Vídeo: o estranho ritual de acasalamento da “aranha pavão”

Por , em 4.12.2012

Em uma floresta no sudeste australiano, próximo a Sidney, vive uma espécie de aranha que provavelmente não causa medo em ninguém: a Maratus volans, também conhecida como “aranha pavão”.

Pequena (o macho tem cerca de 4mm de largura), essa espécie tem um curioso ritual de acasalamento, que foi documentado pela primeira vez pelo cinegrafista Jürgen Otto, em 2011. “O macho expande um par de abas coloridas e levanta duas pernas, e então dança em frente à fêmea”, descreve. O abdômen colorido ajuda a chamar a atenção e, com sorte, conquistar uma parceira. Se a fêmea não gostar, porém, o macho corre o risco de se transformar em refeição.

Confira no vídeo as tentativas dessa simpática aranha saltadora (e, se precisar, ative as legendas).[YouTube]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

6 comentários

  • Samara Silva:

    file:///C:/Users/Samara/Desktop/Sem%20t%C3%ADtulo.png

  • Adiel Moraes:

    realmente sao lindas e tem gente que tem medos dessas criaturas

  • Rafael Procopio:

    Eu fiz uma versão brasileira desse vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=Ul3Sd3rvF5c

  • Rafa Camargo:

    Que criaturinha mais simpática!

  • Falcone Big:

    Existe uma outra espécie que para atrair fêmeas executa danças e rituais de acasalamento de formas muito estranhas também. Esse ritual ocorre principalmente a noite e em ambientes fechados, muitas vezes lotados com seres da mesma espécie e com sons elevadíssimos. O ritual / dança se intensifica quando machos e fêmeas absorvem uma substância (cuja fórmula CH3CH2OH) que promove euforia e danças exóticas durante o ritual, percebe-se também algumas tentativas de acompanhamento dos elevados sons do ambiente através da emissão do que aparenta ser grunhidos (estes estranhos sons ainda estão sob estudo). Curiosamente foi verificada uma proporção direta na quantidade ingerida com a facilidade de escolha do(a) parceiro(a), principalmente quando ingerida pela fêmea da espécie. Contudo, após cuidadosas observações concluiu-se que a substância aparenta ser extremamente depressiva após algum período, causando fortes dores na região encefálica e promovendo algumas dificuldades motoras para a espécie no inicio de sua rotina no dia seguinte. Conclui-se que mesmo em pequenas doses tal substância promove a amnésia na espécie no decorrer de 72 horas, uma vez que a espécie repete o ritual semanalmente.

  • Danilo Moço:

    Muito interessante,fiz uma apresentação de um trabalho na minha faculdade de biologia e que eu havia citado sobre as aranhas pavão, pena eu não poder ter exibido este vídeo!!!

Deixe seu comentário!