Pensar demais pode ser prejudicial

Por , em 20.09.2010

Uma pesquisa de âmbito nacional, realizada recentemente no Reino Unido, descobriu que algumas pessoas pensam muito sobre a vida. Essas pessoas têm memórias mais pobres, e também podem estar depressivas.

Cientistas britânicos analisaram como o tamanho do cérebro varia, dependendo do quanto as pessoas pensam sobre as decisões. As pessoas que pensam mais se estão certas ou não têm mais células em uma área do cérebro conhecida como os lobos frontais.

O estudo é o primeiro a mostrar que existem diferenças físicas entre as pessoas no que diz respeito ao tamanho desta área. Essas diferenças de tamanho têm a ver com quanto cada pessoa pensa sobre suas próprias decisões.

A equipe de Londres recrutou 32 voluntários para o estudo. Os pesquisadores pediram que eles tomassem decisões difíceis. Eles tinham de olhar para duas fotos, em preto e cinza, muito similares, e dizer qual delas tinha pontos mais iluminados.

Em seguida, os voluntários tiveram que dizer o quão certo eles estavam de sua resposta, numa escala de 1 a 6. Embora fosse difícil dizer a diferença entre as fotos, elas foram ajustadas para se certificar de que ninguém achasse a tarefa mais difícil do que as outras pessoas.

As pessoas que tinham mais certeza de suas respostas também tinham mais células cerebrais na parte frontal do cérebro, conhecida como córtex pré-frontal anterior.

Esta parte do cérebro é associada a muitos transtornos cerebrais e mentais, incluindo o autismo. Os pesquisadores querem avançar seus conhecimentos nessa área e aprender mais sobre esses tipos de diferenças, porque acreditam que isso, mais para frente, possa ajudar pessoas com doenças mentais.

Eles também esperam serem capazes de melhorar a capacidade dos pacientes em reconhecer que eles têm uma doença e se lembrarem de tomar seus remédios.

No entanto, pensar muito sobre as decisões pode ser muito ruim. Os pesquisadores disseram que algumas pessoas têm muita tendência a agir assim e isso leva a um risco de depressão.

Por exemplo, mais de 1.000 pessoas participaram de uma pesquisa nacional que ligou um tipo de memória, chamada de “memória de trabalho”, com a saúde mental.

A memória de trabalho envolve a capacidade de recordar pedaços de informação por um curto período, mas enquanto você está se lembrando deles, também faz algo com as informações.

Aqueles com a pior memória de trabalho, entre 10 e 15% das pessoas, eram mais propensos a meditar sobre as coisas e enrolar para tomar decisões. Isso poderia levar a um risco maior de depressão.

Segundo os pesquisadores, todos esses links entre o cérebro, a memória, e a forma como as pessoas pensam, podem ter vantagens e desvantagens. Mais estudos são necessários para entender como exatamente funcionam essas associações. [BBC]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 3,00 de 5)

13 comentários

  • Hibou Potter:

    “Só” tenho 14 anos e penso demais na vida. Penso no quanto minha vida era melhor quando eu era criança, não que eu tenha crescido a muito tempo, e como minha vida é uma bosta, e o quanto eu não queria achar minha vida uma bosta porque isso é coisa de adolescente idiota, e o quanto eu sou idiota, e o quanto eu não queria ser idiota. Penso tanto na vida que nem chego a viver ela. A vida é tão difícil quando você começa a perceber as coisas e parar de se preocupar somente com brinquedos e…

    • Thainá Dominguês Benasse:

      Uau. Parece eu. Mais você é muito inteligente. Nessa idade eu não pensava sobre isso.
      Sim, a gente pensa tanto que esquece de viver-la. :/

    • Thiago Polegatch:

      Pensar mais libera mais cortisol,sobrecarregando os neurônios de calcio, causando excitotoxicidade,ou seja, morte dos neurônios.Pense nisso.

  • Jackson Roberto:

    Vou pensar muito sobre esse assunto…

  • Klaus Alencar:

    A MALDIÇÃO DE CASSANDRA
    Márcia Villas-Bôas

    Cassandra e seu irmão gêmeo Heleno, filhos do rei de Tróia, Príamo, foram agraciados por Apolo, ao nascerem, com o dom da profecia.
    Apolo, porém, vendo Cassandra crescer em inteligência e beleza, por ela se apaixonou. Cassandra, que servia à deusa Atena, recusou seu amor e Apolo, ferido em seu orgulho, retirou da moça o dom da persuasão, isto é, por mais que profetizasse, ninguém acreditaria no que dissesse.
    Cassandra, desesperada porque ninguém a escutava, avisava a todos sobre os perigos que Tróia corria, sobre o fogo que a destruiria, sobre a necessidade de que tomassem providências sobre o que ocorria em seu Reino para que a desgraça não caísse sobre ele, mas ninguém acreditava em suas palavras. E não escutavam nada do que dizia, julgando estar a moça completamente enlouquecida.
    Na história de nossa humanidade, foram muitos os que carregaram, e que ainda carregam consigo a maldição de Cassandra. Pelo visto, ao amaldiçoar Cassandra, Apolo estendeu seu anátema a todos aqueles que conseguem ver um pouco além mas que, quando expõem sua nova visão do mundo, são crucificados, queimados em fogueiras, ou vistos como loucos, coisa que vem acontecendo ao longo da nossa História.
    Será isso apenas mais um capricho dos deuses, ou um castigo para aqueles que ousam pretender mostrar à humanidade o caminho mais rápido e indolor para o resgate de uma cegueira milenar?

