Por que pessoas (comumente racionais) acreditam em teorias conspiratórias?

Por , em 27.05.2013

Sempre que ocorre algum evento que causa comoção, principalmente catástrofes, acidentes e assassinatos, surgem em seguida as “teorias conspiratórias”. Ora foi o governo quem armou, ora foram os maçônicos, ou então os Illuminatti, ou os católicos, ou até mesmo os alienígenas.

As teorias são malucas e contraditórias, completamente irracionais, mas, por incrível que pareça, as pessoas que acreditam nelas não. E, normalmente, quem acredita em uma teoria conspiratória, acredita em várias. Segundo os psicólogos, isto acontece por que as teorias conspiratórias não são a resposta a um único evento, mas a expressão de uma maneira de ver o mundo.

Segundo o livro de Richard Hofstadter, “The Paranoid Style in American Politics” (“O Estilo Paranoico na Política Americana”, em tradução livre), publicado em 1965, teorias conspiratórias, especialmente envolvendo estrangeiros intrometidos, são um dos passatempos prediletos dos norte-americanos. Atualmente, 63% dos eleitores americanos registrados acredita em pelo menos uma teoria conspiratória política.

Cínicos e impotentes

Numa tentativa de entender o que acontece na cabeça de alguém que abraça teorias conspiratórias, Viren Swami, professor de psicologia que estuda crenças em conspirações na Universidade de Westminster, Inglaterra, conduziu um estudo e descobriu que a maioria dos que acreditam em teorias conspiratórias tendem a ser cínicos em relação ao mundo em geral e à política em particular.

As teorias conspiratórias são atraentes para aqueles que se sentem impotentes frente ao mundo – recessões econômicas, ataques terroristas e acidentes naturais são ameaças contra as quais tempos muito pouca influência sobre quando ou como acontecerão, além de suas consequências. As teorias conspiratórias são uma reação a essa incerteza e impotência.

O mecanismo fisiológico dessa crença pode ser disparado pela amídala, região que colocaria o cérebro em modo de análise, repetindo informações em uma tentativa de criar uma narrativa coerente e compreensível para entender o que aconteceu, quais ameaças ainda existem e o que ainda deve ser feito.

“Você saber a verdade e os outros não é uma forma de se sentir no controle novamente”, diz Swami. O indivíduo se sente confortado por ter feito a sua própria pesquisa no assunto, mesmo que seja uma pesquisa falha, e se sente como o velho bode sábio no meio do rebanho de ovelhas.

Surpreendentemente, existe uma correlação entre fazer teorias conspiratórias e ter um sentimento forte em relação aos princípios democráticos. Kathryn Olmsted, historiadora da Universidade da Califórnia (EUA), diz que teorias conspiratórias não existiriam em um mundo em que conspirações reais não existissem.

E as conspirações reais que existiram, como o caso Watergate ou o episódio dos Irã-Contras, envolvem a manipulação e subversão dos processos democráticos.

Vacinados contra a realidade

Infelizmente, o acesso a informação de alta qualidade não nos trouxe uma era em que as discordâncias deste tipo pudessem ser resolvidas com uma pesquisa no Google. De fato, a internet só piorou as coisas.

O viés de confirmação, que é a tendência de dar mais atenção às evidências que apoiam as nossas crenças, é uma falha humana bem conhecida, e por séculos tem sido assunto de estudos. Nos últimos anos, pesquisadores descobriram que não dá para eliminar esse viés com fatos.

A descoberta veio do trabalho dos cientistas políticos Brendan Nyhan e Jason Reifler, que identificaram em 2006 o “efeito do tiro pela culatra”. Eles demonstraram que os esforços feitos para desacreditar informações políticas erradas pode na verdade deixar as pessoas mais convencidas ainda de que a informação falsa é verdadeira.

E qual o problema de se acreditar em uma teoria conspiratória? Isso pode fazer com que a pessoa se sinta no controle, mas não faz com que ela esteja no controle.

Mais ainda, um estudo feito por Karen Douglas, psicóloga da Universidade de Kent (Inglaterra), mostrou que as pessoas que recebem informações apoiando as teorias conspiratórias, como as teorias conspiratórias sobre a mudança climática e a morte da princesa Diana, tinham maior tendência a ter menos participação política e eram menos propensos a tomar alguma medida para reduzir sua “pegada” de carbono no meio ambiente.

