Presença de metano pode indicar vida em um planeta

Por , em 21.11.2011

Astrônomos se perguntam, há várias décadas, se pode existir vida em outros planetas. E o “método” para encontrá-la, na verdade, é muito simples: verificar se existe água no planeta em questão. A partir daí, é possível que haja vida. Mas cientistas americanos trabalham com a possibilidade de que a água talvez não seja tão fundamental assim.

No caso da Terra, a água está presente no estado líquido. Suas características permitem que haja movimentação de moléculas e elementos químicos necessária para o desenvolvimento da vida, o que sempre fez os astrônomos a considerarem indispensável. Mas pesquisadores da NASA afirmam que outros corpos celestes podem ser substitutos que cumpram o papel da água.

A base para essa teoria é Saturno. Pense em um gigantesco planeta, rodeado por aneis e situado a 1,4 bilhões de quilômetros do sol. Saturno tem uma série de satélites naturais, alguns dos quais são até maiores do que o planeta Mercúrio. Uma destas grandes luas, Titã, chega a ter a sua própria atmosfera, fator que intriga os astrônomos desde 1944.

Neste ano, o cientista Gerard Kuiper detectou metano na superfície de Titã. Mas a temperatura dessa superfície é de 179° Celsius negativos, ou seja, menos de cem graus acima do zero absoluto. Diante dessa condição climática, a água presente em Titã é dura como pedra. E o líquido que corre por rios desse satélite nada mais é do que metano líquido.

E os cientistas afirmam que há condições perfeitamente razoáveis para que o metano líquido, sob determinadas condições físicas e químicas, faça exatamente as funções que a água desempenha na Terra. O conjunto dessas condições seria o que os astrônomos chamam de “zona habitável de metano”: áreas onde a vida poderia se desenvolver.

Embora possa parecer um sonho distante, os cientistas encontraram um corpo celeste que reúne tais condições. De pequeno porte (anã vermelha), situada a 20 anos-luz da Terra, está a estrela Gliese 581. Essa estrela ficou famosa no meio astronômico, há alguns anos, justamente porque ao seu redor há planetas com condições para serem habitados.

Conforme as estimativas dos cientistas, nenhum dos quatro planetas que orbitam a estrela Gliese 581 possui exatamente a “zona habitável de metano”, em seu estado ideal, mas estão próximos desse ponto.

E já se sabe que corpos celestes que contêm metano podem muito bem coexistir com estrelas, e a lua de Titã é uma prova disso. Ainda não há evidências definitivas de que realmente poderia haver vida em um planeta que reunisse essas condições, mas cada vez mais indícios apontam nessa direção. [Space]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

7 comentários

  • burro:

    METANO;PERIGOS MAIS IMPORTANTE:O produto pode ser tóxico ao homem e ao meio ambiente se não utilizado conforme recomendações,é um gás inflamável;Para o metano,não existe antídotos específicos,não é aplicável ao meio ambiente;Como pode o gás metano indicar a presença de vida em um planeta?

    • Jonatas:

      Metano, meu amigo, um dos gases que liberamos nos momentos flatulentos da vida, é de fato nocivo em excesso e pode ser muito pior que o dióxido de carbono para o aquecimento global. Mas sua assinatura na atmosfera mostra que existe possibilidade de haverem seres produzindo o gás em algum lugar pela superfície. Em Titã, entretanto, a presença de metano e outros hidrocarbonetos é substancial, há lagos inteiros de gás natural líquido, a uma temperatura ambiente muito negativa. Lá, o metano desempenha um papel de ciclo como o que a água descreve aqui, incluindo chuvas e estações. Nós não suportaríamos esse ambiente, mas algumas bactérias podem ser capazes, ou outras formas de vida baseada nos elementos titanianos achariam esse mundo paradizíaco, e a terra eles achariam um lugar infernal.

  • Gui Melo:

    Ninguém mais tem essa imagem que extraterrestres são verdes e etc. Pode ser que encontrem apenas bactérias em outro planeta ou coisas do tipo, ja seria a confirmação de vida fora da terra, ou seja a existência dos famosos aliens.

  • MGK:

    Maior idiotice do mundo procurar vida em outros lugares baseado na vida terrestre, a vida pode ocorrer em qualquer condição.

    • Jonatas:

      A vida se adaptou aos mais diversos ambientes na Terra, mesmo aos mais inóspitos, gelados e radioativos, ela não é tão frágil quanto imaginam.

  • Jonatas:

    Interessante é notar que já se imaginava que haveria lagos de hidrocarbonetos em Titã antes mesmo da sonda Cassini os detectar. Atravesse aquela vasta camada nebulosa e encontrarás um mundo exótico e familiar ao mesmo tempo. Rios sempertiando entre cordilheiras, lagos profundos, vulcões de gelo… Se para a existência de vida bastar um meio fluído e energia, o ambiente frio de Titã satisfaz os critérios primários. É a segunda reportagem seguida sobre astrobiologia no hype, e a terceira seguida sobre satélites naturais; eles roubaram de vez o interesse dos planetas em nosso sistema Solar. Temos apenas um planeta a investigar biologicamente, Marte, mas cinco luas interessantes nesse sentido: Europa, Enceladus, Titã, Ganimedes e Rhéa.

    • Frank:

      Teremos belas surpresas no futuro…E talvez melhor q Marte.., Europa seja mais colonizavel; agua mais disponivel e talvez até vida e fonte de alimento..

Deixe seu comentário!