Esta é a última coisa que você quer ver na janela da Estação Espacial Internacional

Por , em 12.05.2016

Esta rachadura de 6.35 milímetros de diâmetro foi fotografada pelo astronauta britânico Tim Peake de dentro do módulo Cupola, da Estação Espacial Internacional.

Causada por um impacto de detritos espaciais, não é uma grande fratura nem poderia fazer algum dano real para a janela de multicamadas da estação.

Ainda assim, não é uma coisa agradável de se ver quando se está em órbita.

Perigo sério

O racho foi provavelmente causado por “um floco de tinta ou um fragmento de metal não maior do que alguns milésimos de milímetro de diâmetro”, de acordo com a Agência Espacial Europeia.

É incrível que uma pequena partícula, que sequer poderíamos observar na Terra, consiga fazer tal estrago em velocidades orbitais.

Isto serve para nos lembrar do risco constante representado pelo lixo espacial – detritos que voam pelo espaço e que podem causar problemas muito maiores do que uma simples foto alarmante.

Detritos maiores do que este seriam uma séria ameaça, de acordo com o comunicado da ESA. “Um objeto de até 1 cm de tamanho poderia desativar um instrumento ou um sistema crítico de voo em um satélite. Qualquer coisa acima de 1 cm poderia penetrar os escudos dos módulos da tripulação da estação, e qualquer coisa maior do que 10 cm poderia destruir um satélite ou nave espacial em pedaços”, disse a agência. [Gizmodo]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 5,00 de 5)

4 comentários

  • Mário Secco:

    6.35mm, que precisão, hein?

    Basta dizer “cerca de 6mm”, fica mais bonito. Não precisa traduzir e converter ao pé da letra!

  • Daniela Matsu:

    Ajudar os astronautas a ficarem em panico…. lembrei quem fez a janelinha da ISS foi o Brasil…

    • Cesar Grossmann:

      Na verdade não fez. Pelo acordo assinado pelo Brasil em 1996, o Brasil faria várias coisas, entre elas a Janela de Observação para Pesquisa – Bloco 2 (WORF-2). A Cúpula foi projetada pela NASA e Boeing, e foi enviada para o Brasil, mas acabou sendo construída pela ESA e italianos em 1998, sendo completada em 2003 (informações da Wikipedia).

      Graças à política de desincentivo da pesquisa científica e tecnológica no Brasil, nenhum dos componentes que o Brasil acordou fazer, foi feito.

  • EvandroJGC:

    O filme Gravidade dá uma boa (ou má) ideia disso.
    Perigoso.

Deixe seu comentário!