Descobertas as fundamentais diferenças entre músculos de sedentários e desportistas

Por , em 19.05.2013

Um estudo publicado recentemente no The Journal of Clinical Investigation descobriu que pequenos pedaços de material genético, chamados microRNAs, ligam as duas características fundamentais dos músculos aptos fisicamente: a capacidade de queimar gordura e açúcar, e a capacidade de alternar entre contrações lentas e rápidas de fibras musculares.

A descoberta sugere que os microRNAs podem ser usados no desenvolvimento de novos tratamentos médicos destinados a melhorar a aptidão muscular em pessoas com doenças crônicas ou lesão.

“Neste estudo, nós queríamos determinar, em um nível molecular, o que torna um músculo apto fisicamente durante o desenvolvimento ou após o exercício. Esta informação é relevante para os nossos esforços em melhorar a aptidão muscular em muitas condições de saúde, como envelhecimento, câncer e doenças cardíacas. Estes resultados também podem ser úteis para membros ativos das Forças Armadas que ficam ‘destreinados’ após lesões e tempo de recuperação”, disse Daniel P. Kelly, principal autor do estudo.

Músculo atlético

O músculo apto fisicamente é conhecido por sua capacidade de fazer duas coisas: queimar gordura e açúcares e alternar entre os músculos de contração lenta e de contração rápida. De acordo com Kelly, aptidão muscular só ocorre se as duas habilidades estão funcionando corretamente. O aumento da resistência do músculo não pode ocorrer sem aumentar esses dois componentes musculares.

Metabolismo e estrutura muscular

Kelly e sua equipe queriam determinar o que ligava o metabolismo e a estrutura muscular. Para fazer isso, eles se voltaram para dois tipos diferentes de ratos, cada um especialmente projetado para produzir proteínas distintas (mas relacionadas) que “ligam e desligam” genes específicos dos músculos.

O primeiro tipo, atlético, tem um gene regulador de músculo chamado PPARβ/δ. Estes ratos podem correr muito mais do que ratos normais. O segundo tipo, sedentário, produz um gene regulador muscular diferente, chamado PPARu. Estes ratos são capazes de queimar uma grande quantidade de energia, mas não podem correr muito.

Para identificar a relação entre o metabolismo muscular e o tipo de fibra muscular, a equipe de pesquisadores comparou as diferenças moleculares entre esses dois tipos diferentes de rato.

Primeiro, os cientistas descobriram que ratos sedentários têm a “chave” metabólica ideal, mas não o “interruptor” de fibra muscular. Em contraste, os ratos atléticos possuem as duas características necessárias para a aptidão muscular.

Os dois modelos de rato também diferiram em perfis moleculares. A equipe descobriu que os ratos atléticos produzem certos microRNAs capazes de ativar o interruptor de fibra muscular. Este mesmo circuito é suprimido em ratos sedentários.

Mais além, os pesquisadores determinaram que o gene PPARβ/δ conecta microRNAs através de um fator intermediário, chamado de receptor de estrogênio-dependente (ERRγ). Esta proteína colabora com PPARβ/δ para ligar microRNAs, e é por isso que os ratos atléticos são mais aptos do que os sedentários (o PPARβ / δ e a ERRγ induzem os microRNAs certos neles).

Nos seres humanos

Para determinar se os resultados do estudo eram relevantes para a saúde humana, Kelly e sua equipe trabalharam com o pesquisador Steven R. Smith para obter tecido muscular de pessoas sedentárias (que não se exercitam regularmente) e pessoas ativas em boa forma.
Eles descobriram que a ERRγ e um dos microRNAs elevados em ratos atléticos com PPARβ/δ também eram mais encontrados em pessoas ativas, mas não no grupo sedentário.

“Estamos realizando estudos humanos adicionais para investigar o circuito de ERRγ-microRNA como um caminho possível para melhorar a forma física em pessoas com doença crônica ou lesão”, disse Kelly. “O próximo passo é saber o que acontece com este circuito durante o exercício, e qual efeito tem sobre o sistema cardiovascular”.[MedicalXpress]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 4,00 de 5)

Deixe seu comentário!