Pílula para o coração pode apagar memórias

Por , em 25.02.2009

Uma pílula feita para controlar a pressão do sangue (que já está disponível em nossas farmácias) pode, um dia, ajudar as pessoas a apagar memórias desagradáveis e, até mesmo, ajudar no tratamento de ansiedade e de fobias, de acordo com um estudo holandês.

O nome genérico do remédio é propanolol beta-bloqueador.

O tratamento com a pílula reduziu, significativamente, as memórias que causavam aracnofobia em um grupo de voluntários saudáveis.

De acordo com a psicóloga da Universidade de Amsterdã, Merel Kindt, o medo de aranha foi praticamente embora, sugerindo que as memórias que o causavam foram enfraquecidas.

As descobertas são importantes, já que a droga pode ajudar as pessoas a se recuperarem de traumas e outros problemas relacionados à memórias ruins.

Tradicionalmente, terapeutas buscam ensinar aos seus pacientes algumas estratégias que bloqueiem essas lembranças traumáticas. O problema é que as memórias ainda estão lá e, mesmo que as pessoas as bloqueiem por um tempo, elas podem voltar.

Kindt e sua equipe analisaram 60 pessoas que, quando viam a foto de uma aranha, levavam um pequeno choque. Logo, eles associavam o animal com uma experiência ruim. Um grupo dessas pessoas usou o beta-bloqueador e o outro um placebo.

Outras 60 pessoas foram expostas à foto da aranha, mas não recebiam choque.

No dia seguinte, a resposta das pessoas que haviam usado o beta-bloqueador foi a mesma do que a dos voluntários que não levou choque. Já as pessoas que usaram o placebo, continuaram com medo e lembranças ruins quando expostas à foto.

“Isso mostra que o beta-bloqueador possa ter enfraquecido a memória ruim” explica Kindt.

Os próximos passos do estudo serão analisar por quanto tempo o efeito da droga dura no cérebro e testar o tratamento em pessoas que realmente sofram com fobias. [Reuters]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

4 comentários

  • phoenix:

    Parece que o fato é que o propanolol causa uma diminuição do ritmo cardíaco, e isso leva a a gente a agir sem uma descarga grande de adrenalina no sangue.
    Tomo Propanolol todos os dias como tratamento de enxaqueca e pressão alta. Não acho que te4nha perdido o medo das coisas. Acho sim que esse medicamento diminuiu minha ação de resposta a perigos eminentes me dando maior tranquilidade e até, porque não, uma clareza de pensamento para agir melhor diante de situações adversas.
    Ao meu ver as conclusões sobre a experiência foram muito precoces e até inconsistentes.
    É o mesmo que a piada do cara que arrancou as pernas da aranha e disse que ela fica surda quando não tem pernas.

  • Ciro:

    na verdade vc tem mt a perder, vc não sabe possiveis efeitos colaterais tanto sob seu corpo, nem em relação à sua memoria em relacao à outros fatos.
    E se isso, por exemplo, fizer com q vc não se sinta mais tão apaixonado por pessoa X? (uma vez que tudo isso está no cerebro… não se pode excluir a possibilidade)

  • Júnior:

    Sinistro. Lembra muito o filme “Brilho Eterno de Uma Mente sem Lembranças”, com o ator (Jim Carrey), um marido magoado por sua esposa tê-lo deletado (literalmente) de sua memória. Assim, ele resolve retribuir na mesma moeda e procura o mesmo médico para passar pela mesma experiência. Ele simplesmente “apaga” a esposa da memória. Bem legal.

  • Eu da Silva Sauro:

    Impressionante! Sempre tive uma aracnofobia severa, e em janeiro tomei propanolol no hospital. Acredito que uma dose apenas não cause um resultado eficaz, mas não sinto mais aquela taquicardia e desespero quando me encontro com uma (claro, bem pequena). De ontem pra hoje matei duas aranhas de cerca de um centímetro (corpo e patas), isso seria impensável pra mim até um ano atrás. Pensando bem, acho vou pegar a minha receita que esqueci na gaveta e ir comprar na farmácia… não tenho nada a perder!

Deixe seu comentário!