Michael Faraday: clique e confira um tributo a esse gênio

Por , em 23.09.2013

 

Michael Faraday tributo

Tributo a Michael Faraday

No dia 22 de setembro ele faria 222 anos.  O mundo mudou muito graças a ele.

Se me perguntassem qual seria o cientista mais influente na história da humanidade eu responderia de pronto: Michael Faraday.

Eu sei que não estaria sozinho nessa defesa.

Graças a seus esforços foi que se deu origem à era da eletricidade.

Grandes nomes como  Edison, Siemens, Tesla e Westinghouse,  só tornaram possível a popularização da eletricidade graças aos trabalhos de Faraday, cujos princípios são usados até hoje em diversos campos da ciência e da tecnologia.

Nascido em 22 de setembro de 1791  em Newington, Surrey na Inglaterra  Michael Faraday foi  principalmente um experimentalista.

Na física,  Michael Faraday foi um dos pioneiros a estudar as relações entre eletricidade e magnetismo.

Em 1821 publicou, fundamentado nos estudos de Oersted,  um trabalho sobre transformação de energia elétrica em energia mecânica, denominado “rotação eletromagnética” que trazia nada menos que o princípio de funcionamento dos motores elétricos.

Em 1831 descobriu a indução eletromagnética, princípio de funcionamento dos geradores e transformadores elétricos – ambos fundamentais para a construção de nossas modernas usinas hidrelétricas, termelétricas, etc. bem como a distribuição da energia elétrica produzida.

Na química, além de descobrir o benzeno, foi o primeiro a sintetizar os primeiros cloretos de carbono conhecidos. Criou os fundamentos da metalurgia e da metalografia, além de desenvolver tecnologia para a  liquefação de diversos gases, tornando  tecnicamente viáveis diversos processos de refrigeração  até hoje utilizados.

Criou a eletroquímica, introduzindo e fundamentando conceitos tais como eletrólito, ânodo, cátodo, eletrodo,  íon, entre outros – conceitos esses,  fundamentais não só para o entendimento de seu princípio de funcionamento quanto  para a fabricação em escala industrial  de pilhas e baterias, popularizando o uso das mesmas.

Faraday-Millikan-Gale-1913

Sem a ciência e a tecnologia desenvolvida por Faraday não teríamos energia elétrica em nossas casas e nem baterias para os nossos gadgets de última geração.

Já se imaginou sem eletricidade e todos os benefícios que dela advém direta e indiretamente?

Só por isso, eu o considero o cientista que mais impactou nossa história .

Cabe também ressaltar aqui, a defesa filosófica da ciência por ela mesma.  Coisa que Faraday fez – e muito bem.

Muitos leigos questionam a pesquisa pura – a ciência que busca simplesmente por respostas aos grandes enigmas do universo.

A maioria das pessoas quer saber apenas das aplicações práticas e viram as costas a esse tipo de estudo.

Antes de virar aplicação, antes de virar tecnologia a própria eletricidade, tão imprescindível nos dias de hoje, parecia naquela época meramente uma curiosidade de laboratório.

Algo como um truque de mágica. Um simples entretenimento.

Contam os biógrafos de Faraday que ao ser interpelado pela rainha da Inglaterra sobre qual seria a utilidade dessa tal de eletricidade, Faraday teria respondido com outra pergunta. Algo do tipo:

– Qual seria a utilidade de um bebê?

-o-

[Imagem 01 – Plasma bulb – Luna Vorax]

[Imagem 02 – Michael Faraday – Wikimedia commons]

[Leia os outros artigos de Mustafá Ali Kanso]

 

LEIA SOBRE O LIVRO A COR DA TEMPESTADE do autor deste artigo

À VENDA NAS LIVRARIAS CURITIBA E ARTE & LETRA

Navegando entre a literatura fantástica e a ficção especulativa Mustafá Ali Kanso, nesse seu novo livro “A Cor da Tempestade” premia o leitor com contos vigorosos onde o elemento de suspense e os finais surpreendentes concorrem com a linguagem poética repleta de lirismo que, ao mesmo tempo que encanta, comove.

Seus contos “Herdeiros dos Ventos” e “Uma carta para Guinevere” foram, em 2010, tópicos de abordagem literária do tema “Love and its Disorders” no “4th International Congress of Fundamental Psychopathology.”

