Empresário não nasce, se torna bem sucedido – você também pode

Por , em 5.06.2011

Todo mundo já ouviu alguma vez a história do “jovem empreendedor”, que atingiu o sucesso super cedo, sem ter nenhuma experiência, abrindo seu próprio negócio logo de cara, etc. Mas uma nova pesquisa sugere que nem todos são como Mark Zuckerberg, o fundador do Facebook. Ou melhor, segundo o estudo, raramente esse é o caso.

Segundo os pesquisadores, os líderes empreendedores são definidos tanto por sua experiência empresarial precoce, fundo cultural e ambiente externo, quanto por alguma característica inata pessoal.

Nem sempre a questão é ter dom. Aprendizagem e treino, e não natureza, parecem ser mais importantes na formação da mentalidade empresarial.

A empresa Ernst & Young entrevistou 685 empresários. Eles fizeram perguntas mais profundas aos vencedores de prêmios de “Empreendedor do Ano”, com o objetivo de descobrir características comuns, frustrações e objetivos de carreira de alguns dos empresários mais bem sucedidos, líderes de mercado, do mundo.

Embora muitos dos empresários entrevistados tenham começado a carreira em tenra idade, quase metade (47%) não tinha seu próprio negócio até os 30 anos ou mais. E quase 60% se descreveram como “futuros empreendedores”, ou seja, pessoas que começaram em um ambiente corporativo alheio antes de ter seu próprio negócio.

A experiência como funcionário de uma empresa também foi a fonte mais importante de aprendizagem para um terço de todos os empresários. 30% creditaram o ensino superior para o aprendizado-chave da carreira e 26% disseram que vieram de mentores.

O levantamento também mostrou que o empreendedorismo é uma busca constante. 60% deles tinham começado três ou mais empresas, 20% seis ou mais e 10% disseram ter fundado mais de dez empresas.

Os empresários acreditam que as maiores barreiras para o sucesso empresarial são a falta de financiamento, seguido de falha em recrutar as pessoas certas com os conhecimentos certos para aprimorar seus negócios.

Embora a pesquisa sugira que ninguém nasce empresário, e sim se torna um, os resultados apontam para uma série de comportamentos e atitudes que eles normalmente compartilham, e que os distinguem de seus semelhantes em um ambiente corporativo.

Todos concordaram que as três qualidades mais importantes de um líder empresarial são visão, paixão e vontade. Características como flexibilidade, foco na qualidade e fidelidade ficaram muito atrás.

Os resultados mostram que a maioria dos empreendedores bem sucedidos compartilha uma combinação única de ver oportunidade onde os outros só veem risco. Quer se tornar um deles? Seja otimista e acredite que você pode ter sucesso, mesmo que todo mundo lhe diga o contrário.[LiveScience]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

7 comentários

  • aguiarubra:

    Essas pesquisas corroboram Napoleon Hill e suas obras(principalmente A LEI DO TRIUNFO).

    E há a questão da “sorte” nos negócios, tratado em O FATOR SORTE, de Max Gunther, que se apoia em obras como:

    – AS RAZÕES DA COINCIDENCIA, de Arthur Koestler
    – SINCRONICIDADE – Um princípio de conexões acausais, de C. G. Jung
    – OS TRÊS PRINCIPES DE SERENDIP, de Horace Walpole

    Na verdade, a tal “sorte nos negócios” depende muito de perseverança, inteligência e senso de observação. Como dizia Louis Pasteur: “O acaso só favorece a mente preparada”.

    Creio que THOMAS ALVA EDISON, NIKOLA TESLA e HENRY FORD (que não se deram bem com o ensino escolar!) experimentaram na prática esse conselho de Pasteur (um grande cientista, bem “azeitado” na Academia!)

