Cientistas colocaram o cérebro de um verme em um robô e funcionou

Por , em 11.12.2017

Tem de “San Junipero”, um dos episódios mais aclamados da série “Black Mirror”, a imortalidade tecnológica, com o upload de cérebro em supercomputadores, é perseguida na ficção científica há muito tempo. Agora, porém, de acordo com a revista Smithsonian, cientistas conseguiram fazer algo muito próximo disso ao implantar com sucesso o cérebro de uma minhoca em um robô de peças de Lego.

Criadores da inteligência artificial não sabem por que ela toma suas decisões

Ainda que os avanços tecnológicos – e discussões éticas – necessários para realizar o mesmo em humanos ainda estejam muito distantes de nós, o feito dos pesquisadores é impressionante. Em 2014, um coletivo chamado OpenWorm mapeou todas as conexões entre os 302 neurônios do verme Caenorhabditis elegans e conseguiu fazer uma simulação em um software. O C. elegans é um pequeno nematódeo que foi extensivamente estudado na história e, como resultado, conhecemos todos os seus genes e sistema nervoso.

Este incrível robô espreme o coração dentro do corpo humano para manter o sangue circulando

O objetivo final do projeto é reproduzir completamente o ser vivo como um organismo virtual – e o implante do cérebro simulado no robô é o primeiro passo. O robô tem as mesmas partes que o verme: um sensor de sonar que atua como um nariz e motores que substituem os neurônios motores do verme em cada lado do seu corpo. Sem nenhuma instrução, o cérebro virtual do C. elegans controlou e moveu o robô.

Segundo Lucy Black, do portal I Programmer, os membros do OpenWorm afirmam que o robô se comportou de maneira semelhante aos C. elegans observados. “A estimulação do nariz parou o movimento para a frente. Ao tocar os sensores de toque anteriores e posteriores, o robô move-se para a frente e para trás de acordo [com o contato]. Estimular o sensor de alimentos fez com o que o robô avançasse”, escreve.

Empresa russa cria robôs autônomos que podem matar por conta própria

Um dos criadores do projeto, Timothy Busbice, postou em seu canal no YouTube um vídeo do robô se movendo usando apenas a simulação do cérebro do C. elegans:

A simulação ainda não é perfeita. Os pesquisadores precisaram, por exemplo, simplificar os processos que fazem com que um neurônio dispare. Mesmo assim, o robô pode se mover, parar antes de bater em algo e fazer a volta usando nada mais do que uma rede de conexões que imita o cérebro de um verme. [Smithsonian]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (26 votos, média: 4,85 de 5)

4 comentários

Deixe seu comentário!