Minutos antes de morrer: fotos que vão partir seu coração

Por , em 9.06.2014

Você já parou para pensar como são os últimos minutos de uma pessoa, antes de morrer?

Como disse Hipócrates, que viveu em 377 aC, “é mais importante saber que tipo de pessoa tem uma doença do que qual tipo de doença tem uma pessoa”.

Às vezes, a gente fica tão preocupado com uma doença e coloca tanta energia naquilo, que acaba esquecendo a pessoa que está ali, os minutos que ela tem antes de morrer, sempre achando que teremos mais “depois”.

Em 2009, foi lançado um filme hollywoodiano que serve de exemplo para essa questão. Chama-se “Uma Prova de Amor”, e foi estrelado por Cameron Dias, Abigail Breslin e Sofia Vassilieva. O filme conta a história de uma garotinha (Sofia Vassilieva) que foi diagnosticada com leucemia ainda criancinha. O câncer dela era extremamente severo, e exigia constantes doações de medula da irmã mais nova (Abigail Breslin), concebida justamente para tentar salvar a vida da primogênita. Chegou um ponto que a irmã doente se cansou de lutar contra o câncer e resolveu aceitar que o fim estava próximo.

A mãe, interpretada por Cameron Diaz, não aceitou essa decisão. Ela queria que a filha continuasse passando pelos procedimentos doloridos, mesmo que fosse para prolongar a vida dela por mais um dia que fosse. Ela passou a ignorar o sofrimento da filha perante o tratamento, e focar apenas na doença.

Foram histórias assim que inspiraram o ensaio do fotógrafo Andrew George. Na série de imagens que você vai ver a seguir, o artista mostra pessoas minutos antes de morrer, e nos faz um convite para refletir a respeito da vida e da morte. Os personagens do ensaio, ao contrário da garotinha do filme, estão no fim da vida, mas em uma idade mais avançada. Eles estão mais perto do fim simplesmente porque chegou a hora, como chegará a de todos nós.

Minutos antes de morrer: a ideia

Em entrevista ao jornal estadunidense Huffington Post, George contou que quando teve a ideia desse projeto estava em um memorial feito para a mãe de um amigo que acabara de falecer. Apesar da dor da perda, ele disse ter ficado maravilhado com a forma como ela foi homenageada naquele momento, e como havia tanto amor genuíno e incondicional ali.

Depois de ver tudo aquilo, ele começou a pensar sobre a vida da mulher, tudo que havia aprendido com ela e todos os momentos felizes que tinha em sua memória.

George, então, tornou-se interessado em pessoas que vivem sabendo que a hora de sua morte está chegando, pessoas brilhantes que por tanto tempo passaram despercebidas em pontos de ônibus, nas ruas, nos supermercados, cidadãos comuns, heróis não reconhecidos, forçados a lutar com toda a força do mundo, enquanto seus corpos continuam enfraquecendo cada vez mais.

“Para todos eles, começou como provavelmente vai começar para você um dia: uma coceira estranhamente persistente na parte de trás da cabeça, um desconforto no lado esquerdo, um nódulo entre os dedos que se tornou impossível de ignorar”, explica Alain de Botton, no prefácio do projeto.

Como o próprio fotógrafo conclui, “estes homens e mulheres não eram diferentes de qualquer um de nós, e, mais cedo ou mais tarde, todos nós estaremos vivenciando o que eles viveram”.

Veja a comovente série de fotos de pessoas minutos antes de morrer, e prepare-se para ficar de coração partido: [huffington post]

o-JOSEFINA-900

o-SARA-900 slide_350349_3760095_free slide_350349_3760096_free slide_350349_3760097_free slide_350349_3760098_free slide_350349_3760100_free

slide_350349_3760101_free slide_350349_3760102_free

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (6 votos, média: 4,50 de 5)

24 comentários

  • José C. Florenci:

    Nascemos, vivemos e morreremos. É o ciclo da vida, outras gerações estão aí, outras virão. Mas é bem triste sim.

  • Wellington Candido:

    Perdi minha mãe e meu irmão em situações parecidas, seria muito bom poder ter dito algo antes deles partirem.

