Cascavéis contra ratos: vídeo mostra essa incrível batalha da natureza em câmera lenta

Por , em 20.01.2017

As cascavéis de Mojave e os ratos-cangurus de Merriam estão envolvidos em uma batalha evolucionária: o predador astuto contra a presa veloz. O vídeo dramático de alta velocidade abaixo mostra como as cobras precisam ser rápidas e criativas para lançar um ataque – e como os roedores ainda assim conseguem evitar a própria captura.

Cobras cascavéis atacam GoPro

Surpreendentemente, muito pouco se sabe sobre os ataques de cascavel. Mas os novos avanços tecnológicos em câmeras de alta velocidade estão tornando possível captar vídeos tridimensionais desses ataques rápidos e relâmpagos na natureza. Uma equipe liderada pelo biólogo Timothy Higham, da Universidade da Califórnia, nos EUA, usou tal tecnologia para filmar cascavéis de Mojave em ação, permitindo-lhes entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de um ataque ou de uma fuga.

Segundo Higham, a equipe reuniu imagens dos ataques de cascavel sob iluminação infravermelha no Novo México em 2015. “Os resultados são bastante interessantes, pois os ataques são muito rápidos e altamente variáveis”, diz o especialista. “As cobras também parecem errar de forma bastante dramática – seja porque a cobra simplesmente erra o bote ou porque o rato sai do caminho a tempo”.

Observando o vídeo de alta velocidade (filmado a 500 quadros por segundo), a equipe de Higham percebeu que as cobras atacam melhor e mais rápido na natureza do que em condições de laboratório. As velocidades máximas alcançadas durante os ataques variaram entre 4,2 e 4,8 metros por segundo. Para um animal que está agachado e imóvel antes do ataque, é uma quantidade insana de velocidade. É legal de assistir, mas para as presas, significa que não há quase nenhum tempo para reagir.

O que estas cascavéis estão aprontando? [vídeo]

Não contentes com a super velocidade de seus botes, as cobras também foram observadas mudando o estilo de seus ataques. Eles ocorreram a partir de uma ampla faixa de distâncias, variando de 4,6 a 20 cm. O desempenho dos ratos-canguru foi igualmente impressionante – o tempo médio de resposta a um ataque foi de apenas 61,5 milissegundos (em comparação, o tempo de reação médio para seres humanos é de cerca de 215 milissegundos). Em conjunto com seus reflexos rápidos, os ratos-canguru amplificam seu poder de salto durante um ataque através de algo chamado “armazenamento de energia elástica”.

“O armazenamento de energia elástica é quando o músculo estica um tendão e, em seguida, relaxa, permitindo que o tendão aja como uma faixa elástica, sendo liberado da posição esticada”, explicou Higham. “É equivalente a um tiro de estilingue – você pode puxar o elástico lentamente e ele pode ser lançado muito rapidamente”. O rato-canguru provavelmente usará os tendões em sua perna – semelhante ao nosso tendão de Aquiles – para armazenar energia e liberá-la rapidamente, permitindo que salte rapidamente e evite o bote. Veja outro ataque neste vídeo:

Cobras: 7 fatos incríveis que vão deixar você de cabelos em pé!

Olhando para o futuro, os pesquisadores esperam observar outras espécies de cascavel e rato-canguru para explorar qualquer diferença entre as espécies. Até lá, você pode se maravilhar – ou estremecer – com a ferocidade desses ataques horripilantes de cascavel. [Gizmodo]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (4 votos, média: 4,75 de 5)

Deixe seu comentário!