Fumaça de cigarro produz resíduo difícil de se decompor e prejudica pessoas com asma

Por , em 18.08.2010

Segundo um novo estudo, componentes da fumaça do cigarro que demoram muito tempo para sumir depois que ele já foi apagado podem ter os seus próprios riscos para a saúde.

Além dos estragos que o cigarro traz às pessoas que fumam e aos “fumantes passivos”, o ato de fumar também libera resíduos que podem persistir por meses em um ambiente após o cigarro ter sido fumado, e que reagem com o poluente ozônio, formando minúsculas partículas potencialmente nocivas.

Estas partículas ultrafinas podem adentrar profundamente nos pulmões das pessoas e representam uma ameaça ainda maior para quem sofre de asma do que a própria nicotina.

Esse resíduo também reage com o ácido nitroso, um poluente comum no ar de ambientes interiores, e produz substâncias cancerígenas perigosas.

Lançado como um vapor pela queima do tabaco, a nicotina é um adsorvente forte e persiste em recintos fechados por meses após cigarros terem sido fumados. O ozônio é um poluente comum urbano que se infiltra em ambientes através da ventilação do ar exterior e tem sido associado a problemas de saúde, incluindo asma e doenças respiratórias.

Os pesquisadores descobriram que quando a nicotina reage com o ozônio, os produtos são partículas mais perigosas para quem sofre de asma do que a própria nicotina.

Os resultados sugerem que usar purificadores de ar que emitem ozônio para eliminar o cheiro do fumo do tabaco pode não ser uma boa ideia. Além disso, os pesquisadores precisam fazer novas investigações para verificar se a formação de partículas ultrafinas ocorre em uma série de condições do mundo real, já que foram testadas em laboratório. No entanto, os resultados sugerem que há ligação entre asma e exposição a resíduos do cigarro. [LiveScience]

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

3 comentários

Deixe seu comentário!