Russos conseguem sangue fresco de mamute

Por , em 2.06.2013

15.000 anos atrás, uma velha fêmea de mamute lanudo, com idade entre 50 e 60 anos e pesando cerca de 3 toneladas, estava fugindo de predadores e acabou caindo no gelo ou se atolando em um pântano. Seu cadáver foi encontrado recentemente por cientistas russos, em um bloco de gelo na Ilha Lyakhovsky, uma ilha do grupo mais ao sul do arquipélago Novosibirsk, na Sibéria.

As partes mais baixas do mamute, incluindo o estômago, ficaram encerradas no gelo nos últimos 10.000 a 15.000 anos. A parte superior do torso e duas pernas foram preservadas no solo, e mostram sinais de terem sido mordidas por predadores pré-históricos e modernos.

Semyon Grigoriev, chefe do Museu de Mamutes do Instituto de Ecologia Aplicada da Universidade Federal do Norte e Nordeste (Rússia) está chamando este de “mais bem preservado mamute da história da paleontologia”.

Mas não é só o estado de preservação do mamute que chama a atenção. Durante a escavação, conforme os pesquisadores retiravam blocos de gelo, eles notaram manchas de sangue escuro nas cavidades abaixo da barriga do mamute. Quando quebraram o gelo com uma sonda, o sangue começou a fluir. Só que isso não deveria acontecer – a carcaça e o sangue estavam presos em um bloco de gelo a -10°C.

k-bigpic (1)
“Podemos presumir que o sangue dos mamutes tenha alguma propriedade anti-congelante”, apontou Grigoriev. Esta descoberta é consistente com o trabalho feito por geneticistas canadenses que, em 2010, mostraram que a hemoglobina dos mamutes liberava mais oxigênio a baixas temperaturas que a hemoglobina dos elefantes modernos.

Além do sangue, os paleontólogos recuperaram tecido muscular, ossos e dentes. Segundo eles, o tecido muscular recuperado tem a cor vermelha de carne fresca. O sangue está passando por uma análise bacteriológica nos laboratórios da universidade, em Yakutsk, e os resultados devem sair em breve.

A descoberta de sangue líquido cria também a expectativa de que o mamute lanudo possa vir a ser clonado a partir deste material. A universidade já firmou parceria com o controverso cientista Hwang Woo-Suk (que já fraudou dados envolvendo um procedimento para clonar células humanas).

original (1)

Mas não são só os cientistas envolvidos em clonagem que estão interessados na fêmea de mamute lanudo – paleontólogos também esperam aprender mais sobre como viviam os mamutes da espécie. [io9, News Cnet, Huffington Post]

original

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 4,50 de 5)

13 comentários

  • Kássio Carvalho Sousa:

    que máximo! imagina só um híbrido de elefante com mamute

    • claudemir da silva:

      fantástica descoberta agora fica mais perte de clonar outro mamute

  • Karoline Ruas:

    Não tá tendo nem lugar pra gente que é bem menor pra ele…imagina pra um animal deste tamanho…isso é só pra lucro particular de turismo e tal…não tem nada a ver com o coitado do animal…é tudo ganância,se ele foi extinto em certa época deve ter um motivo bem especifico…não ache que isso é grande coisa ou magnifico…porque não é.
    Isso é tudo dinheiro.

    • Jeann Farias:

      Espaço no planeta é o que nao falta, se o ser humano resolve se amontoar em grandes capitais ai é outro problema…

    • atilamaltes:

      Se os cientistas pensassem igual a você, nós ainda viveríamos como os humanos do tempo dos mamutes.

  • Raphael Alves Balliana:

    será possivel usar um elefante para trazer de volta algo que a natureza extinguiu pois não teria mais espaço no planeta para tal animal? E como uma elefante femea vai suportar um filhote de mamute se os mamutes eram bem maiores que os elefantes?

  • Apollo 19:

    Sera mesmo que os mamutes voltarão a caminhar sobre a Terra…
    tomara que sim. Nada e impossível para a mente Humana

    • Carlos Ossola:

      Que bacana, sô! A reencarnação dos mamutes! Já pensou o efeito na mídia internacional? Terão que usar células de elefantes e uma barriga elefelantina de aluguel. Tenham em mente, apenas depois de várias clonagens teremos, ao invés de mafantes elemutes, mamutes originais. Tinha que viver pra ver isso.

  • Lizzard Medeiros:

    Imagina só! Ir ao zoo e ver de perto um autentico mamute? A humanidade me fascina! Sonho com uma cena dessas desde o Jurassic Park kkkkkkkkkkk

  • Romero Curtis:

    Que interessante. :]

  • Luis Mendes:

    WOW, quero ver o resultado dessa pesquisa em breve!
    Espero que consigam cloná-la, mesmo eu achando difícil disso acontecer :/

    • Cesar Grossmann:

      Difícil vai ser encontrar DNA intacto, com mais de 10.000 anos. Talvez eles consigam fazer uma solução de compromisso: colocam trechos de DNA do mamute no DNA do elefante (indiano ou africano?).

    • DJ Zero:

      Interessante o questionamento do Cesar Grossmann … acredito que pelas características da espécie, o melhor seria tentar com exemplares indianos, embora o fato do tamanho do filhote poder ser um inconveniente contornável, talvez por um parto prematuro.

Deixe seu comentário!