Energia nuclear: solução ou ideia infeliz?

Por , em 24.03.2011

Chernobyl é o maior exemplo. O medo de colapsos nas instalações nucleares do Japão após o recente grande terremoto pode se tornar o segundo exemplo.

A energia nuclear vale o risco?

O debate sobre a energia atômica reacendeu nos últimos dias. Grupos ambientais defendem que ela não seja mais usada. A questão que fica é: por que construir usinas nucleares, quando existem tantas outras fontes de geração de energia? Será que seus riscos valem à pena?

Por que usar a fonte mais lenta, mais cara, mais inflexível e mais arriscada em termos financeiros? Seus defensores, entretanto, insistem que a energia nuclear gera a menor taxa de carbono, que os novos reatores são perfeitamente seguros, e que produz uma energia sustentável a um custo competitivo com outros métodos.

Segundo especialistas, um desastre japonês na escala do acidente nuclear de Chernobyl é altamente improvável, porque os reatores em jogo são construídos a um nível muito mais elevado e tem medidas de segurança muito mais rigorosas.

Eles insistem que os modelos mais recentes de reatores nucleares têm sistemas de refrigeração passiva, e que mesmo em face de qualquer desastre, não apresentam qualquer perigo para a população.

Os acidentes nucleares que já ocorreram até agora, contudo, acabaram diminuindo a expansão dessa tecnologia. Mas seus defensores alertam que a percepção pública da indústria nuclear tem que ser balanceada à necessidade imperiosa de reduzir a dependência do petróleo, gás e carvão, por causa das emissões de dióxido de carbono que eles produzem.

Eles acreditam que a única maneira de bastante energia ser produzida de forma sustentável para atender a crescente demanda global é a energia nuclear. O urânio, utilizado na produção de energia nuclear, tem a vantagem de ser uma fonte altamente concentrada de energia, facilmente transportável e barata, e que precisa de quantidades bem menores do que o carvão ou petróleo.

Além disso, a energia nuclear é considerada pelos seus defensores como uma alternativa limpa à exploração cara de petróleo e gás, confrontadas com a diminuição das reservas.

No entanto, isso não é uma opinião compartilhada por todos. Alguns cientistas acreditam que a energia nuclear depende de eventos aleatórios climáticos mais do que a mudança climática precisa da energia nuclear.

Ativistas anti-nucleares dizem que a crise no Japão é um lembrete dos perigos da energia atômica, principalmente em uma região conhecida pela sua atividade sísmica. Eles defendem o uso de sistemas alternativos para atender a demanda mundial de energia, sendo os mais populares a energia solar, a biomassa, a hidráulica e as turbinas eólicas. Todos os sistemas têm os seus inconvenientes, seja o custo de instalação, a transformação de terras agrícolas, etc.

Enquanto isso, os defensores da energia nuclear afirmam que seu único inconveniente é o dinheiro necessário para montar uma usina que, uma vez executada, o preço real por quilowatt de energia produzida é mais barato que outros métodos, e os custos de funcionamento são mínimos.

Porém, existem outros tipos de custo em jogo. Governos, empresas e indivíduos têm que decidir sobre o equilíbrio entre as preocupações ambientais e o preço que estão dispostos a pagar pela energia e pelos seus riscos. A crise no Japão certamente tem perturbado esse equilíbrio para muitos. [BBC]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 3,67 de 5)

59 comentários

  • MÓÓÓARCOS:

    FICOU ÓTIMO MT BOM.

    APESAR D Q EU N LI
    =D KK’

  • Missao Tanizaki:

    CEGOS e/ou NÃO–ÉTICOS ? ? ? ? ?

    Prezados Cidadãos Brasileiros & Interessados pelo AGUAPÉ,

    A Sociedade Brasileira está excessivamente afetada pela CEGUEIRA e/ou Postura NÃO–ÉTICA, pois não tem LEMBRADO o que a NATUREZA nos deixou – O AGUAPÉ: ELE propicia à Muitos Milhões de Cidadãos Brasileiros a possibilidade de PARTICIPAREM da Luta NOBRE no Combate ou Redução Drástica das POLUIÇÕES das ÁGUAS, em todo Território Brasileiro, que é o Aspecto CRÍTICO para a Correta Preservação do Meio–Ambiente & Biodiversidade.

    Ao realizar Busca com a Palavra Chave (“Perspectivas da Demanda Mundial sobre a Biomassa para Geração de Energia Limpa”Comentário) percebe–se que não há Espaço do Leitor ou Internauta para apresentação de seus Comentários: será PROPOSITAL / NÃO–ÉTICO ? ? ? ? ?

    Encontramos somente uma Página WEB para inserir os nossos Comentários: Vide através do link que segue.

    http://mundodacana.blogspot.com/2010/08/perspectivas-da-demanda-mundial-sobre.html

    Para que a Produção & Industrialização do AGUAPÉ venha ocorrer, em Grande Escala, as Autoridades Brasileiras precisam, simplesmente, Implementar Muitos Milhares de Pequenos Açudes e/ou Pequenas Barragens, com já foi realizado, no passado, no Semi–Árido Nordestino e o que o Governo do Rio Grande do Sul, vem realizando nos últimos tempos, visando precaver Problemas ESTIAGENS – Caso os Governantes & Políticos do NORDESTE atuarem nesse sentido, essa Região poderá se tornar no Mais Importante Celeiro de Produção Agropecuária, pois facilmente poderemos Implementar Chuvas Artificiais do Pesquisador / Engenheiro Takeshi IMAI, bastando um pouco de Vontade Política – ÉTICA.

