O que acontecerá em 100 quintilhões de anos?

Por , em 29.11.2017

O que acontecerá conosco nos próximos milhões, bilhões e quintilhões de anos?

Um vídeo criado pelo canal do YouTube Riddle explorou algumas possibilidades intrigantes do futuro da raça humana e do planeta Terra.

O que acontecerá daqui, digamos, dez quintilhões de anos? Bastante coisa.

Mas vamos por partes.

Daqui 1.000 anos

Daqui mil anos, devido a rápida evolução das línguas, nenhuma palavra que utilizamos atualmente existirá. As estrelas também terão se movido, então haverá uma visão diferente no céu (Gamma Cephei substituirá Polaris, por exemplo).

Daqui 2.000 anos

Em dois mil anos, as plataformas de gelo terão derretido completamente por conta do extremo aquecimento global de 8 graus Celsius. Os níveis do mar aumentarão em seis metros.

Daqui 20.000 anos

Se nós sobrevivermos a essa mudança climática, daqui vinte mil anos, a região de Chernobyl finalmente será segura de novo.

Daqui 50.000 anos

As Cataratas do Niágara irão desaparecer. A erosão do Lago Erie se completará, e as quedas deixarão de existir. A Groenlândia estará livre de gelo, com um aquecimento global moderado de 2 graus Celsius.

Daqui 100.000 anos

O titânio em seu Macbook começará a corroer. Um supervulcão ou um asteroide capaz de alterar o clima na Terra afetará o planeta. Todas as estrelas no céu serão completamente diferentes, devido ao movimento da galáxia.

Daqui 500.000 anos

O combustível remanescente nos reatores de hoje finalmente será seguro. E o mundo congelará novamente.

Daqui 1.000.000 anos

Em um milhão de anos, todos os vidros criados hoje finalmente terão se degradado. Estruturas massivas de rocha, como as pirâmides de Gizé ou as esculturas do Monte Rushmore, podem ainda existir. Todo o resto… Bem, já era.

Daqui 5.000.000 anos

Em cinco milhões de anos, as previsões são mais difíceis. Algumas teorias propõem que o cromossomo Y vai desaparecer, tornando o sexo masculino impossível.

Daqui 50.000.000 anos

Em cinquenta milhões de anos, a África vai colidir com a Eurásia, selando a bacia mediterrânea e criando uma cadeia de montanhas similar ao Himalaia. O gelo da Antártica vai migrar ao norte e derreter, aumentando o nível do mar em 75 metros. Não se preocupe com isso; toda a nossa galáxia pode estar colonizada por uma espécie alienígena superior até lá.

Daqui 60.000.000 anos

Nessa época, a órbita da Terra se tornará imprevisível.

Daqui 250.000.000 anos

Os continentes começarão a se mover e formar um único supercontinente novamente.

Daqui 800.000.000 anos

A fotossíntese C4 será impossível, o que acarretará no fim de toda a vida multicelular.

Daqui 2.000.000.000 anos

Em dois bilhões de anos, o núcleo da Terra congelará, e o planeta vai parar de rotar. Sem rotação = sem campo magnético = sem proteção da radiação do sol = a temperatura de superfície será de 147 graus Celsius. Toda a vida se extinguirá.

Daqui 7.000.000.000 anos

Em sete bilhões de anos, o sol atingirá seu raio máximo, 256 vezes maior do que seu tamanho atual. Mercúrio, Vênus e talvez a Terra serão destruídos. Em seguida, nossa estrela se tornará uma anã branca com um total de 50% de sua massa atual.

Daqui 20.000.000.000 anos

Um fim potencial do universo pode ocorrer em 20 bilhões de anos: toda a matéria será destruída pela expansão do universo. Todas as distâncias se tornarão infinitas.

Daqui 100.000.000.000.000 anos

Em cem trilhões de anos, todas as estrelas terão morrido. Os únicos objetos presentes no universo serão remanescentes, anãs brancas, estrelas de nêutrons e buracos negros.

Finalmente, em cem quintilhões de anos…

Se a Terra já não tiver sido engolida pelo sol, sua órbita finalmente decairá e o planeta mergulhará em direção a sua antiga estrela para sua destruição.

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (20 votos, média: 4,50 de 5)

26 comentários

  • Luan Santos:

    até 50.000.000 anos ainda faz sentido, depois disso fica tudo muito vago nessa teoria.

  • Luan Santos:

    E se por hipótese essa teoria estiver correta, certamente até la já haverá a descoberta de outros universos.

  • Luan Santos:

    No começo até faz sentido, mas depois perde totalmente a razão não há maneira de quantificar essas informações.

  • Alba Breen:

    Não tenho sabedoria suficiente para tanto conhecimente científico para discutir esse assunto.
    Sou intelectualmente deficiente.

