O maior experimento de fusão nuclear do mundo poderá resultar em energia limpa e barata para todos

Por , em 8.11.2016

Trinta e cinco países estão trabalhando em conjunto para construir o primeiro reator de fusão nuclear em larga escala do mundo.

Se bem sucedidos, seus esforços poderiam ajudar os seres humanos a finalmente aproveitar todas as vantagens dessa “energia verde infinita”.

Os sete principais parceiros do International Thermonuclear Experimental Reactor (ITER) – Europa, Estados Unidos, China, Índia, Japão, Rússia e Coréia do Sul – lançaram o projeto há 10 anos com planos para aquecer o primeiro plasma até 2020, e atingir a fusão completa em 2023.

Agora, de acordo com Bernard Bigot, novo chefe do ITER e ex-chefe para energia nuclear da agência estatal francesa CEA, os prazos foram alterados para primeiro plasma até dezembro de 2025, e potência máxima até 2035.

Fusão nuclear

Na fusão nuclear, os núcleos dos átomos colidem uns nos outros, liberando enormes quantidades de energia. Ela é muito mais poderosa do que as reações utilizadas em instalações nucleares atuais, e não produz resíduos radioativos ou gases do efeito estufa.

Isso é principalmente porque ela é alimentada por um tipo de hidrogênio pronto para ser extraído a partir da água, tornando-se uma fonte de energia ilimitada e com pouco impacto ao meio-ambiente.

ITER

O reator, com um custo exorbitante atual estimado em US$ 20 bilhões, está em construção no sul da França.

Fusão nuclear sustentada nunca foi realizada em grande escala antes. O orçamento do projeto já quadruplicou ao longo do período de planejamento de uma década.

Enquanto alguns céticos dizem que o ITER não vai virar nada, os engenheiros envolvidos na construção do reator esperam que ele se torne totalmente operacional em 20 anos. [Qz, Reuters]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (5 votos, média: 4,80 de 5)

4 comentários

  • Jhonata Ferreira:

    É uma piada dizer que US$ 20 bilhões é exorbitante. Não foi sitado o Lítio que vai ser o “coadjuvante” disso tudo.

  • Tibulace:

    Fusão Nuclear do Hidrogênio, só possui UM defeito:Está SEMPRE 30 anos à frente, não importam quantos anos passem.O futuro, que NUNCA chega!

  • Glauco Abreu:

    Absurdo a reportagem dizer que US$ 20 bilhões para construir algo tão importante seja exorbitante frente ao que se gasta com guerras.

    • Raphael Nascimento:

      Eu concordo totalmente, exorbitante onde? US$ 20 Bilhões pra mim é troco de pão u.u

Deixe seu comentário!