Muitos podem conseguir fama como vendedores de conspirações, políticos podem ganhar votos sugerindo que existe alguma conspiração, mas o cidadão comum não ganha nada com as teorias conspiratórias. Pior ainda: a crença nas conspirações podem ter implicações perigosas de saúde.

Uma pesquisa mostrou que afro-americanos que acreditam que a AIDS é uma arma governamental contra eles têm menos propensão a fazer sexo seguro. Os pais que acham que governo e corporações estão ocultando informações sobre supostos perigos que as vacinas trariam às crianças têm menos propensão a vacinar seus filhos. O resultado são surtos de sarampo e de coqueluche e até mesmo algumas mortes em locais com baixas taxas de vacinação.

Os psicólogos não estão certos se a sensação de impotência causa teorias conspiratórias, ou se o contrário ocorre. De qualquer forma, o pensamento científico atual sugere que estas crenças não passam de uma forma extrema de cinismo – uma maneira de dar as costas aos políticos e à mídia tradicional – o que só perpetua os problemas. [New York Times]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

17 comentários

  • Tiago Vieira da Rocha:

    Nem sei se a maioria aqui sabe ler um texto ou que consiga foco para ir até o fim.

  • Jeová Soares:

    Quem tem medo da verdade? Como qualquer teoria, ela só tem que ser provada ou não. Por que não contestá-las com argumentos contrários e baseados em fatos.

    • Rosana Oliveira:

      jeová, o problema é que pros conspiracionistas os argumentos e fatos nunca são fortes o suficiente.

    • Jeová Soares:

      A verdade deveria prevalecer. Mas, isso é um problema humano.

  • Leandro Pinheiro Gomes:

    Em um país cheio de corruptos, com diversos mensalões e dinheiro na cueca pra todos os lados, transferências de dinheiro para contas no exterior, não me admira que a população acredite em teorias da conspiração.Afinal de contas, muitas teorias que foram rotuladas como conspiração, mais tarde se provaram verdadeiras.
    Acredito que a material, tem embasamento científico, porém, não concordo que devemos ser 100% céticos e descartar uma teoria só porquê ela parece improvável.
    É fato que muitas vezes a ficção aflora nossa imaginação, permitindo que algumas vezes imaginemos coisas que não são a verdade.
    Porém o verdadeiro sábio não descarta a busca dos fatos para tirar conclusões, é preciso buscar provas que apoiem, ou descartem a teoria antes julga-lá conspiratória ou não.
    Lembrando um fato que hoje parece engraçado, mas a pouco mais de 500 anos a terra era plana para todos, até que “Loucos” como Colombo, e Galileu abriram os olhos do mundo.

  • Sebastiao Inacio:

    Por que antes de redigir não lê os livros, os artigos e vê os vídeos de Jim Marrs, Jordan Maxwell, Zecharia Sitchin, só prá começar? Seria mais producente. Veria os documentos, as atas das reuniões, os estudos de arqueologia, assassinatos, psudo-suicídios, etc. Teorias são baseadas em teses. O que temos hoje são fatos e evidências. No Brasil existem pessoas que têm opinião sobre qualquer assunto sem sequer ter estudado os livros básicos sobre eles. Assim fica impossível discutir com leigos. Desejo uma boa evolução e que ocorra o melhor com estes que assim pensam. http://secao1.blogspot.com

    • Carla Saboya:

      Zecharia Sitchin????mas nesse contexto nao vejo o que ele tem haver??

  • Bruno Pita:

    Texto tendencioso e imparcial. O “negócio” é que as Teorias Conspiratórias se encaixam em qualquer fato que qualquer pessoa julgue errado. Você, tomando um banho, ou abrindo a geladeira, consegue formar uma Teoria destas. O caso é que algumas são absurdas, e as pessoas (talvez, como diz o texto, “irracionais”)tendem a pelo menos, não questioná-las. É aí que entra o caso dos tais racionais, pra, pelo menos, taxá-las de absurdas – e consequentemente, não acreditar nelas. É isso que eu quero dizer, basta ser racional, e “selecionar”, porque, ao meu ver e de milhões de pessoas (não incluindo o sr. Grossmann, é claro) essas teorias são tão falsas quanto a Teoria da Evolução. Saber acerca das conspirações, não é a causa do amedrontamento de alguns, esses mesmos, são medrosos naturalmente.

