Única dose de “cogumelos mágicos” altera a função cerebral até um mês depois

Por , em 24.01.2021
conexôes cerebrais cogumelos mágicos
A imagem mostra a diferença das conexões cerebrais uma semana (esquerda) e um mês a pós a administração da psilocibina

Novas pesquisas fornecem evidências de que o ingrediente ativo nos chamados cogumelos mágicos pode afetar processos cerebrais relacionados ao funcionamento emocional muito depois que a substância deixou o corpo. Os achados, publicados na revista científica Scientific Reports, lançaram uma nova luz sobre os efeitos a longo prazo da psilocibina.

Em vez de examinar o cérebro enquanto ele está sob a influência da psilocibina, os pesquisadores da Johns Hopkins University School of Medicine estavam interessados no impacto duradouro da substância, reporta o PsyPost.

“Quase todos os estudos de imagem [do uso de substâncias] psicodélicas foram realizados durante efeitos agudos de drogas psicodélicas. Embora os efeitos agudos dos psicodélicos no cérebro sejam, naturalmente, incrivelmente interessantes, os efeitos duradouros das drogas psicodélicas na função cerebral têm um grande valor inexplorado em nos ajudar a entender mais sobre o cérebro, efeitos e o tratamento de transtornos psiquiátricos”, disse Frederick S. Barrett (@FredBarrettPhD), professor assistente e autor correspondente do estudo.

Banner Cogumelos Mágicos

No estudo, 12 voluntários receberam uma única dose alta de psilocibina. Um dia antes, uma semana depois, e um mês após a administração da psilocibina, os voluntários completaram três tarefas diferentes para avaliar o processamento de informações emocionais (especificamente expressões faciais) enquanto os pesquisadores usavam ressonância magnética para registrar sua atividade cerebral. Durante essas três sessões, os voluntários também concluíram várias pesquisas sobre seu funcionamento emocional.

Os pesquisadores descobriram que o sofrimento emocional relatado foi reduzido uma semana após a administração da psilocibina, mas retornou aos níveis anteriores um mês após a administração da psilocibina. Barrett e seus colegas também observaram quedas nas respostas de amígdala à informação emocional uma semana após a administração da psilocibina, mas isso também voltou ao normal em um mês após a psilocibina.

Além disso, os pesquisadores encontraram aumentos na conectividade funcional de estado de repouso, que mede como os sinais dependentes do nível de oxigênio no sangue são coordenados em todo o cérebro, tanto em uma semana quanto um mês após a administração da psilocibina.

“Uma única dose alta de psilocibina, administrada a indivíduos devidamente rastreados em um ambiente cuidadosamente controlado, pode ter efeitos positivos duradouros sobre o funcionamento emocional em indivíduos saudáveis. Esses efeitos foram refletidos em mudanças transitórias na função de regiões cerebrais que apoiam o processamento emocional”, disse Barrett ao PsyPost.

Devido ao pequeno tamanho da amostra e à falta de um grupo controle, no entanto, as descobertas devem ser consideradas preliminares.

“Este estudo precisa ser replicado em uma amostra maior com controles experimentais adequados, e precisamos determinar se a psilocibina exerce os efeitos observados agindo diretamente em circuitos cerebrais emocionais, ou agindo em circuitos cerebrais que controlam a atenção e a cognição que podem ter efeitos de baixo fluxo em circuitos cerebrais emocionais”, explicou Barrett.

O estudo, “Emoções e função cerebral são alterados até um mês após uma única dose alta de psilocibina” (em tradução livre), foi de autoria de Frederick S. Barrett, Manoj K. Doss, Nathan D. Sepeda, James J. Pekar, e Roland R. Griffiths.

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

Deixe seu comentário!