Ursos polares estão perdendo peso rapidamente por falta de gelo sobre o mar

Por , em 3.02.2018

É possível que você tenha visto o chocante vídeo divulgado no último mês de dezembro pela ONG Sea Legacy e pela National Geographic que mostra um urso polar que não passa de pele e osso lutando para erguer a cabeça. O vídeo causou uma grande discussão sobre os reais impactos do aquecimento global nos animais do Ártico. Agora novas informações sobre o tema foram publicadas na revista Science.

O estudo confirma que o derretimento do gelo dificulta a caça às focas, principal alimento dos ursos, e que a probabilidade de que eles morram de fome em breve é alta.

A principal novidade trazida pelo estudo é que ursos polares gastam muito mais calorias diariamente do que inicialmente pensado. Eles queimam 12.325 calorias por dia, 60% a mais do que estudos anteriores estimavam. Eles passam 35% do tempo descansando, mas mesmo assim queimam toda esta energia. Os ursos passaram 28% do tempo andando e apenas 0,3% do tempo nadando.

Nove ursos selvagens fêmeas foram acompanhados por dois anos, entre 2014 e 2016, no Mar de Beaufort (norte do Alaska). Cada animal recebeu um GPS com câmera para que os pesquisadores soubessem o que, exatamente, cada urso estava vendo e fazendo. Eles também receberam sensores para que fosse determinado quanto tempo por dia eles passam ativos ou descansando.

O equilíbrio energético foi determinado com base nas observações de vídeo e exames de sangue, massa do corpo e composição do corpo. A conclusão é que cada urso polar fêmea solitária precisa ingerir uma foca adulta, ou três sub-adultas, ou 19 recém-nascidas a cada 10 a 12 dias para manter o equilíbrio de energia.

Com base nas imagens registradas pelas câmeras dos animais, os pesquisadores observaram que os ursos passam 90% do tempo da caça esperando pelas focas que emergem da água em busca de ar. Os ursos que conseguiram comer focas ganharam peso, enquanto os ursos que não comeram ou que passaram o tempo vasculhando por restos de alimento passaram fome.

“Nosso estudo revela que ursos polares dependem das focas”, diz o autor principal, Anthony Pagano, biólogo do U.S. Geological Survey. Os ursos esperam por horas até que as focas saiam da água e as atingem na cabeça com um golpe com as patas da frente para que fiquem atordoadas. Então as puxam pelo pescoço para o gelo e as matam. “Os ursos são muito melhores em fazer isso do que qualquer outro método de caça”.

Os ursos não são nada bons em caminhar, pois perdem muita energia. Ao mesmo tempo, eles conseguem recuperar esta energia rapidamente, já que um urso de 500kg consegue comer 100kg de carne de foca em apenas um dia. Isso seria o mesmo que uma pessoa de 50kg comer 10kg de comida em uma refeição.

Quanto mais longe os ursos têm que caminhar para caçar, mais peso eles perdem. Depois de perder as reservas de gordura, eles perdem o músculo, o que dificulta ainda mais perseguir presas para comer.

Pior ainda, eles perdem ainda mais energia ao nadar, apesar de conseguirem fazer isto por uma longa distância. “Conforme o gelo derrete mais e mais cedo, os ursos são forçados a nadar mais e mais, para alcançar as populações de foca”, diz um dos autores, Blaine Griffe, biólogo da universidade Brigham Young (EUA). Uma das focas observada por ele nadou 685km em nove dias, e perdeu 22% da massa corpórea, além de ter perdido um filhote que ainda mamava.

Duas vezes durante todo o estudo, os animais foram capturados para ter o sangue e urina coletados, além de passar por outros exames. Eles eram analisados de perto por 8 a 11 dias. Neste período, quatro ursos perderam 10% da massa do copo, com média de 1% ao dia. Isso é 4 vezes a perda de energia que ursos que estão sem comer absolutamente nada longe do litoral gastam por dia.

Um dos ursos perdeu 19kg, incluindo massa magra, em 10 dias. Este urso em particular até perdeu uma chance muito fácil de capturar uma foca que passava ao seu lado.

Mais da metade dos animais deste estudo perderam massa corporal. Outros estudos mostram que de 1983 até 2000, mais e mais animais estão passando fome na primavera, muito antes do verão, época em que o gelo derrete e a caça de focas fica mais difícil.

As mudanças climáticas estão afetando o Ártico muito mais rapidamente que qualquer outra região, e o gelo sobre o mar está diminuindo 14% por década. Mesmo durante o inverno de 2018, satélites mostram que há quase 2 mil quilômetros quadrados a menos de gelo do que a média entre os anos de 1981 a 2010. Ao final da primavera, em maio, o gelo já está quebradiço e demora muito mais tempo para se formar em setembro.

Caso os resultados do estudo sejam validados pela comunidade científica, ele é a prova de que a perda de gelo sobre o mar tem um impacto sobre os ursos polares muito maior do que se acreditava.

Segundo estimativas, existem entre 20 mil a 30 mil ursos polares em 19 grupos espalhados pelos Estados Unidos, Canadá, Groenlândia, Noruega e Rússia. Quatro dessas populações já estão diminuindo, entre elas o grupo do Mar de Beaufort, que já diminuiu em 40% nos últimos 10 anos. Cinco grupos estão estáveis e simplesmente não há informações sobre os outros para saber o que está acontecendo com eles. [National Geographic]

Confira mais informações no vídeo da revista Science abaixo:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (12 votos, média: 4,58 de 5)

Deixe seu comentário!