Implante cerebral poderia restaurar membros paralisados

Por , em 13.01.2016

Recentemente, a Fundação Nacional de Ciência dos Estados Unidos deu um financiamento de US$ 16 milhões ao Centro de Engenharia Neural Sensorimotor (CSNE) da Universidade de Washington para o desenvolvimento de um implante cerebral que poderia um dia ajudar a trazer de volta à atividade membros paralisados.

Segundo a seção “Motherboard”, da revista “Vice”, estas “interfaces bidirecionais cérebro-computador” agem nas ligações cruciais entre o cérebro e a medula espinhal, preenchendo lacunas causadas por uma lesão ou um acidente vascular cerebral. Os implantes em miniatura seriam concebidos com a capacidade de detectar a intenção do cérebro de fazer alguma coisa e, em seguida, transferir essa intenção à parte apropriada do corpo – um procedimento complexo.

“Quando Christopher Reeve sofreu uma lesão medular devido a uma queda de cavalo, seus circuitos cerebrais ainda estavam intactos e capazes de formar a intenção de se mover, mas, infelizmente, a lesão impediu que a intenção fosse transmitida para a medula espinhal”, conta Rajesh Rao, diretor do CSNE, no comunicado à imprensa divulgado pela universidade.

“Nossos dispositivos implantáveis ​​visam ligar essas conexões perdidas para decodificar os sinais do cérebro e estimular a parte correspondente da medula espinhal para que a pessoa possa se mover novamente”.

Verba para pesquisa

A nova rodada de financiamento será distribuída ao longo de quatro anos. A equipe do CSNE diz que quer ter demonstrações de prova de conceito em seres humanos nos próximos cinco anos, em seguida desenvolvendo dispositivos aprovados. Há esperança de que possa ser usado para ajudar o sistema nervoso a reparar e religar-se ao trabalhar em torno de regiões danificadas.

“Há uma enorme necessidade não atendida, especialmente com o envelhecimento da população da geração de baby boomers, para desenvolver dispositivos médicos e ajudar as pessoas com problemas neurológicos progressivos ou traumáticos, tais como acidente vascular cerebral e lesão da medula espinhal”, afirma Rao.

Embora os implantes cerebrais eléctricos estejam se tornando cada vez mais comuns no tratamento de condições como a doença de Parkinson, o bombardeamento constante de impulsos – mesmo quando a pessoa está em repouso – pode conduzir a efeitos secundários indesejáveis ​​e, claro, descarregar a bateria do dispositivo muito rapidamente. Os pesquisadores do CSNE estão trabalhando na próxima geração dos chamados implantes de circuito fechado, que aplicam a estimulação elétrica direcionada somente quando necessário.

A equipe pretende usar parte do financiamento que recebeu para pesquisar a ética desses implantes cerebrais, que têm o potencial de mudar fundamentalmente o cérebro de uma pessoa e talvez até mesmo sua identidade. Se os testes em humanos forem bem sucedidos e a tecnologia for aprovada para o mercado mais amplo, é preciso que estes posicionamentos já tenham sido discutidos para estarmos prontos para quaisquer efeitos psicológicos que poderiam vir com os benefícios físicos. [Science Alert, Motherboard, University of Washington]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

Deixe seu comentário!