Carro sem motorista: conheça o Google Driverless Car

Por , em 12.12.2011

A maior parte dos acidentes de carro é causada por falhas humanas. Então, o que é possível fazer para tornar o trânsito mais seguro? Tirar o motorista do volante.

Parece mentira, mas os engenheiros do Google realmente desenvolveram um carro assim, o Google Driverless Car. Em 2010, a empresa anunciou o veículo teste para carros autônomos que já havia percorrido mais de 220 mil quilômetros sem qualquer motorista na direção, apenas a partir de sensores e softwares.

O projeto está sendo liderado pelo engenheiro Sebastian Thrun, que é também o co-inventor do Google Street View. A equipe que desenvolve o Google Driverless Car é composta por 15 outros engenheiros.

O carro sem motorista do Google funciona com um sistema que combina informações do Google Street View, softwares de inteligência artificial, dados de um sensor LIDAR (Light Detection And Ranging, detecção de luz e alcance), sensores de radar e um sensor de posicionamento. O carro está programado para dirigir no limite de velocidade armazenado do mapa, mantendo distância dos outros veículos.

O Google colocou uma trava de segurança que permite que um ser humano dirija o carro se necessário, para evitar um Skinet – o que aconteceu em “O exterminador do futuro”, quando o software de computador com inteligência artificial se revoltou contra seu próprio criador.

Em junho, a Assembleia Legislativa de Nevada, EUA, aprovou uma lei que autoriza o uso de veículos autônomos. Ele foi o primeiro estado americano em que os carros sem motorista podem andar pelas ruas legalmente.

No Brasil, esses carros certamente irão demorar muito para aparecer. Se por um lado o Google Driverless Car pode ser uma ótima saída para o trânsito – evitando bêbados ao volante e motoristas apressadinhos – surgem outras questões: será que não será mais fácil assaltar um carro sem nenhum motorista? Dá para confiar totalmente em um carro que funciona sem ninguém o controlando?

Em agosto, foi relatado um acidente entre cinco carros próximo ao complexo de Montain View do Google, causado por um carro autônomo. O Google garante que havia uma pessoa pilotando esse carro, mas é difícil saber se isso é realmente verdade.

Confira um vídeo do Google Driverless Car em ação aqui.

E você, acha que esse sistema vai vingar ou prefere continuar sonhando com os carros voadores?

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

16 comentários

  • sachilulo:

    digamos que tudo que tenha vantagem tambem oferece
    as suas desvantagens, tal como so carro normais.

  • Italo:

    Jonatas, é impossível impedir o progresso porque ele é gerado pelo desejo de conforto que o homem tem, quanto mais conforto se pode criar, mais evoluem as engenhocas. Um carro confortável é aquele que vai longe e rápido, logo, a velocidade é um fator de conforto, pois ficar confinado em um espaço apertado por muito tempo é desconfortável. Os acidentes não são causador por excesso de velocidade, mas muitos outros fatores assosciados à ela. Porque um carro a 1 km por hora também pode causar acidente, podendo causar até mortes. O problema é que o movimento é um fator potencial de risco, quando nos movemos nos colocamos em risco de acidente.
    Um abraço a todos
    Italo

    • Jonatas:

      Até aí tudo bem, mas ninguém precisa ir pro trabalho a 250 km/h, os limites de velocidade da legislação das estradas sempre estão muito abaixo da velocidade dos carros.
      Não sou contra o progresso, ao contrário, mas essas máquinas velozes são as principais causas dos “rachas”, a irresponsabilidade que mata pessoas inocentes que cruzam a mesma estrada onde ocorrem. Mas isso é uma questão atual.
      Até acho bem melhor que no futuro o trânsito seja controlado por sistemas operacionais, esse sim é um progresso inevitável.

  • D. R.:

    Com certeza, é só uma questão de tempo; já que há muitas vantagens nesse sistema. Além de evitar acidentes e congestionamentos, ainda vai permitir que o ex-motorista possa aproveitar seu tempo com outras atividades dentro do veículo.

