Explicando como o universo começou

Por , em 11.04.2013


Vídeo: “O início do universo, para iniciantes”. Se desejar, ligue as legendas e ative a tradução para o português.

O universo é extremamente enorme e complexo, mas isso não significa que os humanos não estejam tentando entendê-lo.

E, para tanto, surgiu o ramo da cosmologia, que estuda a estrutura, a evolução e a composição do universo. Seus pesquisadores analisam o que aconteceu, o que está acontecendo e o que deve acontecer no universo, tudo para descobrir como ele surgiu em primeiro lugar.

Edwin Hubble foi o primeiro a descobrir que o universo estava expandindo, ao notar que as galáxias pareciam estar se distanciando cada vez mais. Isso implicava que tudo deveria ter começado com uma explosão monumental de um ponto infinitamente quente e pequeno. Na época, tal fenômeno foi chamado, ironicamente, de Big Bang. A piada se tornou séria quando as evidências para o evento se acumularam, e o nome ficou.

Depois da explosão que literalmente deu origem a tudo, o universo esfriou para formar estrelas e galáxias. Os cosmologistas têm varias ideias de como isso aconteceu, mas, hoje em dia, nossas melhores chances de provar o que realmente ocorreu estão com os físicos de partículas, que tentam recriar as condições desse início do universo em laboratório.

Eles estudam matérias e forças em energias cada vez mais altas, antes com raios cósmicos, e agora com aceleradores de partículas, que colidem partículas subatômicas. Quanto maior a energia do acelerador, mais longe no tempo os cientistas são capazes de “ver” – entender as condições.

Hoje, as coisas são feitas em sua maioria de átomos, mas, centenas de segundos depois do Big Bang, o espaço estava muito quente para os elétrons e prótons se juntarem e formarem núcleos e átomos – a temperatura alta superava as forças que normalmente os mantêm juntos. Ao invés disso, o universo consistia em um mar de partículas subatômicas.

Mais do que isso, microssegundos depois do Big Bang, prótons e nêutrons estavam apenas começando a se formar a partir de quarks, um dos blocos fundamentais de construção do Modelo Padrão da Física.

Ainda antes disso, a energia era alta demais até mesmo para os quarks ficarem juntos. Os físicos acreditam que, testando subpartículas em energias ainda maiores, eles podem ter uma ideia de como era esse momento inicial no qual todas as forças eram iguais, o que tornaria a compreensão da origem do universo muito mais fácil.

Mas, para conseguir tal façanha, eles precisam construir aceleradores maiores, e trabalhar muito para combinar todo o conhecimento humano das coisas enormes do universo com as coisas mais minúsculas nele. E nós estaremos aguardando ansiosamente pelo próximo passo no desvendamento desse mistério colossal.[TEDEducation, BrasilEscola]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 3,67 de 5)

12 comentários

  • Jaime Junior:

    Se o Big Bang deu origem ao Universo, onde ele ocorreu se o Universo não existia?

    • Eduardo Araújo:

      Em lugar nenhum e em momento algum. Não cabe este tipo de pergunta já que no momento do BB não existiam dimensões distendidas (as quatro que esperimentamos no dia a dia [altura, profundidade, largura, tempo]). Logo não havia aqui, nem ali, nem agora, nem antes ou depois (agora, no exato momento da criação, já passa a existir o depois). Tratava-se de uma singularida, não obedecia à leis da física pois ainda não havia o Universo Físico.

    • Eduardo Araújo:

      “singularidaDE”

  • socrates:

    Esclarecendo um pouco mias meu comentário anterior : O universo é composto por matéria e o que varia com o tempo é a distribuição desta matéria no espaço.Energia é a medida da interação da matéria no espaço.Após o Big bang pelo meu texto já registrado, o universo era muito quente, e antes era muito frio, formado apenas por matéria e não por energia. Só existia a energia cinética rotacional que fazia toda a matéria girar, e a energia potencial gravitacional.

    • Eduardo Araújo:

      Mas que viagem!

      A Matéria e a Energia são reciprocamente ligadas. Uma se transforma na outra: Já dominamos boa parte da transformação de energia em energia; engatinhamos na transformação de matéria em matéria (criação de elementos transurânicos) e de matéria em energia (fisão/fusão nuclear); quanto a transformação de energia em matéria, ainda estamos estudando (no Pré-Jardim-de-Infância).

      Logo, não pode haver matéria sem energia nem energia sem matéria.
      Esta teoria doida de universo frio sem energia e cheio de matéria só seria possivel num Universo Fluídico ( cheio de maionese para pirar na batatinha).

      “NÃO havia energia, MAS havia energia rotacional”(seja lá que P*%%A for essa). Esta teoria estapafurdia fica melhor agora: se estava cheio de matéria rotacionando estaria tão quente como o Disco de Acreção de um BN. Toda a matéria do universo, condensada num ponto minúsculo, “rotacionando” sem energia e extremamente fria. Depois a energia que “não era energia” criou uma “força centrifuga” que afastou as galaxias, estrelas, planetas e, principalmente os dois neurônios compartilhados dia-sim/dia-não por este gênios. E mais, isto exigiria um eixo central Universal (alinhado com qual galáxia? a nossa esta alinhada ou não, já que as galáxias se alinham de forma totalmente aleatória). Só em filme do SYFY as naves estrelares “andam” todas alinhadinha de acordo com o nosso norte-sul, leste-oeste. Certamente este eixo passa pelas “argolas” deles.