Foi premiado com o primeiro lugar no Concurso Nacional de Contos da Scarium Megazine (Rio de Janeiro, 2004) pelo conto Propriedade Intelectual e com o sexto lugar pelo conto Singularis Verita.

 

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 5,00 de 5)

9 comentários

  • pmahrs:

    Cesar Grossmann. Sim!! Eu chamei de conhecer, neste caso, ter consciência da existência, que de fato, como o Sr demonstra, é diferente de dominar com propriedade, reproduzir e usar de forma útil. Neste último sentido a maioria de nós não conhecemos, mas há especialistas como o nobre amigo. Cada vez mais aparece novas aplicações.

  • pmahrs:

    Se fosse para citar 3 domínios humano ou hominídeo mais importante eu diria o domínio do fogo a roda e domínio da eletricidade.

    Hoje somos completamente dependentes da energia elétrica, o problema (Toc, toc, toc) que basta uma catástrofe, natural ou provocada que toda nossa tecnologia entrelaçada e dependente uma da outra cai em cascata. A maneira mais rudimentar que sei fazer fogo é com fósforo e mesmo assim se falhar duas riscadas eu já fico impaciente. Temos que fazer de tudo para valorizar a paz e o diálogo se não a 4° guerra será com paus e pedras, já previa o sábio mestre cientista.

    Hoje temos motores cada vez mais eficientes e carros que fazem 100 Km com um litro de gasolina, acredito que um dia as casas serão autossustentáveis em energia elétrica; ou até a própria pessoa para seus aparelhos externos e embutidos, não vamos estragar tudo.

  • Cesar Grossmann:

    Depende do que você chama de “conhecer”. O fenômeno elétrico era encarado como uma curiosidade até por Benjamin Franklin, que depois de fazer as brincadeiras que fazia com eletricidade, ponderou que seria bom se a humanidade encontrasse algum uso para a mesma.

    Faraday foi mais a fundo, e estabeleceu relações de grandeza entre eletricidade e magnetismo. É a diferença entre saber que um animal existe, e saber qual sua dieta, comportamento, história evolutiva, etc.

  • pmahrs:

    E Dizem que já era conhecida antes de Benjamin Franklin.

  • Mustafá Ali Kanso:

    Caro leitor:

    Com respeito aos seus “entretantos”:

    1)Eu mesmo cito “Em 1821 publicou, fundamentado nos estudos de Oersted” que a história da eletricidade não se inicia com Michael Faraday.

    2) As empresas são criadas por pessoas.

    Grato pela participação.

  • Leandro Pinheiro Gomes:

    Grande Cientista!!!

  • pmahrs:

    Mais do que merecida homenagem. Seus adversários na chamada “guerra das correntes” entre Thomas Edison e George Westinghouse Eletrocutaram a “elefanta Topsy” para mostrar os perigos da geração transmissão de corrente alternada desenvolvida por Tesla e adquirida por Westinghouse que permitia muito mais aplicações do que a contínua. Estas cenas gravadas pelo próprio Edson com sua recém-inventada câmera de filmar, se acha na internet até hoje. Não procurem se não suportar cenas fortes, temos que entender que a ciência também já foi rudimentar, a maioria dos cientistas de hoje jamais aprovariam isto, antigamente era aceitável experimentos com animais sem nenhuma regulamentação e devemos muito a estes heróis do reino irracional, cuja morte foi devido a nossa ignorância, arrogância e ganância e não apenas para alimentação, mas já salvaram muitos de nós mesmo assim. Tesla ao invés de expor animais ele mesmo ficava cercado sob chuvas de raios mortais.

  • Zoro:

    Gostei da matéria , é realmente muita influência mesmo.Mas na foto de Faraday marca o ano de 1913, acredito ser um equívoco do pois ele teria 122 anos. Se nao me engano morreu em 1867.

    • Mustafá Ali Kanso:

      Caro Leitor,

      A foto de Michael Faraday é de alguma data próxima de 1861. O nome do arquivo Faraday-milikan-gale-1913 é apenas uma referência para wikimedia commons.

      Grato pela participação.

Deixe seu comentário!