Tomar multivitamínicos pode causar câncer

Por , em 16.05.2010

Nos últimos tempos, as vitaminas antioxidantes têm sido vistas como os super-herois da saúde, mocinhos sempre prontos para combater os vilões do organismo, chamados radicais livres. Este discurso foi sendo repetido pelo senso comum da medicina popular ao longo da última década, até chegar ao ponto em que estamos, onde os consumidores o repetem sem saber o que significa.

Assim, as pessoas passaram a comprar, por preços salgados, concentrados dessas substâncias (em geral, os comprimidos de vitaminas), que são encontradas em alimentos naturais como frutas, legumes e cereais. Cientistas de um instituto de saúde de Los Angeles (EUA) descobriram que as pílulas concentradas de vitaminas C e E podem aumentar o risco de câncer.

Os radicais livres são produzidos naturalmente pelo corpo, mas são danosos aos nossos tecidos, o que acelera o envelhecimento. Como possuem vitaminas (antioxidantes), as frutas e verduras foram elevadas ao status de elixir da longa vida há algumas décadas, pois combatem a acumulação de radicais. Buscando aumentar o efeito, a indústria alimentícia passou a produzir comprimidos com as vitaminas puras. E tudo foi propagandeado como o mais eficaz combate ao envelhecimento.

Nos anos, 90, contudo, descobriu-se o primeiro efeito negativo das tais pílulas milagrosas: aumentam as chances de câncer no pulmão. Agora, outros males estão sendo revelados: as vitaminas C e E, em excesso, atrapalham no reparo do DNA, o que pode comprometer a síntese de substâncias vitais para o corpo.

Além disso, descobriu-se que os radicais livres não são de todo ruins. Eles são úteis para evitar justamente o problema que as pílulas vitamínicas proporcionam: o câncer. Os radicais livres inibem a eventual criação e crescimento de alguns tumores cancerígenos.

Eis o conselho dos médicos: não consumir esses multivitamínicos. O nível de vitaminas no corpo humano pode ser mantido no nível ideal com uma dieta normal de frutas e verduras. Mesmo exagerado, o consumo de vegetais não provoca os efeitos prejudiciais dos comprimidos. Em alguns casos, sem dúvida, o natural é o melhor. [Telegraph]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 1,00 de 5)

21 comentários

  • Daniel:

    As vitaminas são compostos orgânicos necessários à reparação dos tecidos, essenciais para reações metabólicas específicas no meio celular e vitais para o funcionamento dos órgãos.

    No entanto o excesso de algumas vitaminas podem ter consequencias graves para a saúde principalmente do figado… QUEM NÃO ACREDITA CONSULTE QUALQUER MÉDICO OU NUTRICIONISTA

    Muitas suplementos, de vitaminas e minerais, ultrapassam os 100% de diaria recomendada:

    ENTÃO AO CONBINAR VITAMINAS DE 100% DE DOSE COM A REFEIÇÕES NORMAIS VAMOS TER MAIS DE 100%.

    Então o meu conselho é tomar meio comprimido (partindo ao meio)ou então procurar um suplemento que só forneça 50% de vitaminas.

  • Rômell Krieger:

    Esta pesquisa é a maior farsa e não tem lógica.
    Se quiserem informações reais mesmo sobre uma alimentação 100% saudável e confiável, assistam os documentários Food Matters e The Gerson Miracle. Abraço!

    • Camila Sperb:

      “Cientistas de um Instituto de Los Angeles…” que cientistas? Que Instituto? O que são super doses? Será que eles conseguem ser mais vagos?

    • Cesar Grossmann:

      Aqui tem um artigo sobre o assunto. Não é o artigo original, mas tem nomes de pesquisadores, e links para publicações. Serve?

      https://www.sciencebasedmedicine.org/vitamins-and-cancer-risk/

  • Diogo:

    Concordo com o Espedito.

    Esse link apneas nos leva para um site que evidenciou a notícia.
    Se for possível, gostaria que pusesse o link da fonte primária, ou seja o artigo na íntegra. Pois do contrário pode apenas paracer sensacionalismo.

