Como ser uma pessoa melhor e mais feliz: 10 maneiras científicas

Publicado em 4.01.2014

As férias e o começo de ano não são sempre tempos fáceis. Muitos de nós sentem falta de pessoas que já se foram, outros estão lutando contra doenças mentais, que se interpõem no caminho de se sentir feliz. Que tal então explorar 10 maneiras comprovadas de se livrar do estresse e se sentir bem? Essa é uma resolução de Ano Novo que vale a pena tentar! Confira:

Como ser uma pessoa melhor

10. Tente se sentir feliz

como ser uma pessoa melhor e mais feliz

Qualquer pessoa que tenha sofrido de crises de tristeza sabe que “vamos lá, supere isso” é um conselho frustrante. Nunca é bom dizer a alguém para “simplesmente esquecer”, quando essa pessoa não consegue afastar a tristeza. Não importa a razão, menosprezar as emoções de alguém não vai ajudá-lo a se sentir melhor. O que você pode aconselhar, no entanto, é que a pessoa foque em seus próprios sentimentos e tente se sentir mais feliz.

De acordo com dois pesquisadores da Faculdade Knox e da Universidade de Missouri (ambas nos EUA), apenas tentar ser feliz já pode melhorar a sua sensação de bem-estar. No primeiro dos dois estudos, os voluntários foram instruídos a ouvir música animada. Um grupo de voluntários deveria tentar se sentir feliz ao ouvir a música, e o outro grupo deveria apenas ouvi-la. O grupo que tentou ativamente se sentir mais feliz de fato se sentiu muito mais positivo do que o outro grupo. No segundo estudo, que durou mais de duas semanas, um grupo teve que ouvir e se concentrar na música feliz, enquanto um segundo grupo teve que ouvir música feliz, mas se concentrar em melhorar o seu humor. Os participantes que foram orientados a se concentrar em sua própria felicidade relataram os mais elevados sentimentos de positividade.

9. Desconecte-se

9
No mundo de hoje, as pessoas passam mais tempo do que nunca em seus dispositivos eletrônicos. Uma pesquisa da Universidade de Gotemburgo, na Suécia, mostrou que as pessoas que passam mais tempo neles são mais propensas a sofrer de problemas físicos e mentais, como estresse, depressão e problemas de sono. O estresse foi muitas vezes o produto de estar constantemente disponível. Pessoas relataram se sentir culpadas porque era sua responsabilidade responder aos textos e atender chamadas.

Não só adultos, mas crianças sentem os efeitos negativos do tempo de tela constante. Os pequenos estão em maior risco de ansiedade e depressão quando passam muito tempo assistindo TV, jogando no computador, ou no celular. Estes problemas de saúde mental são mais significativos quando as crianças passam quatro horas ou mais nesses tipos de dispositivos, embora os efeitos comecem a aparecer quando as crianças ficam mais de duas horas olhando para telas eletrônicas.

A solução? Se desligue. É importante encontrar uma maneira de se desconectar deliberadamente de uma vida constantemente tecnológica, nem que seja por dez minutos ao dia. Cozinhar e comer uma refeição podem ser bons momentos para isso. Tirar um tempo longe da mídia social, respondendo imediatamente a mensagens e e-mails, pode trazer grandes mudanças para a sua saúde, como melhor sono, mais produtividade e maior autoestima.

8. Saia de casa

8
Nós já cobrimos como muita tecnologia pode ser ruim para você, mas o que acontece quando você fica dentro de casa o dia todo? Nós já sabemos que passar muito tempo no sol é ruim para a saúde. De queimaduras a câncer de pele e problemas no sistema imunológico, bronzeamento excessivo não é uma boa ideia. Mas o oposto também é péssimo. A Organização Mundial de Saúde sugeriu que mais doenças podem ser atribuídas à não tomar suficiente sol do que o contrário. Muitos dos principais benefícios para a saúde vêm da produção de vitamina D, que nossa pele processa quando entra em contato com a radiação UVB do sol. A deficiência de vitamina D está associada a uma infinidade de problemas físicos e mentais, e estudos dizem que os suplementos de vitamina D não são suficientes para substituir a luz solar natural. Apenas 10 a 15 minutos de luz solar direta, sem óculos de sol, produz benefícios.

