Beleza não é vantagem para mulheres em empregos considerados masculinos

Por , em 9.08.2010

Pessoas atraentes normalmente têm vantagens no campo profissional, mas mulheres bonitas que queiram um emprego considerado masculino têm poucas chances de consegui-lo – pelo menos é o que afirma uma nova pesquisa.

Segundo pesquisadores da Escola de Negócios de Denver mulheres atraentes foram discriminadas quando tentavam uma vaga “masculina”, na qual a aparência não importava para a realização do serviço. Esses trabalhos incluem posições como gerente de pesquisa e desenvolvimento, finanças, engenheiro mecânico e supervisor de construções.

Nessas profissões, ser atraente foi altamente prejudicial para as mulheres – em qualquer outro tipo de trabalho, ser atraente ajudou as moças a conseguir as vagas. Não era o caso dos homens, o que mostra que ainda há diferenciação entre os sexos.

No experimento, participantes receberam 204 fotos de estudantes universitários (todos vestindo roupas de trabalho, o que mostra que não houve diferenciação entre eles fora a de sua aparência natural) e deveriam dar notas para sua aparência. Depois eles deveriam relacionar profissões que fossem adequadas para cada pessoa.

Mulheres mais atraentes foram consideradas inadequadas para trabalhos masculinos, mesmo que moças não tão bonitas fossem adequadas para a vaga de acordo com os voluntários.

Em um segundo estudo os voluntários deveriam selecionar as fotos das pessoas para as determinadas vagas (baseando-se apenas na sua aparência): carcereiro, vendedor de carros, assistente social e secretária. Os dois primeiros trabalhos foram considerados masculinos, enquanto as mulheres foram colocadas nas duas últimas vagas. [LiveScience]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

3 comentários

  • Geraldo:

    Em nome da “Inclusão Social” em breve estarão escalando paraplégicos para jogar futebol profissionalmente. Isso, sim, é ridículo.

  • Christine:

    Ignoro todo o tipo de inutilidade que a demência coletiva social proporciona.
    Não gosto que me comparem a nada e desprezo qualquer padrão imposto pela sociedade.

    Pareço uma pessoa normal mas sou muito mais do que isso, um predador. Uma criatura sem sexo, sem nome, sem rg, nacionalidade e muito menos sem piedade dos outros.

  • Christine:

    Ridículo. Por que o foco de alguns assuntos são direcionados somente às mulheres tais como beleza, gordas, idades e toda a futilidade?
    Por isso eu sou anti-social, ou seja, um predador social, e me orgulho disso.
    Antes que questionem, eu não me considero alguém classificável por sexo. Nasci mulher mas não gosto de ser vista nem como mulher nem como homem. Sou abstrato.
    Claro, também sou bissexual. 🙂

Deixe seu comentário!