Porque conversas de celular alheias nos prendem a atenção?

Por , em 19.09.2010

Alguns se irritam mais, outros menos, mas o fato é que ninguém gosta muito de ficar ao lado de uma pessoa conversando no celular por muito tempo, principalmente se estiver tentando se concentrar em algo. O motivo: ouvir somente metade de uma conversa distrai muito mais do que ouvir a conversa toda.

Os pesquisadores da Universidade Cornell, em Nova Iorque (EUA), chamaram participantes para um jogo que exigia atenção e concentração. Aqueles que estavam na presença de uma conversa entre duas pessoas, ao vivo, tiveram desempenho superior àqueles que ficavam ao lado de alguém falando ao celular. Contudo, quando os pesquisadores tornaram a conversa de celular confusa e sem sentido, a diferença desapareceu; o participante envolvido voltou a prestar atenção no jogo.

O resultado, portanto, sugere que o motivo da perda de atenção é a sequência de informações. Involuntariamente, nosso cérebro tenta completar o que o interlocutor telefônico da pessoa ao nosso lado está dizendo. Enquanto as informações fizerem sentido, a conversa puxa nossa concentração, mas esta se volta para o que estamos fazendo assim que o diálogo deixa de fazer sentido. Se estamos na presença de duas pessoas e seu diálogo não nos interessa, conseguimos nos focar muito melhor em uma tarefa do que conseguiríamos se esse mesmo assunto estivesse sendo discutido via celular.

Este estudo sobre estímulos externos ao cérebro se aplica a outras pesquisas, como por exemplo, a investigação de como os animais são capazes de perceber onde há comida em determinado ambiente. Para achar, o animal se foca em sinais que fazem sentido para ele (o cheiro ou a audição), que já o levaram a encontrar comida antes. As perturbações que não representam nada para ele são imediatamente descartadas. No caso dos humanos e seus celulares, a questão é tanto comportamental quanto psicológica, mas igualmente instintiva. [Live Science]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

5 comentários

  • amanda:

    parece que mta gente não entendeu mais foi dito que a gente presta atenção na conversa se for interessante e quando faz sentido pra gente claro que vendas por telefone não tem nada de interessante rsrs
    eu ja me peguei no onibus por exemplo prestando atenção em uma discusão por cel rsrs mto engraçada, e ai vc fica pensando oq a outra pessoa estará falando do outro lado.

  • Luciene:

    A conversa de outras pessoas no celular não me distrai, o que mais me distrai é qdo uma pessoa começa a falar, sem parar, comigo, enquanto eu estou fazendo alguma coisa.

  • Everton Carlos da Costa Cardoso:

    Sou católico. Mas antes de entrar numa igreja, desligo o celular.

  • Douglas Miranda:

    No meu caso isso nem funciona, trabalho ao redor de gente falando mais por celular do que pessoalmente. Se aquela história de celular causar câncer existisse, não exestiria mais meu ramo: vendas. Concordo com o mencionado na matéria; mas comigo é diferente pois já virou rotina.

  • Ezio Jose:

    Não pertenço e não sou batizado em nenhuma Igreja, porém, costumo frequentar esporadicamente algumas sem me apegar às denominações. O que vejo, principalmente nas Igrejas Evangélicas onde pode-se entrar e sair qualquer hora do culto (meio-início-fim), é um grande número de telefones celulares tocando e fiéis atendendo-os durante o culto. Na Igreja Católica também há ocorrências do gênero, porém, com menos frequência, mesmo porque existem períodos de cultos pré-datados e com horário de início e fim que não passam muito de uma hora.
    Talvez, por selecionarem somente partes da bíblia que lhes interessam, eles não gostam de ler o Eclesiastes. Um dia, quem sabe, descobrirão que existem tempo, lugar e pessoas para cada coisa.

Deixe seu comentário!