    NOTA: “Quando Sonhamos SOZINHOS é só um SONHO, mas quando Sonhamos JUNTOS é o início de uma Nova Realidade” (D. Helder Câmara) – apresente as suas MANIFESTAÇÕES (Críticas, Sugestões, ETC.), utilizando o Endereço Eletrônico: missao.tanizaki@gmail.com, certo que muitos na Sociedade Brasileira, inclusive a Equipe BR do A G U A P É, te agradeçerão.

    LEMBRETE: um dia nos APOSENTAMOS dos Trabalhos que garantem o Pão Nosso de Cada Dia, mas muitos Trabalhos Nobres estão aguardando por nossa AJUDA – Desenvolver os referidos Trabalhos Nobres faz parte dos Nossos DEVERES / OBRIGAÇÕES NOBRES e são BÁSICOS para nos manter FELIZ no Dia a Dia ! ! ! ! ! !

    Um Abraço Fraterno aos Interessados pelo A G U A P É,

    MISSAO TANIZAKI
    Servidor Público Federal
    Bacharel em Química
    missao.tanizaki@gmail.com (Usual)
    missaotanizaki@yahoo.com.br (Alternativo)
    OSCIPE (*) – Equipe BR do A G U A P É
    TUDO POR UM BRASIL & MUNDO MELHOR

    (*) REF.: Definições do SEBRAE

  • Ezio Jose:

    Vantagens e desvantagens da energia solar

    Vantagens

    A energia solar não polui durante seu uso. A poluição decorrente da fabricação dos equipamentos necessários para a construção dos painéis solares é totalmente controlável utilizando as formas de controles existentes atualmente.

    As centrais necessitam de manutenção mínima.

    Os painéis solares são a cada dia mais potentes ao mesmo tempo que seu custo vem decaindo. Isso torna cada vez mais a energia solar uma solução economicamente viável.
    A energia solar é excelente em lugares remotos ou de difícil acesso, pois sua instalação em pequena escala não obriga a enormes investimentos em linhas de transmissão.

    Em países tropicais, como o Brasil, a utilização da energia solar é viável em praticamente todo o território, e, em locais longe dos centros de produção energética, sua utilização ajuda a diminuir a demanda energética nestes e consequentemente a perda de energia que ocorreria na transmissão.

    Desvantagens

    Um painel solar consome uma quantidade enorme de energia para ser fabricado. A energia para a fabricação de um painel solar pode ser maior do que a energia gerada por ele.

    Os preços são muito elevados em relação aos outros meios de energia.

    Existe variação nas quantidades produzidas de acordo com a situação atmosférica (chuvas, neve), além de que durante a noite não existe produção alguma, o que obriga a que existam meios de armazenamento da energia produzida durante o dia em locais onde os painéis solares não estejam ligados à rede de transmissão de energia.

    Locais em latitudes médias e altas (Ex: Finlândia, Islândia, Nova Zelândia e Sul da Argentina e Chile) sofrem quedas bruscas de produção durante os meses de inverno devido à menor disponibilidade diária de energia solar. Locais com frequente cobertura de nuvens (Curitiba, Londres), tendem a ter variações diárias de produção de acordo com o grau de nebulosidade.

    As formas de armazenamento da energia solar são pouco eficientes quando comparadas, por exemplo, aos combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás), a energia hidroelétrica (água) e a biomassa (bagaço da cana ou bagaço da laranja).

    À semelhança de outros países do mundo, em Portugal desde Abril de 2008 um particular pode produzir e vender energia elétrica à rede elétrica nacional, desde que produzida a partir de fontes renováveis. Um sistema de microprodução ocupa cerca de 30 metros quadrados e permite ao particular receber perto de 4 mil euros/ano.

    Energia solar no mundo

    Usina solar PS10, na Espanha.
    Em 2004 a capacidade instalada mundial de energia solar era de 2,6 GW, cerca de 18% da capacidade instalada de Itaipu. Os principais países produtores, curiosamente, estão situados em latitudes médias e altas. O maior produtor mundial era o Japão (com 1,13 GW instalados), seguido da Alemanha (com 794 MWp) e Estados Unidos (365 MW)

    Entrou em funcionamento em 27 de Março de 2007 a Central Solar Fotovoltaica de Serpa (CSFS), a maior unidade do gênero do Mundo. Fica situada na freguesia de Brinches, Alentejo, Portugal, numa das áreas de maior exposição solar da Europa. Tem capacidade instalada de 11 MW, suficiente para abastecer cerca de oito mil habitações.

    Entretanto está projetada e já em fase de construção outra central com cerca de seis vezes a capacidade de produção desta, também no Alentejo, em Amareleja, concelho de Moura.

