Estudo chocante descobre que a grande maioria aplicaria tortura

Por , em 19.12.2008

Um antigo e notório experimento, em que as pessoas davam poderosos choques elétricos em voluntários, foi replicado por cientistas estadunidenses e mostrou que algumas coisas nunca mudam. As pessoas que aplicavam o choque o faziam em obediência a uma figura de autoridade.

A cada dez pessoas, sete continuaram a administrar os choques — ou ao menos acreditavam que estavam aplicando — mesmo quando o ator dizia que eles eram doloridos, descobriu um pesquisador da Universidade de Santa Clara.

“O que nós encontramos foi a validação do mesmo argumento — se você coloca as pessoas em certas situações elas atuarão de maneiras surpreendentes e talvez até perturbadoras”, disse o pesquisador Jerry Burger. “Esta pesquisa ainda é relevante.”

Jerry se baseou nos princípios do estudo de Stanley Milgram, que nós já cobrimos aqui no artigo dos 10 experimentos psicológicos mais antiéticos. No estudo de Milgram era solicitado para que fosse dado um “choque” elétrico se a outra pessoa não respondesse algumas perguntas corretamente.

Milgram descobriu que mesmo ouvindo os atores chorarem de dor nos 150 volts, os voluntários continuavam a aplicar os choques até chegar a 450 volts.

O experimento surpreendeu os psicólogos e nunca foi replicado porque causou agonia e sofrimento em muitos dos voluntários que acreditaram que estavam dando choques na outra pessoa. “Quando o homem gritava ‘me deixe sair, eu não posso aguentar’ era o ponto no qual o estresse real, pelo qual Milgram foi criticado, começava. Foi uma experiência muito, muito, muito estressante para muitos dos participantes. Por esta razão ninguém pode replicar eticamente o experimento hoje.”

SURPREENDENTE E DESAPONTADOR

Jerry modificou o experimento para que os 29 homens e 41 mulheres parassem no ponto dos 150 volts. Ele mediu como muitos dos seus voluntários começaram a dar outro choque quando solicitado pela pessoa que conduzia o experimento, mas neste ponto o voluntário era impedido de fazê-lo. Era neste ponto que o estudo de Milgram parecia começar a estressar os voluntários.

No estudo modificado de Jerry 70% dos voluntários estava disposta a dar choques maiores do que 150 volts.

Em certo momento os pesquisadores trouxeram um voluntários que sabia o que estava acontecendo na realidade e recusou-se a administrar choques além dos 150 volts. Apesar do exemplo, 63% dos participantes decidiram continuar a administrar choques com mais de 150 volts.

Jerry disse que “isso foi surpreendente e desapontador”. Ele também não encontrou diferenças entre os voluntários que iam de 20 a 81 anos de idade.

Segundo o pesquisador o experimento pode ajudar a explicar os abusos na base estadunidense de Abu Ghraib, no Iraque, ou eventos ocorridos na Segunda Gerra Mundial.

Mas a diferença estatística nas pessoas que ultrapassariam os 150 volts foi significativamente menor no último (e primeiro) estudo. Segundo Jerry, alguma característica que as pessoas tinham nos anos 1960 os tornava mais susceptíveis a serem obedientes. [CNN, Live Science]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (6 votos, média: 4,67 de 5)

8 comentários

  • Falcone Big:

    Mostra quanto a tortura pode ser perturbadora para pessoas normais em ambos lados, torturado e torturador.

    Salvo o caso quando estes são doentes mentais, masoquistas e sado-masoquistas.

  • André:

    Eu fiquei é com vontade de fazer essa experiência com uns conhecidos meus… hehe

  • ZuzoBem Gara:

    Quando pequeno gostava de torturar gatos, pintinhos e sapos…
    Depois passei a torturar cachorros e criancas da mesma idade.
    Na adolescencia torturava meninas consensualmente ou nao.
    Depois dos 18 tive que parar por forca de lei. Saudades….

    • Edson Santos:

      fato pelo qual eu sou a favor da diminuição da idade penal, muitos semelhantes a você com dezoito anos já estão tão acostumados com as transgressões que dificilmente param, porem teriam parado se a maioridade penal fosse menor pois não estariam tão acostumados e encorajados a seguir transgredindo.

  • Isaias Malta:

    Isto prova que não nos tornamos bons ao longo dos anos, só mais desobedientes.

  • Eduardo:

    Sem dúvida nenhuma o ser humano, em geral, não presta. A maioria não teve qualquer empatia pelo semelhante. Quando li sobre o experimento de Jerry, percebi que as pessoas sofriam por ter que dar choques “doloridos”. O sofrimento psicológico significava que eram submissas à autoridade mas sentiam pelo que estavam fazendo.
    No entanto, o novo experimento revelou uma indiferença e sadismo que confirma a percepção dos mais velhos em relação às gerações atuais, pois os voluntários tinham a opção de se negarem a dar os choques, seguindo o exemplo do falso voluntário, mas 63% resolveram prosseguir.
    Realmente é um resultado revelador e desapontador.

  • wilson:

    Infelizmente o ser dito “humano”ainda pratica torturas hediondas quando nos hospitais públicos médicos não atendem paciente deixando-os morrer;políticos roubam os impostos deixando de aplicá-los corretamente;crianças ficam nas ruas sem amparo legal;traficantes acuam comunidades com terrorismo etc…
    Quando o mundo explodir e deixar de existir,aí sim a tortura acabará.

  • Raphael Imbuzeiro:

    Não entendo o drama com isso, ao menos eu faria nos 450 numa boa e até acharia divertido.. ^___^

Deixe seu comentário!