    Mark Zuckerberg (filme: A REDE SOCIAL), Steve Jobs e Bill Gates (filme: PIRATAS DA INFORMÁTICA) são exemplos deploráveis, mas vivemos em tempos de empresas como ENRON (filme-documentário: ENRON – OS MAIS ESPERTOS DA SALA) que, generalizando ideias como apresentadas em O SEGREDO e apostando no conceito do EQUILIBRIO DE NASH (formulado por John Forbes Nash, retratado no filme – e livro – UMA MENTE BRILHANTE), acabaram por criar condições para a presente crise capitalista a ameaçar, mais uma vez, a vida das pessoas produtivas neste mundo.

    Por isso, não dá prá acreditar que a falta de ética nos negócios e o consequente “enriquecimento” de alguns seja prática necessária para alguém ser bem sucedido nos negócios (como parece estar sendo “vendida” ao público dos não-empresários, através da ideologia neo-liberal vigente)!

    Lendo “INTIMIDE PARA VENCER”, de Robert J. Ringer, entendi que é preciso saber se defender da malícia de muitos empresários do tipo “Zuckerberg”, isso sim!

    Obras como:
    – O PRINCIPE e A ARTE DA GUERRA, de Maquiavel
    – A ARTE DA GUERRA, deSun Tzu
    – DA GUERRA: A ARTE DA ESTRATÉGIA, de Carl von Clausewitz
    – BHAGAVAD GITA
    – TAO TE CHING

    ajudam a criar nos empresários honestos aquele tipo de cautela para com os seus “colegas de ofício”.

    Mesmo o evangelho aconselha:

    “…Sede, pois, prudentes como as serpentes, mas simples como as pombas…” (Mateus 10:16)

    Não é a toa que monges Shaolin são bons de briga, para não ter que matar ninguém (seriados: KUNG FU, que veicula práticas budistas e também taoistas que podem ser adaptadas ao empresariado).

  • Raissa:

    O exemplo de Bill Gates é tão ruim… que hoje ele é um dos caras mais ricos do mundo né gente!!
    Para se tornar um bom empresário, precisa ser honesto, ter um certo capital, confiar em Deus, e pensar em algo que dê produção com o menor tempo possível, e, principalmente: escolher os funcionários!!!

  • Guga:

    Não acredito nessas pesquisas de “como levantar uma empresas”. Nenhuma prioriza o ponto “sorte”. Uma empresa cresce muito quando seu propretário tem uma qualificação empreendedora, claro, só que o ponto mais importante é: desenvolver o produto na época certa e no local certo. Ou vocês acham que o Bill Gates iria dar certo se fosse lançar o Windows hoje????

  • Frank Oddermayer:

    Não é preciso ser um Alquimista para obter a fórmula do sucesso empresarial. O problema é por em prática essa fórmula.

    01) O amor ao Trabalho;
    02) A Responsabilidade;
    03) A Honestidade;
    04) O desejo pela Superação;
    05) O Respeito às leis e regulamentos;
    06) O Respeito pelos direitos dos demais cidadãos;
    07) O Esforço pela poupança e investimento;
    08) A Ética, como princípio básico;
    09) Inteligência Emocional (tratar bem o cliente)
    10) Inteligência Técnica (O Mercado é o Senhor)
    11) Planejamento.

    O exemplo de Mark Zuckerberg foi infeliz. Ele deu uma rasteira no seu sócio brasileiro no período de vacas magras, e deu outra rasteira em mais dois outros sócios americanos em períodos de vacas gordas. Péssimo exemplo!!

    • gargwlas:

      o pior exemplo do mercado é Mark Zuckeberg

      junto dele o Bill Gates (ascensão da mesma forma)

  • Ze da Feira:

    Resumo, tem que ser bom e dar sorte

  • eduardo:

    Ae pessoal do Hyper, vcs andam vendo muitos livros de auto-ajuda, hein…… kkkkkkk….. brincadeira….

    A pesquisa está correta em dizer q não se trata de um dom… mas faltou uma coisa muito importante a dizer: o empresário de sucesso só o consegue pq sabe investir… pq sabe planejar… e não há como investir e planejar sem dinheiro…
    É raríssimo pessoas q conseguem se dar bem no mercado sem um tostão no bolso… estas até viram matéria no “Pequenas Empresas, Grandes Negócios”…

Deixe seu comentário!