10 possíveis próximos passos da evolução humana

Por , em 29.12.2012

A evolução humana não é somente algo do passado. Embora tenhamos mesmo evoluído durantes todos esses milhões de anos, ainda não paramos de evoluir. Isso significa que ainda há muito espaço para melhoras, e, se a civilização continuar no mesmo caminho que trilha hoje, algumas grandes mudanças podem ser esperadas para os próximos 200.000 anos. Confira dez delas:

1 – Monoetnia


Multiculturalismo é a essência da sociedade moderna. Não deve ser surpresa, então, que os seres humanos evoluam para um único grupo étnico, se a mistura das culturas continuar. Conforme a miscigenação se tornar mais comum, os seres humanos perderão lentamente as características distintivas de sua etnia, e assumirão características de diversas partes do mundo. Uma pesquisa até indicou que todos se parecerão como os brasileiros (um povo bastante miscigenado) em “pouco” tempo. Há uma vantagem óbvia nisso: “raça” já não será mais um problema.

2 – Sistema imunológico fraco


Conforme os seres humanos tornam-se mais e mais dependentes de medicamentos para a sobrevivência, o sistema imunológico vai enfraquecendo lentamente. A melhor maneira de explicar isso é com um exemplo: o uso de hormônios. Imagine um futuro em que, com a ajuda de suplementos, você possa regular seus hormônios para maximizar o seu bem-estar. Com o tempo, seu corpo se tornaria dependente dos hormônios adicionais, ao ponto de parar de fazer por si mesmo o que os suplementos podem fazer em seu lugar. Os processos que criam hormônios se tornariam menos importantes para a sobrevivência, uma vez que o seu corpo sempre tem o suficiente, graças aos suplementos. Depois de dezenas de milhares de anos, é provável que os seres humanos evoluam ao ponto de hormônios não serem mais criados organicamente dentro de nosso corpo.

Se ajuda externa fosse inteiramente responsável pela nossa sobrevivência, muitas de nossas funções internas poderiam se tornar obsoletas. Por que o seu corpo precisaria de um poderoso sistema imunológico se todos os patógenos pudessem ser curados com medicação? De fato, é uma desvantagem da utilização de medicamentos para combater doenças.

3 – Menos massa muscular


Há duas causas previsíveis para o enfraquecimento físico gradual da raça humana. A primeira é a nossa crescente dependência da tecnologia – e de máquinas, em particular – para fazer o nosso trabalho sujo. Quanto menos cada geração depender da força física, mais provável é que toda a espécie fique mais fraca.

A segunda causa possível para a atrofia muscular é um pouco mais impressionante: envolve um cenário em que nós temos que mudar para o espaço. Em tal cenário, a força física é quase desnecessária para o dia-a-dia. Eventualmente, perderíamos a maioria de nossa massa muscular.

4 – Mais altura


A altura humana tem crescido rapidamente nos últimos dois séculos. Ao longo dos últimos 150 anos, a altura média da espécie aumentou 10 centímetros. Acredita-se que a principal força motriz por trás deste crescimento é a abundância de nutrição disponível para muitos de nós. Quanto mais a criança tem para comer, mais energia ele ou ela tem para crescer. Enquanto tivermos a capacidade de comer em excesso, a espécie vai continuar a crescer (e ficar mais alta). Se o céu é o limite, ou se a biologia vai nos parar em algum lugar, só o tempo – e a evolução – dirá.

5 – Menos pelo


Já perdemos a maior parte do pelo do nosso corpo por uma série de razões. Seguindo esse caminho, é provável que os seres humanos se tornem ainda mais carecas ao longo do tempo. As mulheres, em particular, são frequentemente vistas como mais atraentes com menos pelo em várias partes de seus corpos. Como esse traço oferece vantagem a um indivíduo quando se trata de atratividade sexual, podemos postular que, ao longo do tempo, as mulheres evoluam para ter menos pelo. O mesmo pode ser dito para os homens, mas como há menos pressão social para que tenham pele lisa, a mudança permanente provavelmente ocorrerá mais lentamente.

