“Máquina do tempo biológico-metafísica” é criada em laboratório, diz cientista

Por , em 17.03.2021
A equipe de Jun Wu do Southwestern Medical Center da Universidade do Texas, em Dallas, criou esferas feitas de células que se assemelham a embriões no estágio em que costumam ser implantados no útero - conhecidas como blastocistos. As novas entidades semelhantes a embriões feitas em laboratório foram apelidadas de "blastóides". Crédito: UT Southwestern Medical Center

Por décadas, a ciência tem tentado desvendar os mistérios de como uma única célula se transforma em um ser humano totalmente formado e o que dá errado a ponto de levar a doenças genéticas, abortos espontâneos e infertilidade.

Agora, os cientistas criaram entidades vivas em seus laboratórios que se assemelham a embriões humanos; os resultados de dois novos experimentos são os mais completos desses “embriões modelo” desenvolvidos até hoje.

O objetivo dos experimentos é obter informações importantes sobre o desenvolvimento humano inicial, encontrar novas maneiras de prevenir defeitos congênitos e abortos e tratar problemas de fertilidade.

Mas a pesquisa, que foi publicada em dois artigos separados na quarta-feira na revista Nature Portfolio, levanta questões morais e éticas delicadas.

“Tenho certeza de que qualquer pessoa moralmente séria fica nervosa quando as pessoas começam a criar estruturas em uma placa de Petri que estão tão próximas de serem seres humanos primitivos”, disse o Dr. Daniel Sulmasy, bioeticista da Universidade de Georgetown .

“Eles ainda não chegaram lá, o que é bom. Mas quanto mais avançam no desenvolvimento, mais nervoso eu acho que alguém ficaria com o fato de que as pessoas estão tentando criar seres humanos em um tubo de ensaio”, diz Sulmasy.

Períodos cruciais de desenvolvimento embrionário ficam ocultos no corpo das mulheres durante a gravidez e, portanto, são inacessíveis ao estudo. E conduzir experimentos em embriões humanos em laboratório é difícil e controverso.

“Sabemos muito sobre animais como camundongos e ratos. Mas não muito sobre humanos”, disse Jun Wu , biólogo molecular da University of Texas Southwestern Medical Center em Dallas, que liderou uma das duas equipes de pesquisa que publicaram os resultados dos novos experimentos. “É realmente uma caixa preta.”

Então, nos últimos anos, os cientistas começaram a criar estruturas que se assemelham a embriões humanos em laboratório, usando sinais químicos para induzir as células a se transformarem em entidades que parecem embriões humanos muito primitivos.

Agora, a equipe de Wu e uma equipe internacional de cientistas foram mais longe do que nunca. Eles criaram bolas ocas de células que se assemelham a embriões no estágio em que geralmente são implantados no útero, conhecidas como blastocistos. As novas entidades semelhantes a embriões feitas em laboratório foram chamadas de “blastóides”.

“Estamos muito animados”, disse Jose Polo, biólogo do desenvolvimento da Monash University da Austrália, que liderou o segundo experimento. “Agora, com essa técnica, podemos fazer centenas dessas estruturas. Isso nos permitirá ampliar nossa compreensão do desenvolvimento humano inicial. Achamos que isso será muito importante.”

“Eu consideraria isso um grande avanço no campo”, disse Jianping Fu, professor de engenharia mecânica da Universidade de Michigan, em Ann Arbor, que co-escreveu um comentário que acompanha a pesquisa . “Este é realmente o primeiro modelo completo de um embrião humano.”

“Acho que criar modelos semelhantes a embriões é extremamente importante”, concorda Magdalena Zernicka-Goetz , professora de biologia do Instituto de Tecnologia da Califórnia que fez pesquisas semelhantes que planeja publicar.

Os blastóides parecem ter boas diferenças em relação aos embriões formados naturalmente para evitar que se tornem um feto ou bebê viável. Mas eles parecem estar muito próximos.

“O que então levanta uma questão muito interessante: em que ponto um modelo de embrião se torna um embrião real”, diz Insoo Hyun, bioeticista da Case Western Reserve University e da Harvard University.

Os dois experimentos começaram com células diferentes para obter resultados semelhantes. O grupo de Wu criou seus blastóides a partir de células-tronco embrionárias humanas e de “células-tronco pluripotentes induzidas”, que são feitas de células adultas. O grupo de Polo começou com células adultas da pele.

“Este trabalho é absolutamente enervante para muitas pessoas porque realmente desafia nossas categorizações do que é a vida e de quando ela começa. Isso é o que chamo de máquina do tempo biológico-metafísica”, diz Hyun.

Hyun concorda que a pesquisa é muito importante e pode levar a muitos outros avanços. Mas Hyun diz que é importante definir diretrizes claras sobre como os cientistas podem ter permissão para realizar esse tipo de pesquisa de maneira responsável.

Hyun defende a revisão de uma diretriz conhecida como regra dos 14 dias, que proíbe experimentos com embriões humanos no laboratório após duas semanas de existência. Hyun diz que exceções devem ser permitidas sob certas condições cuidadosamente revisadas.

“Acho que deve ser feito caso a caso de forma incremental”, diz Hyun. “Não sou a favor de uma casa da mãe Joana completa. Acho que deve ser cuidadosamente pensado para casos excepcionais aqui e ali.”

Mas outros se preocupam em facilitar a regra dos 14 dias.

Isso poderia significar “poderíamos simplesmente continuar a cultivar esse tipo de humano em um tubo de ensaio e nem mesmo considerar o fato de que eles estão tão perto de serem humanos, certo?” afirma Kirstin Matthews , pesquisadora de política científica e tecnológica da Rice University. “Acho que assisto muita ficção científica, porque acho muito perturbador.”

Na verdade, uma equipe de cientistas do Instituto de Ciência Weizmann de Israel descobriu como fazer crescer embriões de camundongo fora do útero – um passo em direção à criação de um “útero artificial”, de acordo com um relatório publicado na quarta-feira na revista Nature. [NPR]

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

Deixe seu comentário!