A internet das coisas – o conceito

Por , em 19.10.2014

Internet das coisas

O quadro do desenvolvimento tecnológico atual demonstra que a Internet das Coisas é a mais promissora revolução tecnológica desde o advento da própria internet, com fortes impactos no ambiente social e tecnológico, prometendo profundas transformações nas interações humanas nos mais variados campos, indo dede a área de produção e comércio até a saúde.

O conceito que fundamenta a Internet das Coisas é elementar.

Basta imaginar que os objetos do nosso cotidiano possam trocar informações entre si e/ou com uma base de dados central.

Algo que pode ser feito localmente ou remotamente usando a rede global de computadores.

Todos nós já observamos em supermercados e lojas de departamentos algum produto com uma etiqueta antirroubo.

Caso alguém resolva levar tal produto sem pagar é acionado um alarme no momento da saída da loja.

Em linguagem digital tais dispositivos são chamados de transponders e grosso modo apresentam apenas 1 bit de informação que pode ser traduzido em apenas dois registros: 0 e 1.

Isso é, se você pagou pelo produto a informação registrada na etiqueta é zero.

Caso contrário a informação registrada permanece em 1 que indica o acionamento do sinal de alarme quando tal produto passar por sensores de controle estrategicamente posicionados nas saídas da loja ou departamento.

As coisas na internet

Evidentemente esse foi apenas o ponto de partida.

Fundamentada na tecnologia de Identificação por radiofrequência ou RFID (do inglês “Radio-Frequency IDentification” ) tais métodos de identificação automática através de sinais de rádio podem armazenar e recuperar dados remotamente através de dispositivos implantados nos mais diversos objetos.

Indo de artigos do vestuário a aeronaves.

Atualmente tais dispositivos já são utilizados em muitos países (inclusive o Brasil) para controles de estoque e venda, pedágios, pedigrees de animais de estimação, instrumentação e controle na indústria, etc.

Com o avanço pronunciado da nanotecnologia e da penetração da internet o salto natural é a conectividade dessas etiquetas de RFID na grande rede de computadores e a troca de informações entre si – a célebre internet das coisas tornando-se cada vez mais efetiva e presente no cotidiano das pessoas.

Já imaginou sua despensa conversando com os supermercados e comprando pela internet os produtos que você precisa pelo menor preço?

Ou um monitor de saúde subcutâneo avisando o seu médico ou o hospital mais próximo de um risco de infarto e assim salvando sua vida?

Ou um produto conversando com seu monitor de saúde e avisando que possui glúten, ou lactose ou fenilalanina?

Aumentando a capacidade de armazenagem de dados e a inteligência dessa etiqueta bem como o alcance de sua comunicação as aplicações ultrapassam o imaginado pelos melhores escritores de ficção científica.

E você leitor, é capaz de imaginar qual seria esse futuro?

-o-

[Leia meus outros artigos publicados aqui no Hypescience e comente também no FACEBOOK ]

-o-

LEIA A SINOPSE DE MEU LIVRO A COR DA TEMPESTADE feita pela escritora Núrya Ramos

[O LIVRO ENCONTRA-SE À VENDA NAS LIVRARIAS CURITIBA E SPACE CASTLE BOOKSTORE].

Ciência, ficção científica, valores morais, história e uma dose generosa de romantismo – eis a receita de sucesso de A Cor da Tempestade.

Trata-se de uma coletânea de contos do escritor e professor paranaense Mustafá Ali Kanso (premiado em 2004 com o primeiro lugar pelo conto “Propriedade Intelectual” e o sexto lugar pelo conto “A Teoria” (Singularis Verita) no II Concurso Nacional de Contos promovido pela revista Scarium).

Publicado em 2011 pela Editora Multifoco, A Cor da Tempestade já está em sua 2ª edição – tendo sido a obra mais vendida no MEGACON 2014.

Entre os contos publicados nessa coletânea destacam-se: “Herdeiro dos Ventos” e “Uma carta para Guinevere” que juntamente com obras de Clarice Lispector foram, em 2010, tópicos de abordagem literária do tema “Love and its Disorders” no “4th International Congress of Fundamental Psychopathology.”

Prefaciada pelo renomado escritor e cineasta brasileiro André Carneiro, esta obra não é apenas fruto da imaginação fértil do autor, trata-se também de uma mostra do ser humano em suas várias faces; uma viagem que permeia dois mundos surreais e desconhecidos – aquele que há dentro e o que há fora de nós.

Em sua obra, Mustafá Ali Kanso contempla o leitor com uma literatura de linguagem simples e acessível a todos os públicos.

É possível sentir-se como um espectador numa sala reservada, testemunha ocular de algo maravilhoso e até mesmo uma personagem parte do enredo.

A ficção mistura-se com a realidade rotineira de modo que o improvável parece perfeitamente possível.

Ao leitor um conselho: ao abrir as páginas deste livro, esteja atento a todo e qualquer detalhe; você irá se surpreender ao descobrir o significado da cor da tempestade.

Núrya Ramos em Oráculo de Cassandra

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

1 comentário

  • Rafael Francisco:

    A pergunta no final do texto é: “E você leitor, é capaz de imaginar qual seria esse futuro?”
    A minha resposta é: “Sim!”
    E mais: “Sim. O objetivo final é: que NINGUÉM possa comprar NADA que possua um RFID sem que possua um RFID em seu próprio corpo.”
    Essa minha afirmação, quando for implantada, virá com uma série de explicações impostas pelos mercados e pelos governos, das quais não se adiantará contrapor, só aceitar.
    Qual o objetivo disso? Apenas tirar a sua liberdade, a final de que…

Deixe seu comentário!