Uma poderosa força misteriosa está nos enviando ondas de rádio vindas do espaço profundo

Por , em 6.08.2018

Rede de radiotelescópios CHIME, no Canadá

Nosso universo está repleto de luz invisível. Além do espectro visível, diversos sinais de rádio e micro-ondas inundam o espaço provenientes das mais diversas fontes, como estrelas em colapso, campos magnéticos, nuvens de poeira espacial e buracos negros famintos.

Mas um desses sinais de luz – chamado de “rajadas rápidas de rádio”, ou “explosões rápidas de rádio” (do termo original em inglês “fast radio bursts” ou FRB) – tem intrigado enormemente os cientistas porque não conseguimos determinar sua origem.

As FRBs são muito poderosas e duram apenas alguns milissegundos. Na manhã de 25 de julho, uma dessas explosões de energia passou zunindo por uma nova série de radiotelescópios localizada nas montanhas da Colúmbia Britânica, no Canadá, registrando um dos mais raros desses eventos já detectados.

O sinal misterioso, denominado FRB 180725A, foi transmitido em frequências de até 580 megahertz, quase 200 MHz abaixo de qualquer outro FRB detectado.

O que sabemos sobre FRBs

Segundo Patrick Boyle, autor do The Astronomer’s Telegram (um boletim de observações astronômicas postadas por cientistas credenciados) e gerente do projeto CHIME, o radiotelescópio que detectou o novo sinal, FRBs ocorrem tanto durante o dia quanto a noite, e seus horários não estão correlacionados com atividades conhecidas no local de origem, nem com outras fontes notórias de tal energia.

A frequência rápida e baixa dos sinais sugerem que as explosões são extremamente brilhantes e originam-se de uma fonte insanamente poderosa em algum lugar do cosmos.

Procedências possíveis incluem supernovas, buracos negros supermassivos e algumas outras fontes de radiação eletromagnética poderosa, como os pulsares, mas, até agora, não identificamos uma fonte natural para os FRBs com confiança.

Logo, os cientistas não descartam uma “origem artificial” dos sinais – isto é, inteligência extraterrestre.

Avanços

FRBs permanecem um mistério para os astrônomos. Identificar uma fonte precisa para tais sinais elusivos não é tarefa fácil. Além disso, apenas cerca de 40 já foram detectados na Terra desde que foram descobertos, em 2007, portanto a pesquisa permanece esparsa.

Apesar da relativa raridade das FRBs, as explosões provavelmente são uma ocorrência cósmica regular. De acordo com Christopher Conselice, professor de astrofísica da Universidade de Nottingham (Reino Unido) que não esteve envolvido na descoberta, as FRBs podem chegar ao nosso planeta até milhares de vezes por dia; só não temos ferramentas suficientes para detectar todos esses sinais ainda.

O CHIME é um radiotelescópio de última geração projetado para detectar ondas de rádio antigas enviadas quando o universo era apenas uma criança, entre 6 e 11 bilhões de anos atrás. Embora esteja em operação há apenas cerca de um ano, ele já detectou vários FRBs notáveis, incluindo diversos sinais de baixa frequência que se seguiram logo após o poderoso FRB 180725A na semana passada.

Quem sabe mais tecnologias como o CHIME ajudem os cientistas a finalmente desvendarem tais rajadas rápidas de rádio e sua origem elusiva. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (40 votos, média: 4,75 de 5)

Deixe seu comentário!