    Muito mais ambicioso é o projeto australiano de uma central de 154 MW, capaz de satisfazer o consumo de 45 000 casas. Esta se situará em Victoria e prevê-se que entre em funcionamento em 2013, com o primeiro estágio pronto em 2010. A redução de emissão de gases de estufa conseguida por esta fonte de energia limpa será de 400 000 toneladas por ano.

    Evolução da energia solar fotovoltaica
    A primeira geração fotovoltaica consiste numa camada única e de grande superfície p-n díodo de junção, capaz de gerar energia elétrica utilizável a partir de fontes de luz com os comprimentos de onda da luz solar. Estas células são normalmente feitas utilizando placas de silício. A primeira geração de células constituem a tecnologia dominante na sua produção comercial, representando mais de 86% do mercado.

    A segunda geração de materiais fotovoltaicos está baseada no uso de películas finas de depósitos de semicondutores. A vantagem de utilizar estas películas é a de reduzir a quantidade de materiais necessários para as produzir, bem como de custos. Atualmente (2006), existem diferentes tecnologias e materiais semicondutores em investigação ou em produção de massa, como o silício amorfo, silício poli-cristalino ou micro-cristalino, telúrico de cádmio, copper indium selenide/sulfide. Tipicamente, as eficiências das células solares de películas são baixas quando comparadas com as de silício compacto, mas os custos de manufatura são também mais baixos, pelo que se pode atingir um preço mais reduzido por watt. Outra vantagem da reduzida massa é o menor suporte que é necessário quando se colocam os painéis nos telhados e permite arrumá-los e dispô-los em materiais flexíveis, como os têxteis.

    A terceira geração fotovoltaica é muito diferente das duas anteriores, definida por utilizar semicondutores que dependam da junção p-n para separar partículas carregadas por fotogestão. Estes novos dispositivos incluem células fotoelectroquímicas e células de nanocristais.

  • Debora:

    Gente, o Japão é um país pequeno que não possui condições geográficas e climáticas favoravéis à construção de hidrelétricas e outras opções de energia limpa. a usina nuclear é uma delas, gera muito energia e é relativamente barata, além de não emitir CO2, o que contribuiria para o aquecimento global do planeta. A usina de fukushima era velha e os reatores estavam sem manutenção, um deputado japones, inclusive, antes do terremoto, tinha proposto a manutenção da usina, porém nada foi feito. Hoje existem reatores como o fast-breeder que consome quase todo o combústivel( plutônio e urânio), reduzindo a quantidade de lixo radioativo, além de possuir tecnologias muito mais seguras e atuais.

    • serico115:

      Débora: respeito sua postura e modo de ver as coisas pelo seu prisma. A energia atómica, foi algo de tão maravilhoso quanto de sinistro. Antes o seu lado mais negativo surgia quando se pensava, e ainda pensa, na sua utilização para fins destrutivos. Porém agora verificamos que mesmo em sua utilização com fins de utilidade, acaba por constituir uma ameaça terrível. Claro que tem de existir uma segurança eficaz, mas que nunca pode ser considerada total. Ainda que a percentagem de risco seja ínfima, ela existe, e quando acontece é o que estamos a constatar nos dois últimos casos recentes. Existem afinal tantas fontes alternativas… Pena que o que se investe na construção dessas usinas não seja utilizado em alternativas tendo em vista o desaparecimento dos perigos nucleares, ainda que menos rentáveis talvez, mas possível sempre o seu aperfeiçoamento de modo a que essa energia seja apenas aplicada em condições e quantidades que permitam a segurança necessária. Não é minha intenção censurá-la mas tão somente alertar sua atenção para um enfoque diferente. Minhas saudações.

    • Ezio Jose:

      Você foi feliz em seu comentário. Parabéns! O mundo precisa urgentemente de pessoas assim que sabe ver as coisas de um ângulo positivo e racional.

    • serico115:

      Olá EZIO!
      Obrigado pela referência, mas se alguém que merece ser felicitado é mesmo o EZIO. Vejo com prazer que é uma pessoa com aprofundados conhecimentos sobre este tema, e o que para aqui traz, acho extremamente útil. É com pessoas conhecedoras e bem abalizadas que se pode ir conseguindo um esclarecimento cada vez mais aprofundado e se formularem opiniões válidas que possam contribuir para uma maior sensibilização para estas questões que têm uma enorme dimensão e o seu descuramento pode levar este planeta para situações irreversíveis. Estou-lhe grato em nome até de quantos se preocupam com a qualidade das condições de vida neste nosso ínfimo habitáculo, se aferido em sua relação com o Universo.