      Não sei qual a “bolinha que vocês estão tomando, mas me manda uma cartela cheia”.

  • socrates:

    Já registrei e datei um texto na biblioteca nacional que explica toda a evolução do universo de forma prática e simples, respeitando leis Físicas, observações ,e tudo o que é mais aceito atualmente. O texto é inédito e explica a causa do Big bang ,o motivo da expansão acelerada,descreve a energia escura , calcula seus 72% mais aceitos atualmente e toda a evolução completa, provada com cálculos.Só para descrever uma pequena parte do início deste texto:Em seu momento máximo de contração,instante antes do big bang, o que controlava o estado do universo só podia ser apenas a imensa gravidade e o movimento de rotação intensa do universo.É lógico então deduzir que que a única coisa que poderia vencer a gravidade e provocar o inicio da expansão é a força centrifuga gerada por esta rotação em um universo de massa enorme girando com velocidade próxima da velocidade da luz. Já me disseram que esta força centrifuga não seria tão intensa para vencer a gravidade , só que eu já provei com cálculos e mesmo que não tivesse provado , a unica coisa que poderia vencer a gravidade é este movimento de rotação do universo. simples assim! O que eu preciso agora é de alguém que seja humilde o bastante para abandonar todas estas tentativas de explicações complicadas que são apresentadas e reconhecer que pode existir explicações mais simples para tudo que existe.ler o meu texto por completo, e se concordar com seu conteúdo me ajudar a divulga-lo ou pelo menos me convencer que estou errado, mas pelo menos o ler.Pois já estou cansado de ouvir cientistas declararem que ainda não há respostas convincentes e ter um texto que responde a tudo mas que está escondido por não ter ninguém interessado em ler.

  • icarofsx:

    Primeiramente, quero dizer q o que eu explanarei aqui não tem a ver com o texto em sim. Na verdade, tem sim, pois está vinculado à teoria do big bang, mesmo q não diretamente.

    Pois bem. Deixe-me explicar como surgiu a ideia. Outro dia estava lendo sobre comunicação quântica (acho q não preciso entrar em detalhes, já q aqui muitos já possuem certa noção do que é o emaranhamento quântico) e a conclusão que cheguei é que, pelo menos em teoria, é possível comunicação instantânea independente da distância entre os interlocutores.

    Após, juntei isso à teoria da Relatividade de Einsten, que, como todos sabem, fala sobre a relatividade do tempo.

    Aí começou a ficar esquisito. Vamos fazer um exercício mental:
    1. Imaginem que numa nave o tempo passe mais lentamente do que aqui na Terra (o motivo? qual quer um!). Vamos supor q para cada minuto na nave passem dois na Terra (2:1).

    2. Imaginem que há um computador com web cam na Terra e na nave, e alguém com uma câmera de mão filmando a conversa tanto na Terra quanto na nave.

    Eu indago:
    a) Se a comunicação é instantânea, eu que estou na nave vou ver a outra pessoa na Terra em “câmera rápida”? Ora, se uma conversa demora 5 minutos na nave, na Terra demora 10 minutos.
    b) Ou há algum fenômeno desconhecido e a natureza faz a adaptação?

    c) Pensem agora que as duas filmagens das câmeras de mão, que filmaram na nave e na Terra 5 min e 10 min, respectivamente, de uma mesma conversa, fossem tocadas juntas em duas Tvs lado a lado. O que veríamos?

    Enfim, muito interessante. Confesso q eu inventei esse exercício mental como uma forma de entender o que acontece com a comunicação instantânea em pontos distantes do universo.

    • icarofsx:

      Não esqueçam que nos 2 vídeos filmados na mão, tanto na Terra quanto na Nave, foi filmado a pessoa que conversava sentada em frente do computador e a imagem da outra pessoa no computador.

      Digo isso justamente para tentar entender como seria a passagem do tempo filmada na perspectivas de ambas.

  • Carlos Henrique Silva:

    “Nossas melhores chances de provar o que realmente ocorreu estão com os físicos de partículas, que tentam recriar as condições desse início do universo em laboratório.”
    Os físicos tentam de recriar exatamente as mesmas condições para provar o princípio do universo, porém ainda assim muitos acreditam que tudo isso é apenas obra do acaso.

    • Dante Ramon:

      Muitos??

  • Evandro Oliveira:

    as palavras são um pouco polêmicas.
    a ciência não ‘explica’, nem o ‘como’. Mas propõe modelos para os processos. Não é uma ‘porque’ (metafisico), mas tentar compreender o que se consegue observar (sendo que essa capacidade aumenta com o tempo) e buscar descrever. Ciencia é descritica e não explicativa.

    Ciência não explica o porque nem o como do que se observa, apenas o busca descrever com um maior rigor, dentro de um conjunto de paradigmas. Esse suposto ‘como’ seriam os processos do modelo em funcionamento.

    • icarofsx:

      Perfeita observação. Só um adendo: nesse processo de descrever a ciência explica sim. Porém, temos alguns temas que, realmente, são mais descritivos do que explicativos.

      A bem dizer, seria uma explicação limitada ao q foi observado, ou seja, a ciência explica (e não apenas descreve) aquilo que é possível mensurar através da observação. Como o ANTES do big bang é inacessível (e isso engloba o “como” e o “por que”) aos sentidos humanos, fica difícil dar qualquer explicação sem que entremos nos meros achismos.

Deixe seu comentário!