Pesquisadores da Universidade de Edimburgo (Escócia) concordam que ficar do lado de fora pode ter mais benefícios do que riscos. Quando a pele é exposta à luz solar, óxido nítrico químico é liberado para a corrente sanguínea e combate a pressão arterial elevada, o que reduz o risco de doenças cardíacas e pode prolongar a vida. Além disso, entrar em contato com a natureza pode melhorar o humor e reduzir o estresse.

7. Medite

7
Esta dica exige uma certa concentração, mas os benefícios são enormes. Embora a meditação existe há eras, não está bem estabelecida nas culturas ocidentais. Os primeiros estudos científicos ocidentais sobre meditação mostraram, no entanto, que ela poderia ser um tratamento para problemas físicos como enxaqueca e até mesmo diabetes. Estes estudos começaram também a ver um outro resultado positivo da meditação: redução das emoções negativas. O controle dos sentimentos positivos e negativos já começa depois de apenas dois meses de prática. A meditação também torna as pessoas mais amáveis e melhora a resposta do sistema imunológico. Meditação pode não ser uma correção instantânea, mas é uma das maneiras mais eficazes a longo prazo de tornar uma pessoa mais feliz.

Além disso, pode realmente alterar a sua expressão genética. Pesquisadores estudaram dois grupos de pessoas para observar os efeitos da meditação em um nível molecular. Um grupo foi instruído a passar um dia calmo e relaxado, enquanto o segundo grupo, composto por meditadores qualificados, foi instruído a passar um dia envolvido em meditação consciente. Antes do início do estudo, não havia diferenças nos genes entre os grupos. Depois, os meditadores experientes apresentaram alterações em nível molecular. Uma dessas modificações foi uma redução na expressão do gene inflamatório. Ou seja, a meditação não só pode fazer você mais feliz e saudável, como pode fazer alterações em um nível genético.

6. Faça algo ou compre coisas para os outros

6
Se você mantiver esse ideal durante todo o ano, é provável que seja mais feliz do que aqueles que não fazem nada pelos outros. De acordo com pesquisadores da Universidade de British Columbia e da Universidade de Harvard, dinheiro pode comprar felicidade, mas só quando você está comprando coisas para outras pessoas. Os pesquisadores descobriram que as famílias que ganhavam menos de US$ 50.000 (cerca de R$ 100 mil) anualmente eram menos felizes do que as pessoas que ganhavam entre US$ 50.000 e US$ 75.000 (R$ 100 e 150 mil), mas um fator mais importante para a felicidade do que a renda era doar para os outros.

Atos diários de bondade e altruísmo podem promover felicidade e maior satisfação de vida global. Em um estudo publicado no The Journal of Social Psychology, três grupos de pessoas foram dadas tarefas diferentes. Todos os dias, durante 10 dias, um grupo foi obrigado a realizar um ato de altruísmo, outro tinha que tentar algo novo, e o terceiro grupo foi orientado a viver como fariam normalmente. Os dois primeiros grupos relataram níveis mais elevados de felicidade após esse período, sugerindo que novas atividades e atos caridosos podem melhorar significativamente a nossa satisfação na vida.

5. Sorria como se fosse de verdade

5
Antes que você diga que ninguém gosta de um sorriso falso, ouça esses pesquisadores: sorriso não é apenas uma resposta a sentir-se feliz, também pode nos fazer felizes. A resposta física aos sentimentos afeta nossos estados emocionais, e, para muitos de nós, é mais fácil controlar os músculos faciais do que nossas mentes. Esta teoria foi originalmente chamada de “hipótese do feedback facial”, e muitos estudos têm sido realizados para testar a realidade por trás da fachada.