  • Alba Breen:

    Não tenho sabedoria suficiente para entrar na discussnao. Sou intelectualmente deficiente….

  • David Msf:

    Esqueceram de dizer que um pouco depois de 100 sextilhões de anos (em 1 septilhão se anos) todos os prótons do universo já vão estar começando a decair em pósitrons e píons. Não poderão mais existir núcleos atômicos, portanto nem átomos, moléculas, enfim matéria (pelo menos não da forma que a conhecemos hoje…) Os elétrons estarão livres para abandonarem suas órbitas (pelo menos aqueles que conseguirem fugir da colisão com os pósitrons resultantes do decaimento do próton de seu núcleo atômico…). Seria o fim de toda a matéria, ou pelo menos daquela matéria que ainda não se tornou totalmente inacessível por ter sido engolida por algum dos incontáveis buracos negros que na época estarão espalhados por todo o universo…

  • RebeloFernandes:

    Pena o espaço para comentários ser tão curto. Vou tentar descrever o que teorizo sobre o Universo.

    • Cesar Grossmann:

      Não vai dar, Rebelo. Teu texto vai ficar muito picado, difícil de acompanhar e de entender. Faça um favor a si mesmo, cria um blog e publica lá o teu trabalho. A Internet é bem democrática, vai lá que tem um cantinho especial para você.

  • RebeloFernandes:

    A diminuição do raio atom dos átomos também é responsável pelo > temp nas estrelas e planetas. Daí o interior da Terra não ter arrefecido…

    • Cesar Grossmann:

      Rebelo, o calor interno de planetas e de estrelas tem origem diferente. Até por que a matéria está em estado físico diferente em planetas e estrelas.

  • RebeloFernandes:

    Se considerarmos na MQ a diminuição da DEPU(Dens Energ Pot Univ) no local, verificaremos que o raio atómico diminui. Criação de estrelas….

    • Cesar Grossmann:

      Rebelo, não tem como o raio atômico diminuir sem que todas as outras constantes físicas serem afetadas.

  • RebeloFernandes:

    A expansão do universo faz diminuir a dens de energ potencial universal no local. As massas universais estarão cada vez mais distantes.

  • Hector Latorre:

    Como assim o universo será destruído e depois ainda restarão anãs brancas e ainda só depois que a Terra mergulhará no Sol? Qual o sentido?

    • Cesar Grossmann:

      Sentido do que?

    • Ronaldo Boeira Corrêa:

      Cesar, qual o sentido de o universo ser destruído e depois ainda restar anãs brancas e ainda só depois que a Terra mergulhar no sol?

    • Cesar Grossmann:

      Ronaldo, é um dos potenciais finais do universo. Em outras palavras, há uma teoria que diz que em 20 bilhões de anos o Universo acaba. Se esta teoria estiver errada, ainda tem mais coisas acontecendo.

  • T Bone:

    E quando a terra parar de girar, qual continente ficara exposto à luz do sol?
    Existem cálculos para isto?

    • Cesar Grossmann:

      Tem várias respostas. 1) Nenhum, não vai ter oceano, não tendo oceano, não tem continente. 2) Impossível calcular, tem muitos fatores que tornam o resultado imprevisível, como a interação gravitacional com outros planetas ou até mesmo com o vento solar.

  • RebeloFernandes:

    A Terra irá se afastar do Sol tal como a Lua se afasta da Terra. Eles serão proporcionais à expansão do Univ
    A parte expande tal como o todo

    • Cesar Grossmann:

      A mudança da órbita da Terra implica em uma mudança na energia cinética da mesma. De onde vem esta mudança?

  • RebeloFernandes:

    O Sol e a Terra assim como todos os planetas irão encolher, anualmente irá aumentar a sua temperatura. T1=To^((Iu+1)/Iu)
    Iu Idade Universal

    • Cesar Grossmann:

      Rebelo, não dá para os átomos encolher, sem que as constantes do Universo mudarem, e outras constantes dependentes delas, como a velocidade da luz que depende da permeabilidade do espaço. É muita mudança e tudo tem que acontecer de forma simultânea e na taxa correta.

  • RebeloFernandes:

    Os atomos a encolher fazem com que o Sol e a Terra fiquem todos os anos mais pequenos à taxa de 1/Iu.
    Iu-Idade do universo=15285000000 anos

  • RebeloFernandes:

    Com a expansão do universo os átomos vão encolher, logo os planetas também. A Terra irá se afastando do Sol tal como a Lua da Terra.

    • Cesar Grossmann:

      Rebelo, até onde eu sei o tamanho dos átomos depende algumas constantes físicas, e não está relacionado com a expansão do Universo.

Deixe seu comentário!