6 – Mudanças cerebrais


A tecnologia já afetou a forma como a nossa memória funciona. O cérebro humano, sendo uma máquina em busca da máxima eficiência, tipicamente memoriza o ponto onde a informação é armazenada, em vez de a própria informação. É muito mais fácil de lembrar onde você colocou o livro com as informações do que recordar o conteúdo real do livro, não é mesmo? Na era da internet, essa peculiaridade mental tornou-se especialmente importante. Nós não tentamos mais decorar números de telefones, simplesmente os buscamos. Não tentamos lembrar de respostas, as pesquisamos na web,e assim por diante. Conforme a tecnologia se torna mais avançada, o nosso cérebro vai se adaptar a fim de maximizar sua eficiência, talvez em detrimento de nossa memória.

7 – Dentes menores


A mudança mais óbvia em nossos maxilares será o desaparecimento dos dentes do siso, que não tem mais utilidade aos seres humanos modernos. Muitos grupos étnicos já têm baixas taxas de ocorrência desse tipo de dente. Além disso, também podemos esperar que os nossos dentes fiquem menores. Ao longo da evolução do homem, tem havido uma tendência geral para dentes pequenos. Evidências mostram que nos últimos 100.000 anos, nossos dentes reduziram pela metade em tamanho. Nossos maxilares também encolheram. A tendência deve continuar, especialmente porque nossa comida é cada vez mais facilmente digerível.

8 – Menos dedos do pé


Antes dos humanos andarem eretos, nossos dedos eram usados para a luta, assim como nossas mãos. Conforme dependemos menos da escalada e mais de ficar de pé, nossos pés têm lentamente se reduziram ao seu tamanho atual. A evolução agora caminha para livrar-nos do nosso quinto dedo do pé, o menor. Em comparação com os dedos maiores que servem para nos dar equilíbrio e andar, os pequenos não servem de nada, e podemos sobreviver muito bem sem eles. Devido a isso, e por causa dos problemas que surgem a partir de sua existência desnecessária – como serem frequentemente esmagados em sapatos e em esbarrões com objetos -, podemos esperar que os humanos se tornem uma criatura de quatro dedos.

9 – Crânios menores ou maiores


Duas escolas de pensamento existem sobre a questão do volume do nosso crânio. Uma, que conta com o apoio de muitos cientistas, afirma que nosso crânio está no limite de seu tamanho. Qualquer pessoa que tenha dado à luz sabe que a cabeça de uma criança já é, para falar diplomaticamente, bastante grande. Por esta razão, muitos biólogos acreditam que uma cabeça maior tornaria o nascimento impossível – algo que o processo evolutivo eliminaria gradualmente rapidamente, sem dúvida. A grande cabeça no nascimento é também mais propensa a ferir ou matar a mãe. Assim, parece inevitável que o tamanho da nossa cabeça fique o mesmo, ou até menor.

No entanto, isso ignora o fato de que cesarianas são comuns e oferecem oportunidades para a sobrevivência de crianças com grandes cabeças. Na verdade, alguns acreditam que a cesárea acabará por ser mais segura do que o parto natural no futuro, o que leva à possibilidade de que as crianças com cabeças pequenas, naturalmente entregues, sobrevivam menos. Mas tal dependência seria perigosa para os seres humanos. Se humanos “cabeçudos” perdessem a capacidade de realizar cesarianas, poderíamos esperar uma extinção rápida.

10 – Autoevolução


Os seres humanos podem, eventualmente, chegar a um ponto no qual “forcem” a evolução em si mesmos através do uso da tecnologia. Seja através de órgãos biônicos, por exemplo, ou por meio de seleção genética, na qual futuros pais escolhem as características de seu filho antes do nascimento, a evolução humana deverá caminhar por essa estrada. A seleção genética, em particular, pode levar rapidamente a um boom de “bebês projetados”, nos quais todos os defeitos e traços indesejáveis podem ser removidos. Se isso se generalizar, poderia potencialmente forçar muitos traços humanos (negativos ou não) à extinção.[Listverse]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (18 votos, média: 4,50 de 5)

40 comentários

  • Leonardo Kinach:

    Este site só tem asneiras lamarckistas. O segundo caso por exemplo não faz sentido, pois ter um bom sistema imunológico nãofaz sermenos sexy

    • Cesar Grossmann:

      O site inteiro? Caraca…

      De qualquer forma, ter o sistema imunológico mais fraco também não faz alguém ser menos sexy.