  • Amon:

    idéia infeliz! acha um comentário radicalista? a questão é simples: tudo que foi feito pelo homem falhou, falha e vai falhar em algum momento, não existe sistema perfeito, não importa o quanto avançado os seres humanos se tornem, os próprios são falhos e tendenciosos ao erro, e como todas essas tecnologias que já são sucetíveis a falhas são manipuladas por seres mais falhos ainda, os humanos são a própria entropia, talvez a principal que contribui para o mal funcionamento de qualquer coisa, mesmo que a catástrofe tenha sido por causas naturais, ainda sim isso já é fruto da incapacidade do ser humano e da sua natureza falha, afinal ele não poderia prever que um país que fica no círculo de fogo do pacífico não estaria sujeito um dia a um maremoto ou tsuname que poderia arasá-lo? não é uma questão de se vai acontecer ou não, e sim quando vai acontecer! “mas os japoneses não tinham escolha!”, será? e o risco vale apena? aliáz a palavra risco não pode ser utilizada quanto a isso, uma vez que é inevitável, afinal isso iria acontecer a qualquer momento, já que tudo falha.

  • Fausto:

    PredadorXD

    A gente tem é que investir pesado nas formas de geração de energia como a solar, eólica, ou até novas que são poucos conhecidas do público em geral como fotossíntese artificial por exemplo. Se hoje não há possibilidade de suprir a demanda mundial com esses meios, é porque não há pesquisa suficiente, e se não há pesquisa suficiente é porquê há interesses de alguns setores em manter a queima de combustíveis fósseis e em disfarçar pesquisas com fins militares, dizendo que as usinas nucleares são o único meio de se gerar energia limpa o suficiente hoje em dia e preservar a natureza. Não nos deixemos ser enganados, nós seres humanos, podemos SIM suprir toda a nossa demanda de energia com meios sustentáveis e seguros, basta querer.
    Temos que continuar falando que NÃO queremos a energia nuclear e que NÃO queremos a queima de combustíveis fósseis. Uma hora alguém vai ver que pode ser lucrativo investir em pesquisa de novas formas de geração de energia, falo em ser lucrativo pois afinal hoje em dia ainda vivemos em uma sociedade que é movida pelo dinheiro, e se isso não pode ser mudado de uma hora para outra, podemos começar diminuindo os danos gerados por essa irracional forma de gerir o uso dos recursos naturais.

    • Ezio Jose:

      Existem vários modos de conseguir energia mais limpos, porém os custos não compensam e quem paga tudo são os das camadas mais baixa da sociedade. O mundo está acabando-se em fomes e a produção e industrialização de alimentos não supre a demanda. O povo não para de fazer filhos e a massa populacional tende a crescer cada vez mais e isto está os meios para os fins.
      Li, outro tempo atrás, um manifesto dos ecologistas contra as hélices dos geradores de energia eólica que estava matando as aves que acidentavam-se nelas. Sempre haverá um fio de cabelo na macaronada. Não adianta!

    • serico115:

      EZIO; respeito seu enfoque para o assunto, mas por o problema nesses termos, perdoe que lhe diga, mas não é lá muito racional. Eu, sou dos que acha que os ecologistas pegam por tudo e por nada, o caso dos passarinhos na élices mostra, mas veja a proporcionalidade das situações!!!
      Mas mais curioso quando fala no aumento da população. Veja onde ela é mais notória. No caso de África para se produzirem alimentos a componente energética tem um valor muito relativo. Mas se for avaliada a capacidade térmica e solar, é possível serem auto suficientes sem necessidade de utilização de fontes tão perigosas, já para nem entrar na energia que pode ser obtida no mar… Acho mais que é uma questão de se irem alterando as mentalidades e a forma de pensar… Meus cumprimentos.

  • PredadorXD:

    Galera, se um terremoto daqueles acontecesse no Brasil, a nossa querida, limpa, segura, ecologicamente correta usina de ITAIPU haveria rompido e matado muito mais pessoas do que no Japão. Hoje, não existem meios para alimentar uma cidade com apenas energia solar, das marés(essa é ridícula, pois só existe no mundo das idéias), ou eólica.
    Hoje, a forma mais barata, limpa e sustentável é a energia nuclear. Não temos como fugir disso, precisamos mesmo é investir pesando em pesquisa para melhorar o processo, domina-lo completamente, não fugir com o rabo entre as pernas por causa de um e outro incidente.

  • claudemir da silva:

    eu prefico outros meios de energia pq mais tardes pode da muita dor de cabeça na hora que acontecer um acidente

  • Mario:

    sabe qual a preocupação dos ambientalistas? é com o saquinho de supermercado. ki besteira.

  • ZEUS:

    HIROSHIMA,NAGASAQUI,FUKUSHIMA…césio137,plutonio…e outros ‘progressos’…Olhem os resultados.Cancer,deformações genéticas,envenenamento total do planeta etc.etc.,mas o preço do kilowat encobre tudo isso…OU tão pensando que só usam energia nuclear pra produzir eletricidade???Fazem armas de destruição em massa também(que novidade)!!!

  • dilton figueiredo de mendonça:

    vamos retirar energia do mar, que não para de bater nas pedras 24 horas sem parar.

  • maria donizetti tabanez ribeiro:

    Olá! Se o japão não teêm rios para construir usinas hidraulicas,procurem outras formas;eólica solar etc…..Eles são tão inteligentes possuem uma tecnologia avançada porque insistiram na nuclear que pode comprometer a vida de todo planeta.Vamos lá irmãos japoneses botem a cuca para funcionar.

