Os papais nos tornam humanos

Por , em 22.06.2009

Quase 95% dos mamíferos machos têm pouca ou nenhuma interação com seus filhotes. Um caso muito diferente é o dos humanos, o que leva alguns cientistas a entenderem que isso faz parte do que nos faz humanos.

A maior parte das pesquisas feitas sobre o assunto concentra no fato que o pai é o provedor e protetor de suas crianças. E enquanto sejam importantes para essas tarefas, eles também podem ser muito importantes para melhorar o desenvolvimento de habilidades psicológicas e emocionais, como a empatia, o controle emocional e a capacidade de ter relacionamentos sociais complexos. Diferente dos outros animais, os humanos precisam de seus pais para muito mais que apenas a concepção.

Se tornando pai

Enquanto outros filhotes de primatas podem viver sozinhos com uma década de vida, os humanos ficam até 20 anos com seus pais, afirma David Geary, da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos. Antropólogos especulam que a vulnerabilidade das crianças humanas faz com que o cuidado de várias pessoas seja necessário – o que faz com que a figura paterna seja mais requisitada. De acordo com Geary, a presença de uma figura paterna ajuda a diminuir as taxas de mortalidade infantil e a melhorar a saúde das crianças.

Ele afirma também que é provável que, com a presença do pai, as crianças passaram a ser mais dependentes e a tornar mais longas suas infâncias. Com mais uma pessoa cuidando delas, as crianças não precisariam crescer com tanta pressa. Pais também têm uma forma diferente de tratar os filhos, afirma Geary: “Eles irritam as crianças, até o ponto que elas não agüentam mais, e depois as acalmam”, diz. Esse comportamento ensinaria as crianças a controlar suas emoções.

Futuro das crianças

Quando os filhos de pais presentes se tornam adultos, têm maior tendência a ter relacionamentos estáveis e se tornarem bons pais. De acordo com a antropóloga Sarah Hrdy, ser criado por mais de uma pessoa faz com que a criança se torne mais sociável e mais emocionalmente segura. Em comunidades tradicionais, avós e tias assumem o papel para cuidar da criança, mas atualmente, em famílias mais nucleares, esse papel é passado para o pai, de acordo com Hrdy.

Geary afirma que quando o relacionamento com o pai não é harmônico ou pouco afetuoso, a insegurança pode fazer com que a criança cresça mais rápido. Meninas têm a primeira menstruação mais cedo e tendem a se envolver em relacionamentos problemáticos, enquanto os garotos se tornam agressivos e sexualmente opressivos. [Live Science]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

5 comentários

  •   10 mistérios sobre a evolução humana by brothers:

    […] que a maior parte dos mamíferos aquáticos de tamanho semelhante ao humano tenham pelagem densa. » Os papais nos tornam humanos 2. Por que somos […]

  • Alvaro:

    Tem muita verdade nesse artigo, eu sou de bairro simples, com muitos filhos de mães solteiras, e vejo na prática a diferença entre os meninos com e sem pai, a maioria que tende para o lado da malandragem, cometem assaltos e coisas do gênero não tem pai.

    • Igor:

      O pai eh importante, mais a mãe eh indispensável, um homem criar uma criança sozinho(sem baba inclusive)eh uma tarefa hercúlea.

  • lucas:

    prova que essa pesquisa e verdadeira e so olhar para os traficantes e maconheiros…..a maioria aqui do meu bairro nao tem pai,ou se tem ta preso….outro bom motivo para os pais serem participativos na criaçao dos filhos é que as filhas tem mais chances de casarem virgem…

    • Marcella Cristina:

      Nem sempre é assim.
      Eu nunca tive pai, nunca senti falta, minha mãe soube me criar, tanto é que nunca cheguei a ir pela cabeças de amigos, me envolver em bebidas ou fumo. Sou certinha e nunca dei trabalho.
      Tenho 17 anos (faço 18 esse ano) e ainda sou BV, para piorar, mal consigo olhar nos olhos de um homem sem receio.
      Acho na minha humilde opinião que tanto você quanto o Alvaro foram um pouco premeditados neste assunto.

Deixe seu comentário!