Pesquisadores da Universidade de Cardiff, no País de Gales, estudaram pessoas que tiveram injeções de Botox e dificuldade em franzir a testa como resultado dos músculos faciais paralisados. Essas pessoas relataram níveis mais elevados de alegria do que pessoas que não tinham problema em franzir a testa, independentemente de seus níveis reais de autoconfiança. Os pesquisadores apontam isso como prova da conexão mente-corpo quando se trata de felicidade – se ficar carrancudo pode fazer você se sentir triste, sorrir pode fazer você se sentir mais feliz.

A razão pela qual isso funciona é porque seus músculos faciais dão feedback neurológico direto para o seu cérebro. Se você está sorrindo, a combinação de músculos que está em uso é associada à felicidade e seu cérebro recebe esses sinais. Isso vai desencadear grandes sentimentos felizes porque seu cérebro percebe que sorrir tem a ver com alegria. Se o seu sorriso é particularmente grande, você trabalha o músculo orbicular no canto de seus olhos. Quando este músculo se flexiona, seu cérebro fica ainda mais convencido de que você deve estar se sentindo bem, porque esse músculo é utilizado apenas quando você está realmente sorrindo.

Tenha em mente que suprimir as emoções negativas não melhora a felicidade a longo prazo, e ser emocionalmente sufocado pode ter efeitos negativos em outras áreas de nossas vidas. É importante expressar as emoções negativas, mas tentar abrir um sorriso pode fazer você se sentir melhor quando nem tudo vai tão bem e você precisa se animar.

4. Não vejas as horas passarem

4
O tempo voa quando você está se divertindo. Os cientistas têm uma palavra para esse sentimento, de quando você está tão envolvido em uma atividade que para de perceber a passagem do tempo: “fluxo”. Fluxo acontece quando estamos completamente imersos e comprometidos em uma atividade. E o melhor: essa é uma experiência ativa que você pode criar. As coisas que criam fluxo são diferentes para cada pessoa, porque todo mundo tem habilidades e preferências únicas. Um atleta de resistência pode ter fluxo durante um passeio de bicicleta, enquanto um artista pode fluir ao pintar o pôr do sol.

O que cria o fluxo não é a atividade em si, mas as circunstâncias que a rodeiam e sua percepção da atividade. A atividade, seja cortar a grama ou fazer paraquedismo, deve cumprir três requisitos: deve ser vista como uma escolha, tem que ser algo que você acha agradável, e tem que ser difícil o suficiente para exigir habilidade, mas não tão difícil que você não seja bem sucedido.

Talvez um dos aspectos mais fascinantes de fluxo é a falta de emoção. Durante o fluxo, você literalmente se perde no momento. É depois que você sente a alegria da experiência. É por isso que duas das coisas que as pessoas mais se arrependem no final da vida é não viver uma vida fiel a si mesmo e trabalhar demais. Quando você faz um trabalho que ama, é o fluxo que lhe traz felicidade e isso não parece trabalho. Mas não se preocupe se você não tiver o seu trabalho dos sonhos; é possível criar fluxo em qualquer trabalho. A chave é encontrar propósito no que você está fazendo.

3. Dê abraços

3
O Facebook dá às pessoas um senso de conectividade, mas não traz satisfação ou felicidade. Em um estudo, as pessoas se sentiram muito melhor quando interagiam com outras pessoas na vida real ou até mesmo por telefone, do que usando o Facebook. Essa descoberta suporta o enorme corpo de pesquisa que diz que o toque é um curandeiro mágico, e que a falta de intimidade é prejudicial.

O toque tem uma infinidade de efeitos positivos, incluindo sistemas imunológicos melhorados e redução da ansiedade. A partir do momento em que nascemos, o toque é uma das necessidades humanas básicas mais importantes e desvalorizadas. Crianças que não recebem carinho adequado são muito mais propensas a sofrer de problemas sociais, emocionais e comportamentais. A privação do toque significa que dois hormônios que desempenham um papel importante nos relacionamentos emocionais e sociais com os outros, ocitocina e vasopressina, não são liberados. Isso pode ter um efeito duradouro, para o resto da vida.