  • tov:

    Ainda bem que quedas de materiais vindos do espaço são raros pois imagine um minusculo meteoro caindo num país destes com grande quantidade de usinas nucleares proximas umas das outras(França, ex.), só a onda de choque destroçaria todas elas, sem chance de resfriamento, e alguem sabe o que acontece numa explosão de uma usina nuclear dessa sem nenhum controle?

  • Ze da Feira:

    Todos querem voltar para a natureza, mas ninguem quer ir a pé.

  • serico115:

    CÉSAR, você faz dissertação baseando-se na quantidade de centrais nucleares existentes. Não ponho em causa essa parte. Já quanto ao ver a situação com esse optimismo, isso é que acho impossível. Todas essas centrais que refere não deram problemas??? Não temos dados que nos possam deixar seguros de que assim é. Mas veja que nas duas que os deram, eles têm uma dimensão enorme que ultrapassa tudo o que possa ser posto em foco com essa sua visão. O Sr. não sei se tem acesso a informação mais restrita. Mas sei de fonte bastante credível que os efeitos de “Chernobil” estão altamente patentes aqui em Portugal. E não precisa fazer grande esforço para o notar. Avalie a taxa de doenças cancerosas existentes antes do acidente e as que estão sendo verificadas depois disso. Pela minha parte, em minha casa, com 3 pessoas, actualmente já só duas porque uma faleceu, todos fomos atingidos por essa terrível doença. Acha normal??? Se um dia lhe chegar pela porta, talvez altere seu prisma de ver as coisas…. Até lá pode, quem sabe, continuar a defender essa terrível forma de nos aniquilar…

    • Jorginho:

      Serico115, ao menos nisso concordo contigo.
      Não vale o risco e caso seja necessário e, não tendo outra alternativa; o caminho seguro é usar limitar seu uso de energia.
      Uma forma simples e válida de exemplo é:
      Ao invés de ligar 3 lâmpadas, use uma! Países com o mesmo problema, o idéal é que eles exportem tecnologias sem fazer uso de alta demanda energética. Podem vender ou instalar suas idéias em outras localidades.
      Bem, essa é minha simples opinião.

    • serico115:

      Olá Jorginho!!!
      Parece que por aqui nos identificamos!!!
      Ainda bem, pois nesta temática as coisas têm de ser ponderadas com muito realismo, e, após os incidentes que já aconteceram, querer emanar a ideia de que energia atómica tem suas vantagens, acho de uma incoerência total.
      Mas tudo tem seus seguidores…
      Felizmente que por aqui até somos livres de poder expressar o que pensamos.
      Tudo de bom para si… e veja como ver as coisas por um prisma equilibrado, coerente e com reais fundamentos, merece sempre a credibilidade de quem equilibradamente analisa as situações…

    • Jorginho:

      Grato Serico.
      Ao menos por aqui concordamos em algo.
      Em parte todos temos razão e outras não.
      Abraço.

  • Rodrigo Paim:

    ” O problema maior da energia nuclear ainda é o resíduo radioativo. Fora isto, é o melhor sistema que temos para produzir energia, e o acidente no Japão é prova da sua segurança: o Japão usa energia nuclear faz quarenta anos, e foi preciso o segundo maior terremoto da história recente para causar um acidente. Alemanha, França, Inglaterra e vários outros países operam dezenas de usinas nucleares, com zero acidentes. ZERO.
    Sobre a energia hidrelétrica, o lago de captação tem outro problema: o apodrecimento das árvores enterradas no lago causa a produção de gases de efeito estufa, o metano sendo o mais abundante. A mudança do regime de águas também causa extinção de peixes, muda o habitat deles, e mais um monte de inconvenientes sociais, além de ambientais (imagina deslocar um bando de gente por que o “sertão vai virar mar”). ” – Cesar.
    ____________________________________________________________

    Concordo com você Cesar, e tem mais, para nos livramos da dependência de energia nuclear seria necessário 24 usinas do mesmo porte de Itaipu, e não se tem mais tantas bacias hidrográficas disponíveis, as mais importantes já estão sendo utilizadas.

    A energia nuclear não é uma opção, é uma necessidade.

    E a situação no Japão poderia ter sido evitada se tivessem trocados os reatores por reatores mais novos e/ou colocados os geradores de emergência em um local mais altos

  • Junior:

    Sugiro aos internautas a leitura de “A vingança de Gaia” de James Lovelock.
    Abraços

  • Ozirlei:

    Me desculpe, mas para uma publicação “cientifica” esperava um pouco mais de embasamento. O processo de geração de energia em si é limpo (claro, se não ocorrer nenhum problema, afinal uma usina nuclear é como um paciente dependente de aparelhos para viver). Mas a retirada do Uranio não é (dizem as mas linguas que a mineração emite tanto carbono qto uma termoeletrica a carvão) e pior, os residuos gerados são numerosos e precisam ser armazenados e cuidados durante centenas de anos (e aqui é que custa caro)… imagine daqui 500 anos… o mundo terá q alugar um país inteiro só para colocar o residuo radioativo.
    Enfim, é algo que se mostra fragil, como um copo de vidro… dizem que se vc usar com cuidado não quebrará, e você usará durante anos. Mas estranhamente nós humanos quebramos pelo menos um por ano. Não dá pra confiar em algo que precise de um cuidado intenso, diario e que se quebrar, vai voar lixo por toda parte, e se não te contaminar de perto, vai te contaminar com as coisas q vc mais precisa: Agua e comida. Sem energia todo mundo vive, sem essas coisas não.

