100 bilhões de planetas alienígenas em nossa galáxia?

Por , em 3.01.2013

Segundo uma nova pesquisa do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), nos EUA, nossa galáxia, a Via Láctea, abriga pelo menos 100 bilhões de exoplanetas (planetas fora do nosso sistema solar), ou muito mais.

O principal autor da pesquisa, Jonathan Swift, e seus colegas estudaram um sistema de cinco planetas chamado Kepler-32, que fica a cerca de 915 anos-luz da Terra. Os cinco mundos foram detectados pelo telescópio Kepler, da NASA.

Eles orbitam uma anã M (estrela anã vermelha do tipo M), um tipo de estrela que é menor e mais fria do que o nosso sol. Anãs M são as estrelas mais comuns na Via Láctea, representando cerca de 75% das 100 bilhões ou mais de estrelas na nossa galáxia.

Os cinco planetas de Kepler-32 são semelhantes em tamanho a Terra e orbitam muito perto de sua estrela-mãe, tornando-os típicos planetas detectados em torno de estrelas anãs M pelo Kepler.

Sendo assim, dizem os pesquisadores, o sistema Kepler-32 deve ser representativo de muitos planetas da galáxia.
“Este é o mais próximo a uma pedra de Roseta que eu já vi”, disse o coautor John Johnson, também da Caltech. “É como desbloquear uma linguagem que nós estamos tentando entender – a linguagem da formação dos planetas”.

O cálculo

Kepler pode detectar sistemas planetários somente se eles são orientados de lado ao telescópio, caso contrário, o instrumento não observar qualquer trânsito planetário.

Assim, os pesquisadores calcularam as chances de que um sistema de estrela anã M na Via Láctea teria essa orientação, e combinaram com o número de tais sistemas que Kepler é capaz de detectar para chegar a sua estimativa de 100 bilhões de exoplanetas.

A equipe considerou apenas planetas que orbitam perto de anãs M, e não incluiu planetas exteriores a Via Láctea. Portanto, nossa galáxia pode realmente abrigar muitos mais planetas do que a estimativa conservadora indica – talvez 200 bilhões, ou cerca de dois por estrela.

Sistema Kepler-32

Os planetas de Kepler-32 têm diâmetros de 0,8 a 2,7 vezes o da Terra, e todos orbitam dentro de 16 milhões de quilômetros de sua estrela. Para efeito de comparação, a Terra orbita o sol a uma distância média de 150 milhões de quilômetros.

Como a estrela Kepler-32 é menor e menos luminosa do que o nosso sol, os cinco planetas provavelmente não são tão quentes quanto suas órbitas próximas podem sugerir. Na verdade, o planeta mais externo do sistema parece estar na sua zona habitável, ou seja, a distância certa que poderia apoiar a existência de água líquida no planeta.

A nova análise também sugere que os planetas Kepler-32 se formaram originalmente mais longe da estrela, e depois migraram para mais perto. Várias peças de evidência apontam em direção a esta conclusão. Por exemplo, a equipe estimou que os cinco mundos se uniram a partir de material contendo massa tanto quanto três Júpiteres. Mas os modelos sugerem que tanto gás e poeira não podem ser espremidos na pequena área circunscrita pelas órbitas dos planetas atuais.

“Você olha em detalhe para a arquitetura do sistema planetário, e é forçado a dizer que estes planetas se formaram mais longe e depois se mudaram”, disse Johnson.[LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (3 votos, média: 5,00 de 5)

17 comentários

  • Jack Olv TopSecret:

    Talvez, provavelmente, após eu morrer terei a chance de esclarecer esta questão… (vida fora da Terra)

  • Jack Olv TopSecret:

    Apenas alguém com uma mentalidade muito limitada para achar que somente existe vida no planeta Terra mesmo… Na verdade, interpreto tal tipo de atitude como excesso de egoísmo, que nada mais é do que a fusão entre insegurança e materialismo. Certa vi escrito: “Quem pensa que o céu é o limite tem a imaginação limitada”.

  • Andre Luis:

    Talvez essa forma de vida que conhecemos, seja a menos comum encontrada no universo. Pode ser que exista milhares de outras formas de vida “inteligente”, mas com uma estrutura totalmente diferente, com outras necessidades energéticas, porem mais comuns para um possível padrão universal.

  • Duda Weyll:

    É interessante conceber um sistema com mais de uma Exoterra, dá até pra imaginar como seria se Vênus e Marte tivessem populações inteligentes com linhagens evolutivas diferentes da nossa. Em suma, sistemas assim teriam espécies inteligentes integradas ou tenderiam à guerra interespécies? rs

    • Jonatas:

      Estenda um pouco a zona habitável, mas não é fácil. Os melhores lugares pra vida tal qual conhecemos são os sóis amarelos do status do nosso: os muito menores acabam sendo sistemas menores, onde os planetas ficam rebocados muito perto da estrela com rotação presa na translação (sempre a mesma face ao dia e a mesma a noite), e sujeitos à muita radiação – é o caso dos sistemas de sóis anões vermelho, um tipo de sistema planetário bem comum.

