Universo produz estrelas em ritmo drasticamente mais baixo do que no passado

Por , em 8.11.2012

Aparentemente, não é apenas a economia europeia que está passando por um momento de crise: segundo estudo recente, o surgimento de estrelas no universo também está em baixa.

A pesquisa, feita por astrônomos de diversas nacionalidades (portugueses, britânicos, japoneses, italianos e holandeses), revelou que o índice de formação de estrelas está 30 vezes menor do que há 11 bilhões de anos, quando estava em seu auge.

Ciclo de vida estelar

Para compreender a evolução do universo, é fundamental analisar o processo de formação das estrelas.

De acordo com o modelo mais aceito atualmente, as primeiras estrelas começaram a surgir há aproximadamente 13,4 bilhões de anos (cerca de 300 milhões de anos após o Big Bang). No começo, esses astros eram, acredita-se, muito maiores do que os que vemos hoje, possivelmente cem vezes maiores do que o sol.

Com tanta massa, as primeiras estrelas envelheciam rapidamente, gastando seu combustível e entrando em colapso em “apenas” alguns milhões de anos. Já estrelas menores (que acabaram se tornando o “padrão”) tendem a ser mais estáveis e durar bilhões de anos.

Grande parte do material vindo de explosões estelares dá origem a novas estrelas – o sol, possivelmente, é de “terceira geração”. Seja como for, esses astros são parte fundamental das galáxias, por isso é importante compreender sua dinâmica.

Censo galáctico

No estudo, os pesquisadores usaram três telescópio (UKIRT, VLT e Subaru) para analisar a formação de estrelas em diversas galáxias e descobrir em que ritmo está o processo. Algumas das regiões analisadas estão tão distantes que a luz demora milhares de anos para chegar até nós – o que os cientistas veem, nesse caso, são verdadeiros retratos do passado.

“Você pode dizer que o universo está sofrendo com uma longa e séria ‘crise’: o ‘PIB cósmico’ é 3% do que costumava ser durante o pico da produção estelar”, explica o pesquisador David Sobral, da Universidade de Leiden (Holanda). “Se a queda continuar, então no resto da história do cosmo não mais do que 5% novas estrelas terão se formado”.

De acordo com o estudo, vivemos rodeados por estrelas antigas (metade das estrelas teria nascido durante o “boom”, entre 11 e 9 bilhões de anos atrás). “O futuro parece realmente sombrio, mas nós temos bastante sorte por viver em uma saudável galáxia de formação de estrelas, que será uma forte contribuidora”, diz Sobral. Depois de descobrir a existência da crise, os cientistas se depararam com um novo mistério: qual a causa desse declínio? É aguardar para saber.[ScienceDaily]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

4 comentários

  • Andre Luis:

    Muito interessante esta pesquisa. Nos mostra que ainda sabemos apenas uma pequena fração de todo o mecanismo do cosmo.

  • Alzir Fraga:

    Creio que a expansão do universo vem sempre causando a rarefação da quantidade de hidrogênio, hélio e poeira cósmica, dificultando assim a ação do campo gravitacional para que esses gases e poeira venham a se reunir em quantidade suficiente para iniciar a fusão nuclear.

  • Alberto Campos:

    Isto pode não ser bem assim. Se nos basearmos na teoria padrão, vamos acululando uma série de erros. Já temos vários deles, como por exemplo: a singularidade, a inflação cosmológica, energia escura, etc. Usando-se outra teoria da criação do universo (sem o big bang), vemos que a produção de estrelas é infinito, por que estas estrela dependem das descargas de raios gama, que são infindáveis. É claro que no início de tudo, quando o universo era pequeno, as estrelas estavam mais concentradas e com ele grande, estão mais espalhadas.

  • Jairo R. Morales:

    Segundo li, parece que um dos possíveis responsáveis por isso seriam a energia escura e a expansão do universo: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=galaxias-estao-ficando-sem-gas-formar-estrelas

Deixe seu comentário!