LED oferece um futuro mais iluminado

Por , em 2.01.2012

Um teste com luzes LED em apartamentos demonstra que a nova tecnologia pode trazer grande economia de energia, menor custo e ainda mais segurança.

O estudo, feito pela companhia inglesa de eletricidade Energy Saving Trust (EST), analisou a performance de 4.250 luzes de LED instaladas em 35 locais. A previsão é de que essa tecnologia domine o mercado até 2015.

“Nós gostamos de testar na prática porque é mais fácil entender seu desempenho real do que contar com dizeres dos fabricantes”, explica James Russil, diretor técnico de desenvolvimento da EST.

Mas ele adiciona: “Nós estamos em um daqueles raros tempos em que há uma revolução, acho justo dizer, no setor de iluminação. As LEDs prometem ser o caminho de todo esse campo, para ser honesto. Há tantos benefícios: são menores e mais brilhantes; é uma daquelas raras tecnologias onde um teste revela uma iluminação melhor, e usando menos energia”.

Nos 35 pontos de teste, os autores calcularam que foram economizados mais de três milhões de quilowatts por hora (KWh) se comparado com as luzes antigas.

“O teste mostrou que a instalação de luzes LED pode ser usada para manter ou aumentar o nível de iluminação, e nos dois casos salvar energia”, afirmam os autores.

Eles adicionam: “O aumento das cores, causado pelas luzes, também foi maior, e é um fator muito apreciado pelas pessoas”.

Russill diz ter pensado que haveria uma corrida natural pelo novo sistema de iluminação. “Já sei de muitas pessoas que compraram LEDs sem nenhum subsídio ou iniciativa. Como toda nova tecnologia, há um custo inicial alto – são produtos novos no mercado – mas as pessoas parecem estar indo atrás e vendo que ela dura muito mais”.

Assim como os benefícios técnicos, Russill comenta que o retorno das pessoas beneficiadas com o teste foi muito bom.

“Recebemos alguns comentários de que a luz era mais fresca, brilhante e mais parecida com a natural. O principal retorno era de que a iluminação tornava a vida no local melhor”.

E o impacto também chega à questão da segurança. “Também colocamos luzes em locais externos, como sacadas, escadarias e estacionamentos. As pessoas comentaram que isso tornou o ambiente mais seguro, porque ficou mais iluminado”.[BBC]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

14 comentários

  • Claudio:

    “save energy” do original = “economizar energia” e não salva-la

  • Thales:

    Daqui uns tempos quando você tiver uma ideia vai acender um LED em cima da sua cabeça!! HEHE

  • Carlos Veiga:

    Já vivo com iluminação LED pois sou dependente do sol (energia fotovoltaica). O custo desta tecnologia é pesado mas o benefício muito leve. Tudo parece suave, mais claro, mais natural.

    • Toinhordeste:

      Você está aqui para mostrar às pessoas como será o futuro!
      Só uma dica, todos somos dependentes do Sol de qualquer maneira, de onde você acha que as plantas tiram energia para crescerem e pararem na nossa mesa, e o inferno congelado que seria a Terra, como você, todos deveremos tirar um maior proveito da luz solar como fonte de energia limpa num futuro próximo

  • Alessandro:

    bom ja tive 3 lampadas de led (de usar em casa), a primeira começou queimar os leds em menos de 6 meses, outra parou de funcionar, e a outra enfraqueceu os leds. nao durou 2 anos.

    • Ricardo:

      Alessandro, como todo produto, existem diferentes níveis de qualidade para um mesmo produto no mercado.
      As melhores marcas infelizmente e naturalmente, são as mais caras. Marcas como a CREE, americana, são de altíssima qualidade, já estes que você informa podem ter sido feitos na china, que são muito mais baratos mas o índice de reprodução de cor e o MTBF é baixo.
      Outro ponto é que o driver para ligar os LEDs devem ser bem projetados e com componentes de qualidade, muitas vezes esquecemos que não é apenas a lampada que conta. Como é o caso das lampadas fluorescentes que possuem um reator eletrônico para que possam ser ligadas.
      Apesar de chamarmos de lampadas frias, alguns LEDs como os de alta corrente precisam de dissipadores de calor para que durem o tempo que foram projetados.

      Quando o projeto de iluminação é bem elaborado, os LEDs são sim duradouros e muito eficiêntes.

  • José Calasans:

    Há mais de três anos conversando com alguns colegas,eu disse que os leds vieram para ficar e iriam substituir o sistema de iluminação atual,na lista de vantagens,ainda podemos acrescentar:Versatilidade pois existem lâmpadas led que se pode mudar as cores da iluminação com um simples toque no controle remoto e benefícios para a saúde pois não ha emissão de raios ultra violeta.

  • Lulu:

    O custo para se iluminar um ambiente totalmente com Leds é enorme, se comparado às lâmpadas comum. Talvez por ser lançamento.Me lembro que ano passado estive em uma visita na OSRAM e na sala que eu estava em reunião, a iluminação era toda feita por lâmpadas de LED, e por curiosidade perguntei e me foi dito que o custo (para iluminar um ambiente de uns 6m²) foi em torno de 1.000. Achei um valor bem alto, ainda se levar em consideração que esse foi o custo somente da produção (já que eu estava na fábrica). Bom, de repente também pode ter sido “supra-avaliado” para impressionar… quem sabe…

  • Pedro HP:

    Tenho uma luz de LED e sempre a ligo pra estudar, ela funciona a pilhas e já faz uns 6 meses que não as troco. Realmente é bem econômica.

  • henrique:

    Meu TCC do técnico de eletronica foi uma lampada de LED… e o professor insistia que essa tecnologia nem existia ainda ¬¬’

  • sd:

    O LED é um diodo semicondutor (junção P-N) que quando é energizado emite luz visível por isso LED (Diodo Emissor de Luz). A luz não é monocromática (como em um laser), mas consiste de uma banda espectral relativamente estreita e é produzida pelas interações energéticas do electrão (português europeu)/elétron (português brasileiro). O processo de emissão de luz pela aplicação de uma fonte elétrica de energia é chamado eletroluminescência.
    Em qualquer junção P-N polarizada diretamente, dentro da estrutura, próximo à junção, ocorrem recombinações de lacunas e elétrons. Essa recombinação exige que a energia possuída elétrons, que até então era livre, seja liberada, o que ocorre na forma de calor ou fótons de luz .
    No silício e no germânio, que são os elementos básicos dos diodos e transistores, entre outros componentes electrônicos, a maior parte da energia é liberada na forma de calor, sendo insignificante a luz emitida (devido a opacidade do material), e os componentes que trabalham com maior capacidade de corrente chegam a precisar de irradiadores de calor (dissipadores) para ajudar na manutenção dessa temperatura em um patamar tolerável.
    Já em outros materiais, como o arsenieto de gálio (GaAs) ou o fosfeto de gálio (GaP), o número de fotons de luz emitido é suficiente para constituir fontes de luz bastante eficientes.

    😉

  • ísis:

    Ao que tudo indica, os LEDs podem matar dois coelhos com um único tiro: diminuir a energia elétrica gasta e melhorar a autoestima das pessoas.

  • bruno bardog:

    no mercadolivre voces acham lampadas led para carro e casa, por um preço razoavel…

  • karlloz:

    O LED já existe ha um bom tempo, só não substituiu as lâmpadas comuns porque sua durabilidade é muito grande o que faz com o que os fabricantes não se interesse em produzir o material que vai demorar muito para ser substituído. Apesar do preço alto o custo beneficio é enorme.

Deixe seu comentário!