Tratamento de enxaqueca com cogumelos mágicos levou a resultados promissores

Por , em 24.11.2020
Cogumelo Psilocybe cubensis
Cogumelo psicodélico Psilocybe cubensis. Crédito: pcubensisoficial/Instagrem

Um estudo exploratório inédito, liderado por pesquisadores da Yale School of Medicine, descobriu que uma única dose de psilocibina a substância psicodélica encontrada nos cogumelos P. cubensis pode reduzir a frequência da enxaqueca pela metade por ao menos duas semanas. O ensaio preliminar foi pequeno, com trabalho de acompanhamento necessário para validar os resultados, mas as descobertas promissoras sugerem grande potencial para psicodélicos no tratamento de enxaquecas e cefaléias em salvas.

Na década de 1960, durante o auge da primeira onda da ciência psicodélica, uma das áreas de pesquisa mais convincentes era o potencial de drogas como LSD e psilocibina para tratar dores de cabeça. Os estudos iniciais na época pareciam sugerir que drogas psicodélicas ativam os receptores 5-hidroxitriptamina 2A (5-HT2A) e poderiam reduzir significativamente a carga de dor de cabeça em pacientes com enxaqueca crônica.

Um novo estudo, publicado na revista Neurotherapeutics, foi o primeiro estudo duplo-cego, controlado por placebo e cruzado sobre os efeitos de uma dose moderada de psilocibina na frequência e gravidade da enxaqueca. A pesquisa é apenas preliminar e pequena, mas seus resultados são profundamente encorajadores.

Banner Cogumelos Mágicos

Dez pacientes com enxaqueca foram recrutados para o estudo. Cada voluntário completou duas sessões, uma com um placebo e outra com uma dose moderada de psilocibina. Diários de dor de cabeça foram usados ​​para monitorar a frequência e a gravidade da dor de cabeça nas duas semanas anteriores e posteriores a cada sessão experimental.

“Em comparação com o placebo, uma única administração de psilocibina reduziu a frequência da enxaqueca em cerca de metade ao longo das duas semanas medidas”, explica a autora correspondente no novo estudo Emmanuelle Schindler, em um e-mail ao New Atlas. “Além disso, quando os ataques de enxaqueca ocorreram nessas duas semanas, a intensidade da dor e o comprometimento funcional durante os ataques foram reduzidos em aproximadamente 30% cada.”

Talvez o achado mais intrigante deste pequeno estudo foi a falta de qualquer correlação entre a força subjetiva da experiência psicodélica e o efeito terapêutico. Testes anteriores usando psilocibina para tratar depressão ou vício sugeriram que a magnitude esmagadora de uma experiência psicodélica parece estar fundamentalmente ligada à sua eficácia terapêutica. Então, essencialmente, quanto mais poderosa for a experiência, melhor será o resultado.

Mas, inesperadamente, este ensaio de enxaqueca / psilocibina não detectou essa associação. Na verdade, os indivíduos que relataram as pontuações mais altas em uma escala de estado alterado de consciência relatado pelos próprios voluntários mostraram algumas das menos significativas reduções na carga da enxaqueca.

O que isso sugere de maneira intrigante é que, no caso da psilocibina para enxaqueca, pode ser possível separar os efeitos psicotrópicos da droga de seus efeitos terapêuticos. Isso poderia ser alcançado explorando microdoses, ou até mesmo investigando o mecanismo pelo qual a droga está ajudando a prevenir enxaquecas e encontrando uma nova maneira de alcançá-la farmacologicamente.

“Esta é definitivamente uma descoberta que estamos interessados ​​em explorar mais”, diz Schindler. “Se esses resultados forem confirmados como independentes, isso sugere que os efeitos supressores da enxaqueca não envolvem os mesmos sistemas que causam as mudanças agudas na sensação e percepção. A psilocibina tem algumas semelhanças químicas e farmacológicas com os medicamentos existentes para enxaqueca que não são psicodélicos, então planejamos investigar seu efeito terapêutico neste contexto.”

É importante entender as limitações dessas novas descobertas. Este é um pequeno estudo exploratório, projetado para descobrir sinais potenciais que são dignos de uma investigação mais robusta. O acompanhamento de duas semanas, por exemplo, não oferece nenhuma indicação quanto à eficácia em longo prazo desse tipo de terapia. Isso é algo que Schindler sugere que será estudado de perto em pesquisas futuras.

Avançando, Schindler é cauteloso para não exagerar as descobertas de sua equipe, mas ela diz que os resultados são empolgantes. Esta pesquisa não apenas oferece sinais de que os compostos psicodélicos podem ajudar significativamente aqueles que sofrem de enxaquecas debilitantes, mas o estudo oferece novos insights sobre as causas fisiológicas ainda inexplicadas dos distúrbios de dor de cabeça crônicos.

Muitas questões ainda precisam ser resolvidas antes que qualquer tipo de tratamento clínico possa surgir desta pesquisa, mas Schindler e seus colegas já estão trabalhando nas próximas etapas, com períodos de acompanhamento mais longos e maior foco nos efeitos de diferentes doses.

O novo estudo foi publicado na revista Neurotherapeutics.

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

Deixe seu comentário!