“Coração partido”: nova terapia celular pode fazer com que o coração se regenere

Publicado em 4.07.2011

Cientistas descobrem a cura para um “coração partido”: segundo um novo estudo, injetar proteínas semelhantes à insulina diretamente no coração pode fazer com que células danificadas sejam capazes de se reparar e regenerar.

Experiências com animais mostraram que as células adormecidas poderiam “reviver” após um tratamento de medicina regenerativa com determinados fatores de crescimento – proteínas que ocorrem naturalmente e que as células usam para se comunicar com seu ambiente.

A pesquisa mostra que os fatores de crescimento IGF-1 e HGF injetados causam regeneração anatômica, histológica e fisiológica significativa dos corações danificados.

O estudo pode significar uma terapia alternativa às atuais quando se trata de doenças cardíacas. Os resultados poderiam levar a tratamentos mais simples e acessíveis para ataques cardíacos, por exemplo.

A forma de terapia atual provavelmente não terá um grande impacto no tratamento de doenças graves que afetam milhões de pessoas, como doenças e insuficiências cardíacas. Em contraste, a nova abordagem poderia levar a uma terapia regenerativa clínica do miocárdio eficaz, simples, acessível, rápida, amplamente disponível, fácil de aplicar e compatível com o padrão atual de cuidados cardíacos.

No momento, a descoberta é considerada a maior promessa em terapia celular. O financiamento para testes clínicos do novo método devem vir do hospital da universidade Vall d’Hebron, em Barcelona, Espanha.

As evidências obtidas a partir dos dados pré-clínicos são muito encorajadoras. Os cientistas britânicos também estão atrás de financiamento para executar os testes clínicos no Reino Unido. [Telegraph]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 25 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

1 comentário

  1. Há certas incoerências ciêntificas realmente espantosas. A medicina regenerativa não precisava ter ficado à espera da engenharia genética, mas parece que ficou. E no momento em que a moda é tratamento com céluas-tronco, outra solução mais simples se apresenta.

    Thumb up 0

Envie um comentário