    • Duda Weyll:

      É só uma especulação minha, nada a ser levado a sério, mas se formos atentar ao nosso sistema, Vênus e Marte estão na zona habitável, os problemas maiores são a alta pressão venusiana devido ao efeito estufa e a inexistência de uma magnetosfera marciana… O que tentei imaginar foi um sistema similar ao nosso ter a sorte grande (e põe sorte nisso) de ter Vênus que não entrou em colapso pelo efeito estufa e Marte que não perdeu a magnetosfera, além de possuir atmosfera mais densa. Coisa de leitor de ficção científica. xD

    • Jonatas:

      é válido. Acho que conflitos eclodiriam mais por diferenças éticas do que por interesses, nesse caso de duas civilizações no mesmo sistema, visto que espaço e riqueza é que não faltam em sistemas planetários. abraços

  • Filipe de Paula:

    Um Dia o Homem sera um deus do Universo e nada sera tão longe que não possa ser alcançado.

  • Henrique Telles Dos Santos:

    consertesa existe vida fora da terra mais quando vamos acha las?

  • Rone Firmino:

    Seria bem interessante se planetas em outras estrelas estivessem proximos o suficiente para uma viagem até eles de um ou dois meses. É claro, a estrela mais próxima fica á mais de 4 anos luz.. Recentemente um documentário do Discovery mostrou de maneira bem didática como seria se civilizações tentassem viajar por estas distancias.. Seria interessante explorar planetas ou sua luas que contivessem ar atmosférico nas mesmas proporções da terra.. O que dizer de experimentar metade ou menos da gravidade da terra como os os astronautas na Lua, mas sem aqueles trajes pesados? Ou ainda olhar para o céu mesmo durante o dia e observar outras luas ou um planeta da lua que estivessemos? É claro, assim como em alguns filmes e docs… Mas acho que um dia isso será possivel.. Mas só daqui mais de mil anos..8-)

  • Jonatas:

    Considerando junto os Planetas Anões e luas Planetárias (satélites do tamanho de Planetas como Titã, Ganimedes, Europa, Lua), e também os Planemus (Planetas errantes, sem sol – não orbitam ao redor de nenhuma estrela), o Número de mundos a explorar na galáxia é indescritivelmente grande.

  • Samantha Monteiro:

    E ainda tem gente que acha que só na Terra eiste vida… Será que nesses 100 bilhões de planetas não existe um etezinho… Kkkkkk

  • Francisco Assis Gurgel Gurgel:

    muita especulação nisso, Planetas podem existirem
    agora alienígenas com vidas inteligentes? talvez… ou nunca serão encontrados creio eu.

  • luysylva:

    devem exite planetas iguais a terra, com certeza, pois serem muito parecidos com nós, devem ter braços mão e dedos para usa como ferramentas.

    • Renato Bezerra:

      Acho difícil, mesmo q haja milhares de planetas semelhantes a terna pelo universo, as probabilidades dos processos evolutivos caminharem pelo mesmo caminho q o nosso é bastante improvável, caso contrario, se no futuro encontrarmos seres semelhantes a nós podemos começar a considerar que exista um planejamento para a vida causado por algo q não saberíamos o q é (alguns poderiam chamar de Deus).

    • Macako Babuino:

      Muita ignorância sua achar difícil que a vida não poderia surgir em outros lugares como na Terra. E qual o problema se todos fossem gerados por um “Deus”, isso acabaria com a ciência, com a física?
      Imagina se levarmos em conta os universos paralelos? A probabilidade fica tão imensa que é cabível dizer que existe uma pessoa semelhante a você em um outro lugar. Se tem ou não vida igual a da Terra em outro lugar não sei, mas difícil é um termo muito forte pra isso.

    • Renato Bezerra:

      Não sou ignorante cara. Apenas dei minha humilde opinião em uma área onde ninguém tem autoridade suficiente para chamar outro de ignorante seja lá qual seja seu ponto de vista, pois ainda não sabemos de nada sobre vida fora daqui. Não só acredito q a vida pode surgir em outros lugares como tbm acredito q o universo esteja repleto dela. No entanto, o q ACHO DIFÍCIL é os processos evolutivos gerarem seres com as mesmas características q as nossas (primatas, mamíferos, vertebrados…). Neste quesito o termo difícil não é tão forte. E quando citei q precisaríamos considerar um Planejador seria justamente pelo método científico. Quando vc fala sobre universos paralelos ai percebo q vc já quer forçar a barra. Seja mais cauteloso com suas palavras.

Deixe seu comentário!