Biólogo publica estudo falso em 157 revistas científicas

Por , em 7.10.2013

Nem todos os estudos publicados em revistas científicas são sérios – alguns não são nem ao menos reais. Para denunciar isso, o repórter e biólogo norte-americano John Bohannon fez uma “pegadinha”: escreveu um trabalho científico falso, com dados equivocados que, segundo ele, qualquer pessoa que estudou biologia no colégio saberia que eram falsos. Depois, enviou para centenas de revistas científicas. Para completar, o repórter assinou o estudo com nomes falsos de pesquisadores, associados a universidades que nem ao menos existem.

O resultado foi chocante. Mais da metade das revistas procuradas – 157, no total – publicaram o estudo sem pé nem cabeça. Em reportagem da revisa Science, Bohannon contou que o estudo falso foi publicado em periódicos científicos de acesso livre. Esse tipo de veículo é de acesso gratuito aos leitores, mas pode cobrar dos pesquisadores pela publicação.

Ao longo de dez meses, o repórter enviou várias versões da pesquisa em que fala sobre a descoberta de um líquen com propriedades anticancerígenas. Para ficar ainda mais óbvio que as revistas não fizeram nenhum tipo de verificação do estudo, Bohannon traduziu o artigo para francês, e novamente para o inglês, com um corretor automático. Apenas 36 periódicos reconheceram falhas no estudo.

Ele denunciou editoras científicas obscuras, que muitas vezes usam nomes similares ao de revistas prestigiadas para confundir os leitores. Algumas sugerem que são de lugares como a Europa ou os EUA, quando estão situadas em outros lugares. Um terço das publicações que receberam o estudo falso está na Índia – e 64 revistas do país o publicaram.

Essa não é a primeira vez que algo similar ocorre. Os criadores de uma ferramenta online chamada Mathgen, que gera automaticamente trabalhos matemáticos cheios de frases aleatórias, já conseguiram publicar um estudo falso também. Além disso, uma pesquisa mostrou que entre 1973 e 2012, 2.047 artigos sobre pesquisas biomédicas foram desacreditados e retraídos de publicações científicas, por conta de fraude.

Agradecimento: ao leitor Diego Willrich, que sugeriu essa pauta. [National Geographic/The Guardian]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

6 comentários

  • HFC:

    Um detalhe interessante é que a PLOS ONE rejeitou o artigo. Grande parte das aceitações dos artigos estavam nas revistas do Elsevier e do Sage.
    Há uma lista no artigo da Science que faz um mapeamento de onde foi aceito o artigo.

  • Tibulace:

    Assim não dá! Faltou publicar,a LISTA com os NOMES das revistas que aceitaram o ” trabalho científico” para publicação, bem como o ” TRABALHO” em si, para podermos julgar se o texto era RAZOAVELMENTE digno de credibilidade ou se as pessoas que o leram ( SE leram ) não entendem NADA de assuntos científicos.

  • Marcos Gomes:

    Seria interessante publicar a lista dessas revistas “científicas”

  • João Bellini:

    Vocês podem me dizer quais foram essas revistas por favor?

  • pmahrs:

    Excelente matéria. Mas esta doeu, vaidades há em qualquer ramo, já ouvi falar de cientistas que adulteram resultados para credibilizar suas teorias e pesquisas. Mas não podemos culpar todos ou toda a instituição por erros de alguns e principalmente os de hoje por erros de quem já morreu a séculos.

Deixe seu comentário!