  • leopoldino ferreira:

    Ciencia séria só mesmo a Física; esses tais cientistas da evolução querem fazer estatística em milhões de anos; outros usam vassourinhas..

    • Cesar Grossmann:

      Tem gente que não aceita os fatos. Biologia é ciência séria, sim senhor, tem física, tem química, e tem sua própria base de conhecimentos, como a genética, a ecologia, paleontologia, morfologia, bioquímica, e por aí vai. Afirmar que não é ciência é passar atestado de ignorância…

  • leopoldino ferreira:

    Tem muita besteira nessa teoria da evolução; quando há unanimidade nessa área é porque tem alguma coisa de errada. Ciencia só mesmo a Física

    • Cesar Grossmann:

      Leopoldino, que “besteira” que tem na Teoria da Evolução?

    • Davi:

      Sou mais biologia kkk mas todas as outras ciencias como fisica e biologia tem sua importancia para o desenvlvimento humano

  • Cícero Farias:

    Não entendo… A maioria desses aí não seria baseada nas pesquisas de Lamarck, em que se afirma que características adquiridas durante a vida são transmitidas aos descendentes ? Essa teoria foi derrubada… Se eu perder um braço, meu filho não vai nascer sem ! Me desculpem se estiver enganado, mas a maioria dessas não me parece seleção natural, como a nº 2, por exemplo.

    • Cesar Grossmann:

      Está descrito em temos lamarckianos, mas é seleção sexual. Não haverá pressão seletiva para sermos musculosos, por exemplo, e com o tempo os genes para “corpo atlético” serão selecionados sexualmente, ou seja, por uma questão de gosto…

    • Guilherme Cardozo:

      O 2 faz sentido pq humanos q nasceriam com sist. imunologico fraco nao morreriam salvos pela medicina, e passariam os genes fracos pra frent

    • Cesar Grossmann:

      A não ser que o sistema imunológico fosse fraco por causa de fatores externos.

    • Raphael Aquino:

      Mal explicado! Parece muito ser baseado na evolução de Lamarck, mas não é: refere-se a evolução.

  • claudemir da silva:

    interessante pesquisa

  • D. R.:

    Vejo que muitos aqui estão criticando Lamarck; mas, se esqueceram que o ensino de biologia (e de física, química, matemática, etc.) nas escolas está décadas defasado frente às novas descobertas científicas modernas.

    Descobertas recentes sobre a complexidade do genoma, sobre o DNA LIXO (que de lixo não tem nada), sobre o peso da epigenética ou transferência lateral de genes no processo evolucionário, sobre a pouca eficiência da seleção natural na evolução, etc., está forçando um novo paradigma na Teoria da Evolução.

    Vale a pena ler a matéria da Revista Superinteressante: “A GENÉTICA FRACASSOU?”:

    http://super.abril.com.br/ciencia/genetica-fracassou-598852.shtml

    E também o artigo “PRÍONS APONTAM PARA UM NOVO TIPO DE EVOLUÇÃO NÃO DARWINISTA”:

    http://pos-darwinista.blogspot.com.br/2012/02/prions-apontam-para-um-novo-tipo-de.html

    Aliás, quem acompanha o site “Pós-Darwinista” já está cansado de ouvir o Prof. Enézio dizer:


    A literatura especializada aponta para continuidades e rupturas no paradigma evolucionário darwinista. Vem aí, gente, uma nova teoria geral da evolução – a SÍNTESE EVOLUTIVA AMPLIADA, que não será e nem pode ser, selecionista, e deve incorporar aspectos teóricos LAMARCKISTAS. Enquanto ela não vem – será anunciada pela Nomenklatura científica somente em 2020, os que praticam ciência normal estão fazendo biologia evolucionária como? Búzios? Tarô? Bola de cristal?

    • Jose Perdomo:

      Me parece que este artigo contem erros decorrentes de falta de domínio básico sobre o assunto . As questões sobre o Lamark foram colocadas de forma equivocada, a mais clara é a tal pressão social, já que se comprovou de forma clara que evolução se baseia na capacidade de transmitir seus tens, não os costumes!

    • HFC:

      D.R., o Enézio, como referência científica tem a mesma relevância que o Ronaldinho Gaúcho para a produção científica. Ele é só um historiador religioso de EXTREMA má-fé. Não passa disso.