  • Marco Oliveira:

    Ficariam mais interessantes se houvesse uma sequência de fotos de cada pessoa morrendo e colocando seu depoimento de morte.

    • José C. Florenci:

      Paulo foi inventado pelo cristianismo ,assim como Jesus.

  • Afonso Bochnia:

    O Apostolo Paulo disse que “O morrer para mim é Cristo e o Viver é lucro” Amem?

    • Isaias Gomes da Silva:

      Esse Paulo além de não gostar de mulher, ainda afirma uma coisa dessa!.Se cristão acha que viver é lucro então não arrisque perder o paraíso

  • maria sirlei cavalcante:

    Incrível a expressão do olhar de cada enfermo.

  • Thiago Soares:

    Uma das coisas mais tristes que já vi …

  • Camila Teixeira Borges:

    “Livrai-nos, Senhor, de uma morte súbita e imprevista”

    • Levi Carvalho:

      Camila, prefiro o contrário. Já que temos que morrer, que seja de uma morte súbita e imprevista, assim não sofremos.

    • Aquele Jovino:

      Eu prefiro o que a camila disse, quando eu for morrer, quero saber antes, caso tenha algo pra resolver eu quero tempo pra tentar.

  • Jobson Andrade Filho:

    Ainda penso ser como o personagem chegando ao final da viagem, como será a nova estação… haverá uma?

  • Rodrigo Botecchia:

    Minha avó e madrinha se foi duas semanas atrás… Eu não fui vê-la internada no hospital, simplesmente não CONSEGUI. E vendo essas pessoas… Ah, Deus…

  • Samuel Almeida:

    Não sei porque, mas eu não consegui ficar triste com isso. Tenho algum problema?

    • Marcelo Ribeiro:

      Acho que é porque não é ninguém de sua própria convivência.

    • magrelinho:

      Ficar triste ou não com respeito à morte, depende muito de como a pessoa encara isto… Não existe uma regra a ser seguida… cada um se manifesta como entende dentro de si, que deve ser… afinal, existem várias definições para morte… há pessoas que acreditam que a morte é absoluta, já outras a tratam como uma passagem para outro mundo… geralmente, pessoas que acreditam que a morte é absoluta são mais apegadas fisicamente, portanto manifestam a dor da perda de forma mais intensa.

    • Cesar Grossmann:

      Não te despertou absolutamente nenhum sentimento?

    • Camila Teixeira Borges:

      Talvez vc enxergue o lado positivo da morte: é o fim da peregrinação terrestre do homem segundo o projeto divino para decidir seu destino

    • jab:

      Eu tbm não senti nada demais. Creio que reagiria de outra forma se houvesse um relato da circunstância da morte de cada pessoa nas fotos.

    • Joao B. Ventura:

      Creio que não, todo aquele que tem consciência que nascemos para morrer e morremos para a vida eterna, não tem preocupação no fato de morrer

    • Cesar Grossmann:

      “morremos para a vida eterna” – os mais desesperados em fazer a vida durar mais um pouco são os religiosos…

  • Alessandro Penteado:

    Comovente

  • Milton Lopes:

    Não fazendo mal uso do comentário..percebe-se que maioria já estão com certa idade avançada. E como dizia Nietzsche..¨a morte só não é aterrorizante quando a vida já esta totalmente consumada¨….alguns já estavam conformados creio eu.

    • Cesar Grossmann:

      É possível. Mas tem gente que já está bem velhinho e continua com medo da morte. Geralmente quem tem medo do inferno ou não tem muita confiança no céu…

  • Felipe Silvino:

    Emocionante, percebe-se claramente nos semblantes dos enfermos sua aceitação perante a realidade de suas vidas, e de como é triste ter de esperar a sua morte mas ao mesmo tempo, a sublime tarefa de viver cada dia como se fosse o ultimo.

  • Felipe Silvino:

    Emocionante, precebe-se claramente nos semblantes dos enfermos sua aceitação perante a realidade de suas vidas, e de como é triste ter de esperar a sua morte mas ao mesmo tempo, a sublime tarefa de viver cada dia como se fosse o ultimo.

Deixe seu comentário!