  • Aninha2012.:

    ISSO EU SEMPRE SOUBE… POIS SEMPRE QUE EU PENSO DEMAIS EU FICO TRISTE… FICO DEPRESSIVA… E AGRESSIVA… E QUANDO EU PENSO NO MEU PASSADO FICO MUITO DEPRESSIVA…

  • Zulian:

    PENSO que esta pesquisa pode ser tendenciosa. Quanto menos as pessoas pensam melhor para uma série de setores, inclusive do poder ou da politica. Sou pesquisadora e conheço os métodos de pesquisas e estes sempre podem ser tendenciosos e acompanhar as hipóteses pre concebidas dos pesquisadores, não reconheço a validade de tal pesquisa e menos ainda seus resultados. Pensar é uma condição extremamente importante para pessoas que pretendem evoluir enquanto humanos. Pensar é o que permite que pessoas mantenham a sua condição de humanos. Pensar, nunca é demais, contanto que saibam alimentar seus pensamentos e tbm saibam relaxar a mente para que ela mesma produza a tranquilidade necessária para não entrar em depressão. Não é o pensar muito que faz mal e sim o não saber pensar. Pesquisas podem ser enganosas, é sempre prudente PENSAR sobre o que podem estar a nos dizer. Isto é sério se queremos nos desenvovolver – de forma humana. é o não pensar que facilita a desumanização das pessoas. Saber pensar é sempre produtivo e positivo. Um abraço.

    • Daaniel Caarlos Coelho:

      Pensar sempre é ótimo, mas até água em excesso mata.

  • Tania:

    PENSO que esta pesquisa pode ser tendenciosa. Quanto menos as pessoas pensam melhor para uma série de setores, inclusive do poder ou da politica. Sou pesquisadora e conheço os métodos de pesquisas e estes sempre podem ser tendenciosos e acompanhar as hipóteses pre concebidas dos pesquisadores, não reconheço a validade de tal pesquisa e menos ainda seus resultados. Pensar é uma condição extremamente importante para pessoas que pretendem evoluir enquanto humanos. Pensar é o que permite que pessoas mantenham a sua condição de humanos. Pensar, nunca é demais, contanto que saibam alimentar seus pensamentos e tbm saibam relaxar a mente para que ela mesma produza a tranquilidade necessária para não entrar em depressão. Não é o pensar muito que faz mal e sim o não saber pensar. Pesquisas podem ser enganosas, é sempre prudente PENSAR sobre o que podem estar a nos dizer. Isto é sério se queremos nos desenvovolver – de forma humana. é o não pensar que facilita a desumanização das pessoas. Saber pensar é sempre produtivo e positivo. Um abraço.

  • criancinha:

    Sei como é…

    Pensei demais, deixei de fazer algo que todos fazem, por acchar perda de tempo…

    Pensei demais, perdi minha fé caótilica apostólica romana…

    Pensei demais, vivo em crise existencial…

    Penso demais, e acabo nao fazendo nada…

  • José Carlos Lobo Barbosa:

    Discordo, porque dependem de muitos referenciais conceituais, teóricos, filosóficos, científicos, metodológicos, técnicos, sociais, etc. Pensar demais pode ser benéfico em certos momentos, em outros não. Depende da quantidade deste “demais”, do contexto, do tema, do assunto, da capacidade cognitiva e emocional das pessoas envolvidas direta e indiretamente nas questões. É muito complexo. Por exemplo, ações simples e mecânicas como dirigir um carro podem gerar automatismos e não necessitam de demora no pensar e no agir. Já o processo e julgamento em um tribunal de justiça necessitam de certo tempo hábil para serem efetivados. Não é possível fazer-se justiça passando por todos os trâmites normalmente usuais em qualquer processo em uma velocidade muito acima do normal. Pode-se aumentar a celeridade do pensar e do agir até certo ponto, mas dentro do possível. Muitas vezes (nem sempre), a pressa é inimiga da perfeição ou do serviço bem feito.

    José Carlos Lobo Barbosa, Graduado em Filosofia pela UFMG, Técnico em Gestão de Negócios pelo SEBRAE MG e investidor financeiro.

  • amanda bernardo s:

    faz sentido.as pessoas se prendem demais as decisoes que iram tomar,isso faz com que pense mais,`matute´ mais…com isso elas se isolam para enfim ter a resposta que acha que poderia estar certa.com isso pode obviamente vir a depressao…

  • Leo:

    O cérebro com capacidade de aceitar a realidade ou que possui alguma habilidade absoluta, também pode ser Psicopata, Bipolar, Doubling ou Esquizofrênico.
    Quanto mais poderoso for o cérebro, mais exigente ele será, e mais difícil controlar os diferentes IDs que competem entre si pelo controle do EU.
    Além disso, a “Maldição de Cassandra” ensinar que os lúcidos viveriam “soberanos”, porém sem ninguém pra compartilhar o que descobriram…

Deixe seu comentário!