  • ROC:

    Baixa auto-estima, cinismo, paranoia, internet piorando o problema? Do jeito tendencioso que o texto está exposto já parece uma conspiração. De fato, se podemos comprovar que existiram algumas conspirações, por que não existiriam outras?

  • Fernando Fernandes:

    A grande maioria vai de embalo só a contrariar os valores Reais como sempre aquele zé povinho dominante …

  • Ed aud hudson:

    Ótima reportagem, uma teoria conspiratória é um jeito arrojado de fazer a pessoa se sentir um individuo auto confiante perante o meio social,em outras palavras é o adulto fazendo pirraça em forma de criança, talvez de uma forma inconsciente, e não como cinismo como diz o texto, acho que esse problema é mais amplo e é só uma parte de uma raiz mais profunda que torna o ser humano egocêntrico a procura de uma inverdade egoísta e pretenciosa, acho incrível que, como diz o texto que muitas das pessoas sejam racionais e muitas dão aula de civilidade e competência se enveredem por um estudo vazio e lhe atribuem arduamente o fervor de provas incabíveis.( como Erich Von Daniken por exemplo).
    Para essas pessoas a verdade e a mentira estão em uma linha estreita que oscila em um pêndulo, de um lado as descobertas do universo que são feitas por pessoas idôneas e prodígios da humanidade e do outro a incrível capacidade de juntar um quebra cabeças conforme sua perspectiva egocêntrica.

  • neutrino:

    O mecanismo fisiológico dessa crença pode ser disparado pela amídala, região que colocaria o cérebro em modo de análise, repetindo informações em uma tentativa de criar uma narrativa coerente e compreensível para entender o que aconteceu, quais ameaças ainda existem e o que ainda deve ser feito.

    Parece o mesmo fenômeno que levaram a criação da mitologia.

    Hoje o mundo mudou muito na questão das idéias.
    Ninguém consegue mais seja doutrina, políticas ou que idéia for, defender só um lado.
    Sempre vamos estar em contado com os dois lados da questão. Isso é uma característica do mundo moderno.

    • Julia:

      Felizmente.

  • Guilherme Euripedes:

    Corroborando o que já disseram, tolo é aquele que acredita sem questionar.

    Mais um vez a mídia para grandes massas tenta controlar o povo com uma espécie de psicologia reversa, tentando fazer o cidadão crítico aceitar o que lhe passam como verdade fazendo com que ele se sinta “o idiota” por acreditar em teorias conspiratórias.

    Até um tempo atrás era teoria conspiratória dizer que os EUA tinham aprisionados ETs em algumas de suas bases militares. Hoje um Ex-Ministro da Defesa de um país aliado aos EUA afirma veementemente que os mesmos detem sob seu poder não um, mas vários seres alienígenas.

    Será mesmo um idiota um político que fica no poder militar de um país por 20 anos? Será tudo isso teoria da conspiração?

    Bullshit.

  • Dênnis Godoy:

    “As teorias são MALUCAS e CONTRADITÓRIAS, completamente IRRACIONAIS…”

    Sério, irracional é o jornalista do New York Times. Possivelmente a ideia dele era só gerar alvoroço em torno de seu texto. E parabéns, tem mais de 400 comentários na página da publicação do jornal! Para alguém que trabalha com a “indústria do controle das mentes” é conveniente fazer o que ele fez: tentar desbancar as ideias da oposição.

  • Rodrigo Duarte:

    A unica parte do texto que eu concordo é “que teorias conspiratórias não existiriam em um mundo em que conspirações reais não existissem.”
    Como o próprio texto diz exitem fatos históricos que passaram de teoria a fato, no brasil temos o mensalão e por ai vai.
    Acho que o fato de alguém buscar a verdade é muito mais valido do q acreditar cegamente, talvez essa seja a verdadeira razão de os racionais acreditarem em teorias da conspiração, até porque vivemos em um mundo onde existem muitos grupos de poder conspirando (planejando formas de alcançar seus objetivos).
    Pense na guerra fria, o quanto era importante vender mentiras como verdade, ou fazer verdades parecerem mentira.
    Resumindo ao meu ver, quem acredita em alguma teoria da conspiração, é muito mais interessado em politica do q quem tem dogmas. Questione para aprender, decore para repetir. Meeh

    • kid redman:

      O mundo está repleto de conspirações, em diversas áreas, com toda a certeza, independente do fato de acreditarem ou não !
      Salve-se quem puder.

Deixe seu comentário!