  • Cesar:

    O problema maior da energia nuclear ainda é o resíduo radioativo. Fora isto, é o melhor sistema que temos para produzir energia, e o acidente no Japão é prova da sua segurança: o Japão usa energia nuclear faz quarenta anos, e foi preciso o segundo maior terremoto da história recente para causar um acidente. Alemanha, França, Inglaterra e vários outros países operam dezenas de usinas nucleares, com zero acidentes. ZERO.

    Sobre a energia hidrelétrica, o lago de captação tem outro problema: o apodrecimento das árvores enterradas no lago causa a produção de gases de efeito estufa, o metano sendo o mais abundante. A mudança do regime de águas também causa extinção de peixes, muda o habitat deles, e mais um monte de inconvenientes sociais, além de ambientais (imagina deslocar um bando de gente por que o “sertão vai virar mar”).

  • serico115:

    Obrigado ao gerente do SITE por voltar a por visível meus comentários.
    Só não entendo porque continuam com a faixa amarela de aguardando moderação. Gostava ser informado…

  • Fausto:

    Enquanto o homem der mais valor para um pedaço de papel (que hoje e dia nem papel é mais, não passa de um número em um computador) do que para os recursos naturais, vamos ficar nessa discussão besta de qual forma de energia “custa” mais, qual tem mais vantagens e desvantagens, etc.
    Será que vocês não enxergam?! É simples: Precisamos pesquisar formas de gerar energia eficientes que não destruam a natureza como a queima de combustíveis fósseis nem sejam tão perigosas quanto a energia nuclear. Para isso precisamos mudar nosso modo de pensar. Nós temos todos os recursos que a natureza nos deu e um cérebro incrível. Dizer que não podemos fazer por causa do dinheiro é o cúmulo da autolimitação.

  • Ze da Feira:

    Faz o seguinte, os ecochatos que são contra as energias politicamente “incorretas” (nuclear , petroleo , etc), comprem um catavento e coloquem encima de suas casas e forrem seus telhados de celulas solares. Alem de não ser sufuciente sabe o que vai acontecer ? a quantidade de recursos consumidos para produzirem estas parafernalias poluiria umas 10 vezes mais.

  • Sr. Burns:

    O Homer Simpson era encarregado em Chernobiu, e estava em Fukushima no dia do terremoto. Coincidência?

  • Espectro:

    Marte, se a energia solar é tão boa assim, porque você ainda compra eletricidade? Não percebeu ainda que a energia solar não é suficiente nem para aquecer a água? (para quem não sabe, os aquecedores residenciais dependem de um motor elétrico que fica reciclando a água nos painéis solares) Não sou contra a energia solar, mas nossa tecnologia ainda não permite utilizar esta energia em larga escala, assim como a eólica, que é muito restrita, pois não venta tanto assim no planeta como você imagina.

  • Carlos Machado:

    O povinho ignorante hein. Como diz um amigo logo ali, acidentes de carro são infinitas vezes mais perigosos que uma usina nuclear, com a usina nuclear não precisamos destruir terrenos imensos com a construção de hidrelétricas, o custo/beneficio da Energia nuclear é o melhor dentre todas as fontes de energia, entre outras infinita coisas.
    Lembrem-se a usina de Chernobyl só aconteceu aquele desastre porque os operadores desligaram o sistema de segurança na madrugada para testar um outro sistema, e dai ocorreu a falha, a usina do Japão foi por causa do terremoto, concluindo, a cada 2 décadas e meia acontece um “acidente Nuclear”(e por causa dos fatores da natureza!) é só pensarem e raciocinarem, bando de desinformados!

  • Marte:

    Meu nobre Espectro:
    Não precisamos criar novas tecnologias para gerar energia. Elas já foram criadas pela mãe natureza.
    É verdade que nós, brasileiros, somos abençoados por uma imensa riqueza hídrica. Mas outros países que não têm essa fartura podem se beneficiar, por exemplo, da energia solar que é inesgotável. E da energia das marés. E em que lugar do mundo não venta?
    A energia nuclear pode ter uma série de “vantagens”, mas ela mata. E de uma maneira horrível.

