Essa nova nanotecnologia “mágica” cura com um simples toque

Pesquisadores da Universidade Estadual de Ohio (EUA) desenvolveram um nanochip inovador que pode estimular o crescimento de novas células dentro do corpo de um paciente, simplesmente com um toque na pele.

A tecnologia poderia abrir uma série de novas opções de tratamento, e revolucionar a medicina.

Sucesso

A técnica é conhecida como “nanotransfecção de tecido”, e envolve o contato de um chip à base de nanotecnologia com a pele de um paciente. O chip pode converter uma célula adulta de um tipo para outro, usando uma pequena carga elétrica. O procedimento não é invasivo.

O dispositivo ainda não foi testado em seres humanos, mas se provou bem sucedido com ratos e porcos.

Por exemplo, em um rato que sofreu ferimentos na perna, dentro de uma semana do uso do chip, vasos sanguíneos ativos haviam reaparecido. Na segunda semana, a perna foi salva. O chip também ajudou ratos com lesão cerebral a se recuperar de um acidente vascular cerebral.

Como funciona

O chip carrega um código genético específico na forma de DNA ou RNA que, quando aplicado às células, altera sua estrutura e função anterior para a estrutura e funções necessárias para reparar a lesão.

De acordo com os pesquisadores, a tecnologia funcionou com êxito 98% do tempo.

A melhor notícia é que os pacientes não precisam ficar com o chip; simplesmente precisam tê-lo ligado à sua pele por alguns segundos para iniciar a reprogramação das células.

No futuro

Os potenciais para tal tecnologia são enormes. O chip poderia ajudar a reparar tecidos danificados ou mesmo restaurar a função de órgãos, vasos sanguíneos e células nervosas envelhecidos.

Também poderia desenvolver células cerebrais na pele humana sob a orientação do sistema imunológico de uma pessoa, e essas células poderiam então ser injetadas no cérebro para tratar condições como a doença de Alzheimer e Parkinson.

“Com esta tecnologia, podemos converter as células da pele em elementos de qualquer órgão com apenas um toque”, disse um dos autores do estudo, o Dr. Chandan Sen. “Este processo leva menos de um segundo e não é invasivo”.

Os resultados da pesquisa foram publicados na revista Nature Nanotechnology. [IFLS]

Por: Natasha RomanzotiEm: 16.08.2017 | Em Bem-estar, Principal  | Tags: , , ,  
1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (18 votos, média: 4,89 de 5)
Curta no Facebook:

Deixe uma resposta