  • D. R.:

    Com certeza, o que prevalecerá será o item 10 – AUTOEVOLUÇÃO, onde a humanidade irá comandar a própria evolução. Porém, o problema é que a ciência é uma ‘faca de dois gumes’; ela pode servir tanto para o bem como para o mal. Por isso, acho que ela deveria ser, até certo ponto, regulamentada por leis baseadas na religião ou, pelo menos, na ética e na moral.

    Hoje, a ciência está tão avançada que em breve a humanidade vai ter que escolher qual caminho a seguir na encruzilha histórica da eugenia humana e dos seres transgênicos; se vamos ou não alterar artificialmente o genoma humano rumo ao neo-humano ou pós-humano.

    O problema é que a coisa já está saindo de controle; pois, já existem algumas clínicas privadas oferecendo, por exemplo, a seleção de embriões (à custa de vários mortos) para escolha do sexo do bebê ou de bebês sem doenças genéticas e prometem que num futuro próximo se poderá escolher a cor dos olhos, a beleza, a inteligência, etc. Ou seja, é a volta do movimento da eugenia nazista de forma legalizada e incontrolável; e, infelizmente, não existe nenhum órgão internacional regulamentando isso!

    O problema é que isso levará a uma polarização genética (que, de certa forma, já ocorre) entre ricos e pobres que não terão acesso fácil a tais tecnologias; e quem não aderir a elas ficará para trás, obrigando praticamente a uma adesão em massa!

    Assisti um documentário tempos atrás debatendo justamente sobre esse polêmico assunto.

    Embora, na minha opinião, isso já é um caminho sem volta; já que a sociedade se afastou de Deus e crê que tudo o que é possível na ciência, é de certa forma ético!

    Procurem na internet pelo artigo de Carlos Pompeu:

    “Critica ao Movimento Pós-Humano”

    E o documentário: “DNA: A PROMESSA E O PREÇO”, do Discovery Channel.

    Tem no YouTube e está dividido em dois episódios com seis capítulos cada.

  • P.Rhodan:

    Considerando a evolução tecnológica, discordo quanto ao enfraquecimento mental e físico da raça humana. Já podemos programar através de um “menu” de qualidades físicas e mentais, como será o biotipo de nossos filhos (isso hoje). Basta ter dinheiro e acesso a centro tecnológico. Esse fato não é comentado ou difundido por razões políticas, religiosas e/ou morais. 100 anos atrás a tecnologia crescia aritimeticamente, hoje geometricamente, em 50 anos, instantaneamente (conceito, análise, execução)
    Dentro em breve estaremos expandindo a capacidade do cérebro em termos de comunicação a distância (já foi liberado ao público alguns exemplos como, movimentação de braços mecânicos mentalmente, imagine com implantação de nanobiochips), acesso a programas de inteligência artificial auxiliares, etc. Saber é poder.
    Acredito que dentro de 50 anos a expectativa de vida média será 120 anos. Em 500 anos poderão escolher quando querem morrer. Em 2.000 anos poderemos mover o planeta através do direcionamento e controle de gravidades planetárias.
    Lembrem-se: profetas do apocalipse existem desde que se tornou vantagem tirar lucro do medo.
    É só. Sejam felizes e façam seus próximos felizes.

  • Paulo Kohara:

    Quanta besteira, todos sabemos que ainda seremos Yautja, maiores, mais fortes, mais inteligentes, mais resistentes.

  • kid redman:

    hahaha ! vcs acreditam MESMO que a humanidade vai durar isso tudo ?

    acorda ae, galera !

  • Johny Ted:

    Nos anos 60, os russos tentaram criar martas asiáticas em cativeiro por causa da pele valiosa do animal. Foi um desastre. Justamente os pelos das martas ficaram longos, grossos e esbranquiçados – ninguém sabe o porquê. Eu creio que a gênesis humana jamais estará completa porque ela se realiza a todo instante, a cada momento; isto é, o corpo humano se deteriora e se recompõe em nanosegundos e numa realidade quântica. O olho humano tem prazo de validade para apenas 40 anos. Viver perenemente por mais de 120 anos é impossível porque todos morrerão com algum tipo de câncer – somos constantemente bombardeados por raios e partículas cósmicos. Eu acredito que a mente humana é fundamental nesse processo evolutivo. Senão, não teríamos o “miracle man” Morris Goodman. Agora, sem loiras no futuro??? Essa não!!!