  • Gl.Cves:

    Ninguém falou dos dejetos atômicos que resultam de uma usina atômica! Ninguém está mencionando também que o uso da energia nuclear resulta em desenvolvimento de tecnologia de guerra. estou falando de armas nucleares! ou vcs acham q os engenheiros só pesquisam como iluminar sua casa com energia nuclear??????? Se for só isso eles são muito bonzinhos conosco! O_o

  • Espectro:

    Marte,

    Das alternativas citadas, somente a hidraulica consegue atender à demanda de energia. O problema é que nem todos os países tem a sorte que o Brasil tem. Um efeito negativo deste tipo de solução é a destruição de milhares de quilômetros quadrados de vegetação e vida animal na criação das represas.
    Em grande parte do planeta, o fechamento de uma usina nuclear implica em ativação de uma usina de carvão, muito mais danosa ao meio-ambiente.
    Na prática, o lixo nuclear polui menos do que o lixo comum produzido pelas indústrias e residências porque o primeiro possui um rigoroso controle de destinação e gerenciamento enquanto que o segundo encontra-se em qualquer lugar e, embora legalmente devesse, não é bem gerenciado.
    O principal argumento da corrente contra a energia nuclear é justamente o perigo de que acidentes como esses do Japão e Chernobyl, voltem a acontecer.
    Mas se deixassemos de usar alguma tecnologia por causa dos acidentes, então não teríamos automóveis, motocicletas, aviões, etc… O que precisamos é criar tecnologias que diminuam o risco dos acidentes.

  • Ezio José:

    No Clear! Yes.
    No escurinho do cinema
    Chupando drops de anis
    Longe de qualquer problema
    Perto de um final feliz

    Mas de repente a luz apagou
    Na floresta o fogo pegou
    Rebentem a hidroelétrica… hurra
    Que cena, que cena, que cena…

  • José Costa:

    Porque razão será que meus comentários não são publicados???
    Incomodam, ou será que também aqui existe censura para quem não partilha os ideais dos editorialistas????? Ou dos comentaristas?????
    Estranho que até minha entrada deixou de aparecer….. e eu a pensar que era um local onde se podiam exprimir livremente opiniões… Pelos vistos estou enganado…..

  • Marte:

    Energia solar, hidráulica e eólica resolvem o problema de energia e não criam lixo danoso. Não existe argumento melhor.

  • Marte:

    NUCLEAR: NÃO!!!

  • Ezio José:

    Casamento é que nem energia atômica. Pode dar certo ou não. Os navios afundam em acidentes; Titanic afundou! Caem aviões constantemente; os carros são os maiores responsáveis por mortes em todo noso planeta. Bom… Devemos banir do nosso uso os navios, aviões, carros e etc.
    Um considerável número de imbecís não querem a energia atômica, protestam contra a construção as hidroétricas, criticam a energia eólica, querem energia solar nos lugares onde o sol aparece pouco, mas não deixam de usar os meios mais modernos que dependem de energias e muita energias.

  • Ezio José:

    Certamente os brasileiros não estão preocupados com dinheiro. Saem daquí para trabarem de graça no Japão ou em troca de alguns pratos de legumes e folhas com sashimi.

  • Luciene Senne:

    Os japoneses estão se preocupando muito c o dinheiro e esquecendo q é a saúde de milhões e milhões de pessoas q está em risco. Preferem o dinheiro à paz.

  • Tati:

    Energia nuclear é tudo de bom

  • Denommus:

    Para quem tem comentado: a radiação no Japão vazou “pouco”. Tanto que ninguém que entrou de quarentena ficou, realmente, contaminado.

    A quarentena serviu apenas como prevenção. Mas, de verdade, não houve riscos tão grandes assim para a população.

  • Maria Emilia:

    Eles insistem que os modelos mais recentes de reatores nucleares têm sistemas de refrigeração passiva, e que mesmo em face de qualquer desastre, não apresentam qualquer perigo para a população.

    vcs não acham estranho? então pq aconteceu a radiação lá?
    se não representa perigo a população.

    no minimo é de se pensar…

  • Alex Keher:

    Idéias prontas e pré-concebidas são armadilhas.

    A Energia atômica só é nociva se algo excepcional acontecer.
    Combustíveis fósseis são nocivos sempre, mesmo em condições normais.

    Deveríamos ter parado de explorar o espaço por causa da explosão da Apollo AS-204?

  • Thiago Luiz:

    Ah vale ressaltar que o problema da energia nuclear não é basicamente seu uso, enquanto fonte, mas sim o que devemos fazer com o material resultante do processo de fissao nuclear (Cesio, Bario, e outros elementos altamente radioativos).

    Precisamos aprofundar estudos sobre formas de depositar, adequedamente, o “lixo nuclear” produzido, quem sabe de alguma forma como aprendemos a usar o metano emanado dos aterros sanitarios.

  • Stefany:

    Issoo foii uum desastree para elees laa… coiitados.Imageine como eles devem esta sofrendo laa ! ! ^

  • Luis Souza:

    Um conhecido meu, defende a idéia de montar estações de dessanilização na África e transformar os desertos em áreas agriculturáveis.
    Parte dos produtos oriundos desse plantio seria transformado em ração e distribuido em pleno oceano alimentando cardumes que por sua vez alimentariam paises miseráveis do próprio continente. Haveria benefícios para a fauna marinha, o meio ambiente, mas para a isso a energia seria nuclear.
    Por outro lado usinas atomicas podem virar arma letal contra o próprio patrimônio em caso de guerra ou desastres naturais. O fato é que essa fonte de energia é ilimitada mas sem total segurança com agravante do lixo radiativo.

