A visão mais detalhada do “disco completo” da Terra foi lançada – e é incrível

Por , em 25.01.2017

A imagem acima é a mais detalhada do “disco completo” da Terra já feita. A visão sem precedentes, registrada no último 5 de janeiro, é quatro vezes mais minudenciada do que qualquer outra.

A fotografia é uma cortesia do satélite meteorológico da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA (NOAA), chamado de GOES-16.

Clique aqui para baixar a imagem com alta resolução.

GOES-16

GOES-16 foi lançado em 19 de novembro de 2016, e orbita cerca de 35.900 quilômetros acima da Terra, uma posição chamada de órbita geoestacionária.

Em comparação, a Estação Espacial Internacional orbita a Terra a cerca de 350 quilômetros.

Esta órbita permite que o satélite permaneça acima do mesmo ponto e monitore as mudanças na atmosfera, terra e oceano ao longo do tempo.

Segundo Louis Uccellini, diretor do Serviço Meteorológico Nacional da NOAA, a visão é muito mais do que uma imagem bonita: é o futuro das observações e previsões meteorológicas.

Informações mais precisas

O GOES-16 fornece imagens em mais comprimentos de onda de luz e com quatro vezes mais resolução do que qualquer outro satélite, as retransmitindo cinco vezes mais frequentemente.

Isso significa que temos uma visão totalmente nova do hemisfério ocidental a cada 15 minutos e uma nova visão dos sistemas climáticos (como furacões) a cada 30 segundos.

Essas observações mais recentes, rápidas e detalhadas nos alertam de perigos e revelam recursos que instrumentos anteriores poderiam ter perdido.

Uccellini afirma que a rápida atualização dessas imagens nos permitirá monitorar e prever a evolução desses sistemas com mais precisão. “Os meteorologistas poderão emitir avisos mais precisos, oportunos e confiáveis e fornecer melhores informações aos serviços de emergência”, disse.

A beleza da Terra

O satélite possui dois canais de luz visível e quatro canais de infravermelho próximo (luz que não é visível, mas às vezes podemos sentir como calor).

Ainda possui outros dez canais infravermelhos que podem destacar “diferenças na atmosfera como nuvens, vapor de água, fumaça, gelo e cinzas vulcânicas”, de acordo com a NOAA.

Confira outras imagens feitas pelo incrível GOES-16: [ScienceAlert]

O satélite usa a lua para ajudar a calibrar suas imagens

Esta é a América do Norte com clima chuvoso e nevado se movendo pelos Estados Unidos

Flórida, Caribe e parte da América Central

Península de Yucatán, na América Central

Poeira do deserto do Saara (à direita) soprando no Oceano Atlântico

Uma visão da América do Sul e, especificamente, da Argentina. Uma tempestade se forma no nordeste, e ondas de gravidade são visíveis no sudoeste

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (9 votos, média: 4,56 de 5)

7 comentários

  • Beatriz Corrêa da Silva:

    Concordo com Cesar, me parece que as partes em marrom são os desertos naturais. Imagens belíssimas! Mas, a terra não é plana? KKKKK idiotas!

  • RGS:

    Engraçado, com a tecnologia usada ainda não foi possível ver as estrelas nessas fotos. Parece que as fotos tiradas na lua, são verdadeiras.

    • Anderson Pessôa:

      Terra e lua com a luminosidade que tem, requerem certa abertura de objetiva que causa esse efeito de céu sem estrelas nas fotos da nasa

  • Tibulace:

    A ” beleza da Terra”, dá MUITO MEDO:Maioria das fotos, mostra o solo MARRON, por causa da AUSÊNCIA da vegetação.Desmatamento terrível!

    • Cesar Grossmann:

      As regiões que aparecem em marrom são, até onde eu vi, desertos naturais. Da Califórnia ao sul do México é uma região árida, assim como o sul da América do Sul, é pampa e o deserto do Atacama.

  • Jader Pereira:

    Cade os idiotas da terra plana!!! Onde estao agora!!!!

    • Cesar Grossmann:

      Shhh, fala baixo…

Deixe seu comentário!