    • Guilherme Euripedes:

      Há um oceano de distância entre a tecnologia dos anos 60 com a de hoje em dia. Somos capazes hoje de criarmos até mesmo raças hibridas de animais.

      Estamos caminhando para um aumento de longevidade evidente devido a nossa tecnologia estar melhorando a cada dia, mas o real problema realmente está na capacidade de desenvolvimento mental… Essa tecnologia a gente já tem faz tempo, mas pouca gente usa bem.

      Livros.

  • Joaquim Guedes Batista:

    Quanto ao homens ou qualquer animal, se pararem as suas principais funções, a tendência é mesmo de serem atrofiados, por outro lado, o celebro humano tenderá a crescer, se for o caso de ser aumentado as funções cerebrais,Quanto ao crescimento, a coisa é mesmo duvidosa, tenho convivido com povos de diferentes lugares, sei de Italianos que tem uma boa altura, em média de 185 cm. conheço uma região no estado do maranhão, que a altura predominante daqueles povos, é 120 cm. os índios não passam de 165 cm. Só que tem coisas estranhas neste meio, nasceu um filho de um casal de baixinhos e tem 165 de altura, só que em outro meio, com saúde e alimentação controlada.

  • Allan Rangel:

    Nunca li tanta besteira.
    VocÊ está tentando utilizar a teoria de Lamarck, e está negando Darwin!
    Não existe isso de “não uso, atrofia”. O que move a evolução é a seleção natural ou manipulação genética.
    Os exemplos que você citou sobre o aumento de altura, atrofia do sistema imunológico e eliminação do quinto dedo do pé, são equivalentes à teoria de Lamarck para o pescoço das Girafas, teoria que caiu por terra há muito tempo. Se não houver seleção natural (leia-se morte antes da idade reprodutiva), não iremos ficar cada vez mais altos indefinidamente, ou perder essas funções.
    Seria melhor não ter publicado este artigo, o texto está repleto de erros.

    • Orlando Rios:

      O macaco (leia-se Elo Perdido) desceu da arvore e perdeu o rabo. Os que continuaram na arvore continuam com seus rabos.

      O macaco teceu vestimentas ou migrou para áreas mais quentes e perdeu os pelos. Os que não aprenderam a tecer vestes continuam peludos.

      O macaco aprendeu a cozinhar alimentos e diminuiu seus dentes. Os que comem sementes duras continuam dentudos.

      O humano usa muito o Google e perderá a capacidade de raciocinar ?

      Tem algo de podre na Darwinlandia !

    • Henrique Vidal:

      Você ta falando muita besteira isso não tem nada haver com darwin. Darwin é baseado na capacidade de sobreviver e repassar os genes daqueles que sobreviveram para o posterior,você ta falando de Lamarck pelo menos use o google antes de responder.

  • Simon Viegas:

    A maioria desse passos estão se baseando em “uso e desuso”???? Que absurdo!!!

    Gente, Lamarckismo já nasceu morto!!!!!!!!!!… não colou nem no século 18… chega ser ultrajante falar em algo como “não tem mais utilidade” ou “dependência da tecnologia”…

    Evolução não tem nada haver como “costumes”, mas sim com “SELEÇÃO”… E mesmo assim, na modernidade não faz também o menor sentido em falar em “seleção natural”. Todos temos acesso fácil ao sexo… logo, todos facilmente podem passar sua herança genética para frente!!! Ter filhos é uma opção, e não mais uma conquista!

    Então, mudanças FENÓTIPAS por uso e desuso NÃO SÃO PASSADAS HERIDARIAMENTE (GENÓTIPAS)!!! Uso e desudo NÃO MUDAM O SEU DNA!!!!!!!!!!!! É o DNA que manda nas caracteríscas… por exemplo uma contaminação por radição poderia mudar a si e parar para os descentes, já que pode mudar a estrutura genética… mas costumes NUNCA!!!