Os benefícios do contato também não vão embora quando crescemos. A ocitocina continua a ser liberada ao longo de nossas vidas, quando abraçamos amigos e familiares. Ela reduz os níveis de cortisol, o hormônio do estresse, reduzindo assim a ansiedade em geral. Ficar de mãos dadas pode trazer resultados positivos semelhantes. Até acariciar animais pode trazer grandes benefícios para você e para o bichinho, como menos dor, melhor sistema imunológico e felicidade duradoura.

2. Se exercite

2
O exercício tem sido ligado a uma disposição feliz e peritos médicos exaltam os benefícios de saúde de atividades regulares. Mas e a longo prazo? O exercício pode te fazer feliz além da corrida inicial?

No início de 2013, cientistas canadenses descobriram que as pessoas que eram menos fisicamente ativas eram duas vezes mais propensas a serem infelizes em comparação com aqueles que eram continuamente ativos. Da mesma forma, pesquisadores da Universidade Penn State (EUA) descobriram que as pessoas que eram mais ativas fisicamente tinham níveis mais altos de satisfação do que os sedentários. Há até mesmo um crescente corpo de evidências científicas de que o exercício pode ser mais eficaz do que antidepressivos no tratamento de pacientes deprimidos. Pode até ter o mesmo efeito da maconha, graças a substâncias químicas chamadas endocanabinóides que nossos cérebros produzem quando nos exercitamos. Estes produtos químicos reduzem a dor, o estresse e ansiedade. Da próxima vez que você precisar se sentir realmente bem, pegue seu tênis e vá correr.

1. Não trate felicidade como um objetivo

1
Sorrir quando você não sente bem é uma boa maneira de melhorar o seu humor, mas não torne “ser feliz” seu objetivo de vida. A felicidade não é um estado permanente. Estabelecer tal meta é insatisfatório porque a felicidade é uma emoção, não um ponto final que você pode saber que alcançou. Perceber que a felicidade é uma parte da vida e trabalhar para reduzir reações emocionais negativas, treinando o corpo e a mente, são metas mais alcançáveis.

Pesquisadores da Universidade de Denver (EUA) vêm estudando como ter uma meta de felicidade afeta nosso bem-estar emocional. Os resultados de seus estudos mostraram que as pessoas que não estavam estressadas, mas davam mais valor à felicidade eram menos felizes do que aquelas que não valorizavam tanto a felicidade. De acordo com a pesquisa, as pessoas que valorizavam mais a felicidade definiam objetivos mais elevados para alcançá-la, sendo mais fácil de se sentir decepcionado. Outra causa pode ser que se concentrar demais em sua própria felicidade pode fazer com que você se comporte de maneira egoísta e perca oportunidades de criar momentos felizes com os outros.

Os especialistas sugerem que as pessoas estabeleçam metas de curto prazo que se concentrem em atividades ao invés de emoções, como meditar, chamar sua irmã para almoçar ou fazer uma caminhada diária. Essas metas menores e mais alcançáveis naturalmente nos trarão mais alegria. [Listverse]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 25 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

7 Comentários

  1. As investimos tanto num sonho e acabamos deprimidos por esquecer o presente.

    “Sonhos são lindos maravilhosos e tudo que precisávamos para ser feliz só até o momento que os realizamos depois descobrimos que não era bem isto que nos faltava”

    Mas sem sonhos, expectativas, ilusões não somos nada é isto que nos tornam humanos. Só não podemos esquecer que a vida não se baseia apenas em realizar sonhos chegando ao destino, aprecie a paisagem no caminho.

    Thumb up 3
    • Verdade, sempre evito ouvir músicas tristes, principalmente as que falam de chifre. kkkkk

      Thumb up 0
  2. Ótima matéria, muito inspiradora.

    “Se a maioria dos sonhos não se realizam, a maioria dos medos preconcebidos também não. Já que é para perder tempo então vou perder com alegrias por antecipação.”

    “Não precisa ser feliz para ser feliz” Rsrsrs!!!

    Thumb up 19

Envie um comentário