natural, acaso e migração)existe uma razão por terem as asas pequena, pode ser uma melhor adaptação ao ambiente em que vivem.Já a outra questão os primeiros seres vivos foram aos seres anaeróbicos(que não sobrevivem ao oxigênio)e na atmosfera terrestre não havia a presença de oxigênio.De acordo com registros fósseis, surgiram na Terra há mais de 3,5 bilhões surgiram as cianobactérias que são seres aeróbicos que se proliferam principalmente em ambientes com pouco oxigênio,elas foram as responsáveis pela liberação O2 na atmosfera primitiva, o que possibilitou o surgimento da camada de ozônio. Com o passar do tempo ocorreu a endossimbiose sequencial foram surgindo os seres multicelulares, se as celulares desses microorganismos possuíam plastos que deram origem as plantas que passaram a liberar mais O2 na atmosfera o que possibilitou o surgimento de inúmeras outras espécies (não vou entrar em detalhes porque se não o argumento vai ficar muito extenso),elas não precisavam de parceiros elas se replicavam.Os procariontes da época possuíam o mínimo para se considerar ser vivo. Com o surguimento de seres mais complexos, eles apresentavam o RNA que pode servir de material hereditário além de estar ligado aos p.r.o.c.e;s.s.o.s mais antigos que depois deram origem ao DNA .Enquanto o surgimento da água,bem,ela teria surgido a partir do resfriamento do planeta quando os vulcões expeliam vários gases como o metano, a amônia, o hidrogênio e com eles o vapor de ’água e do vapor de água que se evaporou, favorecendo a ocorrência de chuvas.

    • Danilo Moço:

      Jonatas, você cometeu um erro aí, você disse “os Negros são seres da nossa espécie, só são uma raça diferente´´.Não importa se é um negro, branco, índio, asiático. Todos somos da mesma raça, pois não exitem genes de raciais na espécie humana hoje, fora isso concordo inteiramente com seu argumento!!!

    • Jonatas:

      Obrigado pela correção, show de bola, é isso aí mesmo.

    • Cesar Grossmann:

      Claro que é evolução. Mudou o perfil genético daquela população, a frequência do gene para asas curtas está maior do que do gene para asas compridas. Isto é evolução, uma mudança na frequência de genes.

      Sobre o seu exemplo, é óbvio que os filhos desse homem vão ter os genes que herdarem do pai e da mãe, mais as mutações que acontecerem antes da fecundação. Mas se este homem morrer de câncer de peleantes de se tornar adulto, assim como todos ou a maioria dos que tem o perfil genético para “pele clara”, eles não terão filhos, e seus genes não aparecerão na próxima geração, ou terão uma expressão estatística muito menor. Se, ao mesmo tempo, quem tem os genes para “pele escura” sobreviverem e tiverem prole, já sabemos como será a próxima geração: terá mais elementos com pele escura do que a geração anterior. Isto é evolução.

    • HFC:

      O pessoal está acostumado a achar que evolução se dá em indivíduos, quando na realidade ela se dá em populações.

      As andorinhas da espécie analisada já não são tão semelhantes as mesmas andorinhas desta espécie que viviam a 50, 70, 90 anos atrás.

    • Cesar Grossmann:

      Pior, as pessoas acham que evolução é mágica, que um animal que evoluiu se transformou em um animal completamente diferente. Aí quando você aponta que as asas estão um pouco menores, dizem que isso não é evolução. No caso dos tentilhões de Galápagos, a mudança é bem mais sutil, em um período de seca predominam as aves com o bico mais forte.

    • FartherAway:

      Confesso que seu cometário me deu sono … aonde você “aprendeu” essas coisas ? Por favor me diga , nunca irei lá .

  • Cesar Grossmann:

    Seleção artificial. Ou natural. De qualquer forma, as de asas mais curtas parece que estão sobrevivendo e passando adiante seus genes de asas curtas.

    Não é que a espécie “decidiu” que ter asas mais curtas é melhor, a evolução não acontece assim…

Deixe seu comentário!