  • Thiago Luiz:

    Caro colega Sandinho, antes de iniciar meu post, gostaria de citar que nós seres humanos, não “criamos” monstros, a energia nuclear existe desde que o universo se conhece por universo, o “problema” está em nós mesmos, que na buscar pelo controle e conhecimento de “tudo”, pecamos, ao nao aprofundar os estudos antes de por os mesmos em pratica.

    É certo que o cenario que vimos em Chernobyl, atualmente, não se cogita, mas tambem é certo que o governo, a midia, as empresas escondem muitos fatos que se viessem a publico deixariam claro os problemas enfrentados pelo uso desse tipo de tecnologia.

    Sou a favor de fontes de energia alternativas, de acordo com a regiao onde elas seram usadas, basta citar que em alguns Estados aqui do Brasil, usa-se a energia eolica, em outros usa-se a solar, contudo a nossa matriz é hidreletrica. Mesmo essa matriz possui seus entraves de uso, os quais todos nos sabemos, a questao mesmo é aprofundar os estudos de viabilidade local para determinada fonte de energia.

    AH..vale ressaltar que muitos paises “usam” o fato de terem Usina Nucleares, para “mascarar” estudos acerca de enriquecimento de Uranio, como sabemos, material essencial para fabricação de bombas.

    Como ja foi dito em outro post, ” nós fomos apresentados a energia nuclear da pior e mais destruidora forma possivel: Bombas; e so conseguimos “ver” o seu beneficio depois de ja termos disseminado o terror e o caos nas mentes de nossas criancas, quando se ouve falar em Energia Nuclear”

    Abracos

  • sandinho:

    a verdade é; criamos monstros e agora temos que nos defesnder deles,
    resta saber como!!!

  • Cristina:

    …até concordo em partes, mas a segurança ATUAL de novos reatores,não se aplica aos reatores obsoletos , antigos e defasados destas ANTIGAS USINAS, ou será que se troca reatores constantemente procurando mais segurança????

  • serico115:

    Talvez os ecologistas sejam chatos, mas quem um dia poderá avaliar isso serão os descendentes dos defensores desta terrível forma de obter a energia tão mal utilizada por tanta gente. Se fosse bem utilizada e de forma racional, essa necessidade passaria a ser bem menos premente.
    E quando se perdem em argumentos, que até estou de acordo com o excesso da extensão de alguns, seria bom que não fosse tomada a parte pelo todo.

  • big bang:

    Concordo totalmente com o Espectro. Os ecochatos só sabem reclamar e arrumar soluções estapafúrdias para os problemas energéticos. Se odeiam tanto assim a civilização, q se matem e q seus despojos mortais seja usados como adubo em algum broto de arvore!

  • spider:

    Acho que a energia nuclear é uma boa opção,se usada com precaução. Quanto as alternativas, a solar é muito caro implantar e manter o sistema funcionando(pode ser que mude no futuro)a eólica tem os custos de manutenção altos também, e quanto a biomassa, alem de ocupar uma grande quantidade de terra, ainda emite carbono na atmosfera, alem de poluir o solo(na produção de álcool sobra o chorume que é altamente poluente).Mas também acredito que poderia-se economizar energia, para diminuir a necessidade de se construir novas usinas.

  • serico115:

    Até quando o factor preço kilowat vai deixar de prevalecer nas cabeças dos defensores do nuclear. Acho que se esquecem de adicionar a esse custo o preço de vidas ceifadas, e de todo o sofrimento que é gerado em virtude das contaminações, bem como o preço dos tratamentos ao longo de suas vidas.
    Aqui em Portugal, até ao presente ainda essa alternativa, felizmente, não foi utilizada, ainda que tenhamos já de enfrentar os perigos que podem vir de Espanha, lamentavelmente.
    Será que,pela experiência já patente em utilizar outras fontes de energia não dá suficiente perspectiva no sentido de que podemos claramente prescindir dessa terrível “BOMBA ATÓMICA” em nosso País??? Espero que o bom senso prevaleça depois das catástrofes bem ilustrativas dos terríveis efeitos provocados…

  • Espectro:

    Apesar dos acidentes, a energia nuclear ainda tem o menor impacto no meio-ambiente com maior eficiência de energia. Os ecologistas que me perdoem, mas só sabem reclamar. Pediram pela energia eólica e quando conseguiram reclamaram que os cataventos estavam matando os pássaros. Se querem manter o mundo como está, então que vão viver em cavernas. Qualquer fogueira que acendemos impacta o meio ambiente. Essa turma que só sabe reclamar faz uso da energia que querem proibir, solução que é bom, nada.
    Não podemos condenar a energia nuclear, mas sim torná-la mais segura, como é feito com os aviões, que tem cada acidente exaustivamente estudado para evitar que ocorra novamente.

  • Jorginho:

    Só para começar a conversa, pergunto:
    Paises que fazem uso desse sistema de força; usa-a por opção?

    Pelo que podemos observar, energia se fosse usada racionalmente, sobraria energia.
    Água mesmo é um grande exemplo -Se temos pouca, vamos economizar! Começando pelos chuveiros e ar condicionado que são os primeiros circuito de alto consumo, depois das grandes fábricas,claro. É possível sim,arrumar outras fontes que não seja causadora de contaminação.

Deixe seu comentário!