    Eu sou a favor, certos humanos são muito egoístas e irresponsáveis parar dirigir. Não adianta a maioria ser um bom motorista responsável se sempre tem um maluco bêbado ou um caminhoneiro cheio de ‘rebite’ ou sonolento para estragar tudo!

    Quanto aos carros voadores, com certeza, esses sim precisarão ser veículos autônomos. Pois, se já acontece tantas tragédias num trânsito bidimensional, imagina num trânsito tridimensional?

  • Alter ego: O futuro nunca foi tão óbvio:

    Este é um mundo onde se prevê que no futuro as máquinas tenham que fazer tudo por nós, como naquele filme da Pixar, “Wall-E”.
    Apenas vejo o quanto somos dependentes destes produtos, o celular por exemplo, que virou uma extensão do seu corpo, como se fosse mais um membro, igual a um braço ou uma perna. E agora eu lhes pergunto: quem consegue viver sem ele?

    É muito perigoso ter esse nível de dependência.

    • Andrody:

      Por experiência própria isso de “não se pode viver sem ele” é mera ilusão. Eu era muito viciado em internet, passava todo o dia conectado na adolescência. Achava como muitos que não poderia viver sem ele, até que meu pai cortou a internet. O que aconteceu?

      No primeiro e segundo dia eu realmente fiquei triste e sem ter o que fazer, mas ai fui pegar um livro pra ler, fui jogar bola, videogame… menos de uma semana nem me lembrava mais de negócio de internet.

      A grande característica do homo sapiens é sua adaptação ao meio.

    • Jonatas:

      Não é uma questão de dependência, é uma questão de melhorias. Podemos ter cidades cm caçadas rolantes, mas só fica mórbido e sedentário quem quiser. A vantagem da automacidade no mundo do futuro não tira de ninguém as academias, os esportes e a alimentação saudável.

  • Josmar:

    É mais uma tecnologia de filme de ficção científica que se torna realidade. E ainda tem gente que acha bobagem! Pois na verdade os filmes de ficção científica, são uma inspiração para novas criações tecnológicas.

    • César:

      Como disse Chaplin:

      O que o Homem imagina, já é!

  • karlloz:

    Não acredito que seja tão seguro assim! Mais a iniciativa é ótima e pode salvar muitas vidas!

  • Gabriel:

    Depois que eu falo que o Google é a Skynet da franquia exterminador do futuro !! FIQUEM ATENTOS ele logo declara guerra ao mundo

  • Jonatas:

    Legal, legal o sistema do GOD; digo, Google. fugindo um pouco do contexto da reportagem, Eu queria que alguém me explicasse uma coisa:

    Se a grande causa dos acidentes é o excesso de velocidade, porque as indústrias vendem carros cada vez mais velozes???

    • Josmar:

      Porque a potência e a velocidade é visto como qualidade pela maioria dos consumidores de autómoveis, gerando altos lucros para essas empresas que tem como meta principal, vender mais e ganhar muito.

    • Michel Wilhelm:

      Neste caso, então, porque o ser humano faz humanos cada vez mais estúpidos?
      Gente que não entende o básico do trânsito e um sistema que não sabe como contornar essa situação, a educação que não vem de casa vai para a rua…
      Sem saída isso

    • Felipe.G.Souza:

      Boa pergunta.Mas a velocidade é importantíssima. Nós humanos dependemos diretamente da velocidade para que, possamos evoluir de modo ligeiro.EXEMPLOS:quanto mais rápido um engenheiro,professor,ambientalista,médico,etc…Chegar no local de trabalho,mais rápido o conhecimento ou técnica será aplicado(a).Por isso devemos fazer pistas seguras,meios de transporte seguros,mais velozes.

    • Andrody:

      Porque não é a industria que se preocupa com excesso de velocidades e acidentes no trânsito. A preocupação dela é vender e lucrar, e carro que vende é carro veloz.

      Uma pergunta mais direta seria: “Por que o governo não limita a velocidade máxima dos carros que podem ser vendidos no país?”

      Mas que foi respondida pelo cidadão acima.

Deixe seu comentário!