Teriam os portugueses descoberto a Austrália 250 anos antes dos ingleses?

Por , em 20.02.2013

A hipótese de que os portugueses tinham navegado até a costa da Austrália é bem antiga. Para dizer a verdade, vem do século XIX, mas de vez em quando recebe algum ânimo de vida.

O último destes ânimos foi dado pelo jornalista Peter Trickett, que publicou o livro “Beyond Cabricorn” em 2007, alegando ter provas que o capitão português Cristóvão de Mendonça liderou uma frota de quatro navios até a Botany Bay em 1522 – quase 250 anos antes do capitão britânico James Cook.

A prova em questão é um mapa do século XVI, encontrado em uma biblioteca de Los Angeles (EUA). Segundo Trickett, quando ampliado, o mapa é muito semelhante à costa leste da Austrália.

197385

A história de como Trickett encontrou o mapa é interessante em si mesma. Ao passar em uma livraria de Camberra (Austrália), ele encontrou uma cópia do Atlas Vallard, uma coleção de 15 mapas feitos antes de 1545 na França, representando o mundo conhecido.

Dois dos mapas, chamados “Terra Java”, chamaram sua atenção, pois tinham uma semelhança enorme com a costa australiana; exceto que em certo ponto a linha da costa dos mapas e da Austrália divergiam por um ângulo reto.

O palpite de Trickett foi que quem desenhou os mapas Vallard errou o posicionamento de um deles. Na época, os mapas eram desenhados em pergaminho, uma pele de animal, geralmente bode ou ovelha, com tamanho limitado, e para desenhar uma costa de 3.500 km provavelmente seriam necessários 3 ou 4 cartas cartográficas.

Na hora de produzir os Vallard, algum cartógrafo teria ficado confuso pela ausência de uma rosa dos ventos que orientasse o posicionamento correto do mapa. Utilizando um computador, Trickett girou a parte mais sul por 90 graus, e obteve o que chamou de uma cópia precisa da costa australiana.

O Capitão Cristóvão de Mendonça teria saído da base portuguesa de Malacca com quatro navios para descobrir a “Ilha do Ouro”, que Marco Polo dizia existir a sul de Java. A descoberta teria sido mantida em segredo por dois fatores: o primeiro, o fato de que os portugueses não tinham certeza se estavam invadindo território espanhol, de acordo com o Tratado de Tordesilhas. O segundo teria sido o terremoto de Lisboa em 1755, que levou à queima dos documentos no incêndio que se seguiu ao desastre.

O livro de Trickett foi traduzido para o português e discutido em 2008 por especialistas da história marítima portuguesa, “Os Portugueses na Austrália“, grupo criado especialmente para isso.

O consenso geral dos especialistas foi de que “os portugueses andaram pela Austrália, mas a Austrália não lhes interessou para nada”. Também afirmaram que “os portugueses estiveram na Austrália, [mas] os ingleses descobriram-na (no sentido do termo que compreende a noção de lhe terem dado um espaço no conjunto das nações)”.

Navegando tão perto daquela imensa massa de terra, era impossível que os portugueses não a tivessem encontrado. Mas as dificuldades de acesso e o pouco ouro encontrado provavelmente fizeram com que eles perdessem completamente o interesse no Novo Mundo. [Reuters, News.com.au]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

13 comentários

  • Dinho01:

    Se tivermos que mudar os livros de história por causa disso,também teremos que mudar os livros do Brasil,já que os espanhóis chegaram aqui antes dos portugueses.

  • Paulo Pinto:

    Teriam os portugueses descoberto a Austrália 250 anos antes dos ingleses?

  • David:

    Os Portugueses formaram um dos mais imponentes impérios que já dominaram o mundo. À luz da História, pode-se perceber que durante a época das Grandes Navegações, o pioneirismo lusitano se deu em todos os continentes. A prova viva da grandiosa expressão portuguesa no mundo é a nossa própria língua, falada em todos os continentes por cerca de trezentos milhões de pessoas!
    Levada a terras longínquas, a língua portuguesa entrou em contato com a cultura de diversificados povos, desde indígenas a aborígines. Atualmente, isto é constatado ao alencarmos os países lusófonos do planeta Terra: Portugal (continental e insular – Açores e Madeira), Brasil, Cabo Verde (arquipélago belíssimo), Angola (terra da Miss Universo 2011), Moçambique (linda nação da África), Guiné-Bissau (uma terra fulgurosa), São Tomé e Príncipe (povo hospitaleiro), Timor Leste (prova de que os portugueses desbravaram a Oceania antes do resto do mundo), e outras possessões e ex-colônias lusitanas na Ásia, como Diu, Goa, Damão, e Macau.
    Sinto-me orgulhoso por falar português!

    • loule:

      Esqueceu de falar os pontos ruins de cada país que mencionou, resultado da colonização (exploração) portuguesa.

    • luysylva:

      vc esqueceu de fala da Espanha, e Portugal deu sorte, frança e Inglaterra travam guerras, por décadas.Alemanha e Itália, estavam sobre a influencia do vaticano que não permitiam explorações de outros mundos.

  • Regis Jung:

    mais uma vez eles queriam ir para a índia e se perderam kkkkkk

  • ANDREAAG:

    Que sorte dos australianos não terem sido colonizados pelos portugueses!

  • Miguel C.:

    Ainda bem que existiu um povo,que deu uma lingua e uma identidade a outro,que não passavam de tribos e indios…Deixem o complexo de descolonização fora do computador pelo menos…

  • Henrique P. Silva:

    Seria legal mais um país falando português. É uma pena viu…

  • luysylva:

    ser for verdade, ainda bem que não colonizaram, ser não seria uma…como o Brasil.

    • jic:

      A Austrália, o Novíssimo Continente, serviu de colônia penal da Bretanha

      Para a América do Norte fugiam os perseguidos (principalmente religiosos como os Quakers) e desempregados, buscando novas oportunidades

      Para o outro lado do mundo era deportada a escória indesejável, bem longe da coroa

    • Silvio Pinto:

      Discordo desse cacoete fascista de chamar de “escória” seres humanos só porque eles não fazem parte de grupos de privilegiados ou porque têm costumes diferentes.

    • Gargwlas:

      realmente… concordo contigo em numero genero e grau

Deixe seu comentário!