    E nos seres humanos atuais não existem mas essa questão de “seleção natural”, como por exemplo existem em leões, onde os “machos alfas” tendem a se reproduzir mais e portanto dendo filho mais propenso a serem fortes. Hoje qualquer um consegue uma parceira/parceiro. (“toda panela acha uma tampa”)

    Att,

    • Glaucya:

      Concordo com o que você falou, porém, acho que você se precipitou ao dizer que o Lamarkismo já nasceu morto…

    • Glaucya:

      Pois acredito que foi a partir das observações de Lamarck que Darwin iniciou seus estudos a fundo.

  • Orlando Rios:

    Tbm acho que a Autoevolução será o caminho comum e poderemos ter centenas ou milhares de variações geneticas da mesma raça humana convivendo no mesmo espaço. Teremos que manter controle sobre isto !

    Engraçado que nos filmes de FC a raça humana (ou seres mais adiantados de outros planetas) tem um perfil de corpos esbeltos e longineos pois o corpo não precisará tanto de musculos e gorduras acumuladas e teremos cerebros grandes para conter mais conhecimento e cultura. Assim com possibilidade de comunicação não-verbal, movimentos de objetos com a mente, comunicação total e instantanea independente de tempo e espaço, etc.

  • Andreia Cristina:

    Isso já VEM SENDO ESTUDADO, E ESPERADO por todos espíritas que estudam allan kardec, que já falou issso em 1857.Acorda!!!

    • Davi Rocha:

      aham, igual estudam o eter da fisica he he he

  • aguiarubra:

    P.: “…Os seres humanos podem, eventualmente, chegar a um ponto no qual “forcem” a evolução em si mesmos através do uso da tecnologia…”

    Comentário: no andar das carruagens tecno-robóticas, o Homo Sapiens vai fazer sua própria auto-extinção, substituindo-se a si mesmos por sucedâneos automatizados, que não é nem vivo, nem consciente!

    Será uma “des-evolução”, contrariando amargamente Charles Darwin.

    Bem feito, prá nós, os materialistas dogmáticos. Merecemos desaparecer dos processos da Vida no Universo. Pena que seja tão ingloriamente que façamos isso.

    Minha esperança é que Isaac Asimov esteja certo em seus escritos de ficção científica, onde em algum tempo, quando percebermos que estamos desaparecendo em face dos robôs, consigamos “acordar” para a realidade e refaçamos os caminhos da verdadeira evolução, que é biológica.

    Talvez tomemos o rumo de permitir que surjam substitutos “vivos” do Homo Sapiens, talvez com capacidades paranormais irreprodutiveis tecnológicamente, como mostrado no filme “Scanners: sua mente pode matar” e na série “Fundação”, de Isaac Asimov.

    • Davi:

      Verdade devemos ter cautela mas tbm n podemos deixar de criar novas tecnologias por conta disso.

  • Luiz Cardoso:

    Realemnte o ser humano evolui em determinados locais mais rápido do que se imagina. No Brasil, por ecemplo, criaram um terceiro sexo, agora gaysn ja podem se casar. será que poderão engravidar daqui 1.000.000 de anos?

    • Patrícia Guarani-Kaiowá:

      Tomara né? Assim como eu tenho direito de casar e ter filhos espero que eles também tenham. Mesmo que não possam ter filhos, ainda assim podem ser felizes no casamento como casais de idosos ou casais onde o homem ou a mulher é estéril.

    • Danilo Moço:

      Criaram um terceiro sexo? E como ele é?

    • Davi:

      duvide n viu kkkkk

  • D:

    “Os seres humanos podem, eventualmente, chegar a um ponto no qual “forcem” a evolução em si mesmos através do uso da tecnologia”

    Eventualmente? Ora… absolutamente tudo aponta para esse como principal caminho.

    • didjoni:

      Quando pessoas faltam as aulas e escrevem bobagens, como o que consta nesta matéria. Desde quando Lamarckismo supera Darwin com a teoria da evolução? Percebam a bobagem: título da matéria fala em evolução mas depois se contradiz citando apenas fatos errados, como a historinha de que o pescoço da girafa cresceu pq ela precisava comer as folhas das árvores, quando o correto é que apenas as girafas que TINHAM pescoço longo conseguiam sobreviver e se reproduzir. Não entendeu? Ah, então tbm és um besta. Vai no Google que ele te explica.

Deixe seu comentário!