  • Hyago lucas:

    o meu remedio e por conta propria tomo complexo b sera q eu posso engordar? ou preciso de outro remediio

  • Elizabeth:

    Já tem muito tempo que os médicos recomendam não utilizar esses suplementos e comer frutas, verduras, legumes… mas as pessoas parecem achar mais prático engolir uma pílula.
    Esses suplementos só são indicados para quem tem uma grande carência de vitaminas e ainda assim, na quantidade indicada pelo médico.

    • Camila Sperb:

      Que médicos não recomendam? Que médicos pedem exames para ver quantidade de vitaminas? Que médicos perguntam oq vc come? a minha recomenda

  • Alexandre:

    Manter uma dieta balanceada me parece ser algo um pouco difícil de se atingir. Eu diria que o normal é termos uma dieta não balanceada, onde provavelmente vai faltar algum ingrediente. Por essa razão, não seria então recomendável a ingestão dos multivitamíncos, para compensar possíveis carências alimentares ?

  • Murilo Queiroz:

    No seu artigo você escreve “Eis o conselho dos médicos: não consumir esses multivitamínicos”, mas o autor da pesquisa, no artigo original, diz “Taking **one multivitamin a day is fine**, but a lot of people take way too much because they think if a little is good, a lot must be better”.

    Ou seja, UM comprimido de multivitamínico não faz mal, o problema é o exagero.

    • Carlos Ossola:

      Seu comentário bem revela como uma notícia pode ser desvirtuada pela má tradução ou interpretação do texto original. É preciso muita cautela com tudo que vem pela internet e o seu exemplo é gritante. Valeu, amigo.

  • EDU:

    O medicamento CENTRUM faz parte desses complexos vitaminicos?
    abraço!

  • Flavio Zaniz:

    Faltou falar a quantidade que seria considerado excesso? 2 ,3 4g de vitamina C

    • Camila Sperb:

      Muitas informações vagas, um Instituto qualquer, um cientista qualquer, um muito não quantificado.. assim não dá pra comparar com nada..

  • Cesar:

    Concordo, Catarina. E no caso de quem faz uma dieta pobre em carboidratos (Atkins, South Beach), consumir polivitamínicos é uma obrigação, já que as frutas estão fora da dieta, pelo menos na sua primeira parte.

  • Edu:

    Essa agora. As vitaminas em excesso causam câncer e os radicais livres o combatem…kkkkk

    O que fazer com as clínicas que lucraram milhões alardeando falsas informações para todo o planeta e agora descobre-se que estavam era fazendo mals pra saúde de todo mundo?

    Fica aí um aviso. Vamos nos alimentar bem e de forma balanceada. É mais barato e natural. Tudo o que é sintético não é bom pra saúde, a não ser pra quem tem problema de sáude e realmente precisa de suplementos.

    Abçs

  • Catarina:

    Meu pai viajou para a África este fim de semana, e antes de ir comprou vários suplementos e coisas do gênero, pois lá não há toda a variedade de frutas e verduras que nós temos aqui (lá, no máximo tem banana para comprar, que se vende por 1 dólar/unidade). Neste caso, melhor consumir isso do que ficar sem nada não?

    • Maria Lima:

      Estás muito mal informada Catarina e pelos vistos o teu pai também. Quem te disse que na África não a variedade de frutas que tem no Brasil? Sabias que há países na África que tem até Jaca? África tem de tudo meu bem, desde que seu pai tenha tido dinheiro para comprar com certeza ele não deve ter sentido falta de nada. E já agora para qual país do continente o seu pai foi? Sim porque África é um continente, não é um país. África é um continente com uma infinidade de países e eu tenho o maior orgulho de pertencer a um desses maravilhosos países (Cabo Verde) e posso te dizer que nunca precisei de tomar vitaminas porque menos jaca e morango de resto toda e qualquer fruta que compro no supermercado de Portugal encontro lá! Por isso minha filha informa-te melhor sobre o nosso continente porque vê-se mesmo que não sabes nada de lá!

  • Alan:

    Correção: páginas

  • Alan:

    Espedito, o nome do Instituto é: Cedars-Sinai Heart Institute
    Essa informação possui no LINK original que está localizado ao final do texto dessa forma: [Telegraph] é só clicar no link, porém a página está totalmente em inglês, caso não saiba inglês, utilize o tradutor do google para tradução de péginas.

  • Espedito:

    Esse “instituto de saúde” não teria um nome? Creio ser importante saber a credibilidade de quem realizou a pesquisa.

Deixe seu comentário!